Home page

23 de setembro de 2017

Responsável: Constantino K. Riemma


Nibiru - reflexões sobre o arcano da Estrela
Cinthia Cristina Doula
 
Na infância ouvia minha avó dizer que a gente deveria ter um olho no gato e outro no peixe, mas, criança ainda, não entendia muito bem o que isso significava. Acredito, porém, que essa frase sirva para a situação que exponho nesse texto sobre o Arcano 17 e Nibiru, o planeta que pode trazer grandes transformações a Terra quando passar próximo a ela.
Nibiru virá? Nibiru não virá? Ele existe? Ele não existe? Pessoalmente, acredito na sua existência pelas pesquisas que tenho feito e que, ciclicamente passa por aqui, às vezes causando transtornos (Dilúvio, Atlântida) e, outras vezes, passando quase desapercebido, dependendo da posição do Sol no momento.
A questão não é causar alarde e nem sensacionalismo que a nada levariam, pelo contrário, só iriam piorar as coisas. A questão é saber quem somos num grande momento de transformação como este.
O joio ou o trigo? Nisso está toda a diferença, porque a morte não existe. Se algo acontecer ao planeta e continuarmos vivos, vamos ter que mudar muita coisa, porque do jeito que está não está bom. E, se desencarnarmos, o mesmo vale, porque dependendo de quem formos iremos para lugares afins com as nossas energias, boas ou más.
Nibiru colide com a Terra
Ilustração da passagem de Nibiru próximo à Terra
Obtida em http://www.maya12-21-2012.com/myth-of-nibiru.html
Tomemos um exemplo bem simples: se eu fosse ao médico hoje e ele me dissesse que eu teria apenas seis meses de vida, evidente que, num primeiro momento, entraria em pânico, mas, aos poucos iria refletir sobre o que fiz durante minha vida, o que me tornei e o que, ainda, poderia, em tão pouco tempo, realizar para que pudesse seguir para os "campos de trigo" da espiritualidade. Talvez seja essa a função do tal Nibiru, dar uma olhada em como andam as coisas por aqui e, dependendo de como estamos "evoluindo" mudar a direção das coisas ou deixa-las como estão.
Num ponto, acredito que todos concordam: as coisas não vão bem, não é? As evidências de que estes dias estão próximos estão pipocando por aí. Não poderemos mudar o mundo num piscar de olhos mas, sem nenhuma dúvida, poderemos começar neste exato momento uma mudança interior, íntima, tentarmos melhorar nossa vibração e a dos que estão mais próximos de nós. Na soma, isso já seria um resultado bem satisfatório.
Não importa o que vai acontecer, como vai acontecer, ou quando vai acontecer; na infinitude do Universo, somos bem menos que um grão de areia seguindo a vontade de uma Força Maior que nos criou e Ele deve saber o que está fazendo. Confiemos, mas não vamos deixar de fazer nossa parte no esforço de nos tornarmos pessoas melhores.
Nibiru e o arcano da Estrela
Como espiritualista e taróloga, além de muito curiosa, tenho estudado por longo tempo a questão do tal Planeta X, Nibirus, Ercólubus, Planeta Chupão, nomes dados a este enorme corpo celeste que há muito se fala num tom fantasioso. Nos últimos meses, no entanto, isso parece que deixou de ser fantasia e a sua existência já está comprovada. Indico, no final deste artigo, alguns links nos quais me baseei para fazer tal afirmação. Como comprovada está também a sua proximidade com a Terra.
Como taróloga, tenho o hábito de correlacionar qualquer acontecimento com Arcanos do tarô, isso já é automático em mim. E comecei a pensar qual seria o Arcano que se enquadraria a tal evento.
A Torre no Tarô de Marselha       A Estrela
16. A Torre (Casa de Deus) e a destruição das Torres Gêmeas nos Estados Unidos.
17. A Estrela e a aproximação de Nibiru.
Tarô de Marselha-Camoin
Claramente veio a minha mente o Arcano 16, A Torre, relacionado ao evento recente da queda das torres gêmeas. Analisei a sequência e As Estrelas, Arcano 17, se encaixou perfeitamente ao fato. Sobre o Arcano 16 não há mais o que comentar, é a representação exata do que ocorreu com as Torres Gêmeas nos Estados Unidos.
Analisando a figura das Estrelas, vemos 7 estrelas que representam os 7 planetas, observando que em Ocultismo apenas falamos dos 7 planetas sagrados e, antigamente, só se conheciam 7. No meio deles, porém, há uma estrela bem maior que as outras, diferenciada. Nibirus?
A jovem a beira do rio, tem dois cântaros e ao invés de recolher a água, ela a despeja no rio, não é contrastante? Uma porção de água é despejada no rio e outra na terra. Acredito que isso represente o movimento das águas que a aproximação deste Planeta poderá causar na Terra. Aumento do volume de água e transbordamento, tsunamis e, se observarmos mais atentamente, percebemos uma separação de terras criando espaços preenchidos pela água.
O pássaro preto ao fundo, denominado às vezes de Anubis, representa a morte e, é evidente, que em catástrofes dessa natureza muitas vidas são ceifadas. No entanto, temos arbustos florindo significando um renascimento. A palavra-chave deste Arcano é Esperança e há muito o que meditar sobre isso. Esperança de que isso não aconteça? Acredito que não. A Esperança está na melhoria do ser humano, através de grande sofrimento.
A Lua       O Sol
18. A Lua e o período de sombras, escuridão.     19. O Sol e a nova Terra.
Tarô de Marselha-Camoin
Como não acredito em acasos, há uma hora atrás vi um estudo que falava da possibilidade da Lua se afastar da Terra, por causa da aproximação do Nibiru, Arcano 18. Não acredito que isso venha a acontecer, porque a Lua, embora não seja planeta, é considerada como tal em Ocultismo, está entre esses 7 da figura e haveria alí algum sinal indicando a ocorrência disso.
Ao elaborar este texto, mais e mais pensamentos se acotovelaram em minha mente, porque se continuarmos na sequência, A Lua e O Sol (Arcanos 18 e 19), teremos a representação de períodos de escuridão após os eventos do Arcano 17 e em seguida O Sol, representando finalmente A Nova Era. Mas deixarei isso com mais detalhes para uma próxima oportunidade.
O Julgamento      O Mundo
20. O Julgamento de quem ficará na nova Terra.     21. O Mundo perfeito.
Tarô de Marselha-Camoin
No entanto, podemos observar que nestes dois arcanos (Lua e Sol) as gotículas que saem desses astros, poderiam ser claramente um cinturão de asteróides deixado pela passagem desse astro.
Acredito mesmo, que A Lua na sequência, represente um período de sombras pelo qual passaremos, a Terra se renovará no Arcano do Sol e seremos julgados (encarnados e desencarnados) no Arcano 20, para que finalmente cheguemos ao Arcano 21, O Mundo.
Um mundo melhor, se não perfeito, muito melhor.
 
Links para artigos que defendem a existência do Nibiru:
http://www.youtube.com/watch?v=NrS-5jVDLc8&feature=youtu.be
http://www.youtube.com/watch?v=rfIon96VwGU&feature=youtu.be
http://somostodosum.ig.com.br/clube/artigos.asp?id=15249
http://www.youtube.com/watch?v=-bwTD-8DCLU&feature=youtu.be
http://www.anjodeluz.com.br/nibiru2.htm
http://www.youtube.com/watch?v=ZeQCUbRTtCk&feature=youtu.be
http://www.youtube.com/watch?v=lqVXtLc3Sx4&feature=youtu.be
http://www.youtube.com/watch?v=WsbwchHnFzA&feature=youtu.be
 
junho.12
Contato com o autor:
Cinthia Cristina Doula - taróloga e numeróloga
www.cristarot.blogspot.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
 
Notas do Editor
1. Uma síntese do tema pela Wikipedia - http://pt.wikipedia.org/wiki/Nibiru:
Nibiru (também traduzido como Neberu ou Nebiru) é um termo em acadiano que significa "cruzamento" ou "ponto de transição", geralmente relacionado a rios. Na astronomia babilônica nibiru (grafado em escrita cuneiforme como Dné-bé-ru ou ni-bu-rum) é um termo do ponto mais alto da eclíptica, ou seja, o ponto do solstício de verão e sua constelação relacionada. O estabelecimento do ponto do nibiru é descrito na tábua V do épico Enuma Elish e associado ao deus Marduk (o protetor da cidade da Babilônia), e que geralmente acredita-se tratar do planeta Júpiter.
Nibiru é também o nome de um hipotético planeta proposto por Zecharia Sitchin, baseando-se na ideia de que as civilizações antigas tinham feito contactos com extraterrestres, uma hipótese considerada inverossímil por cientistas e historiadores. Segundo Zecharia Sitchin, este povo conhecia todos os planetas do sistema solar, inclusive Nibiru, um planeta lento que inicialmente transladava a cada 3.600 anos (período de tempo esse reduzido para 3.450 anos por dinâmicas gravitacionais do Sistema Solar) Este Planeta passa junto ao Cinturão de Asteróides. Segundo os sumérios, após a formação do Sistema Solar, Nibiru que vagava pelo meio interestelar, foi capturado pela gravidade do Sol rumando em direção ao centro e passando muito próximo de outro planeta chamado Tiamat, que se partiu ao meio após ter sido atingido por um dos Satélites de Nibiru dando origem a Terra e ao Cinturão de Asteróides, evento que ficou conhecido como A Batalha Celeste.
2. Artigo na Revista Galileu: http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2016 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil