Home page

09 de agosto de 2020

Responsável: Constantino K. Riemma


Tarot do Jardim em Quarentena
Antonio Briceño
Desde criança sinto uma grande atração pela natureza. Aos 7 anos minha família mudou para uma casa com jardim, onde resido até hoje (na Venezuela). Vi nascer, crescer, chegar ao seu esplendor e morrer inúmeras plantas. É disso que se trata na natureza.
Um jardim é mutável e nele aparecem e desaparecem diferentes personagens, de acordo com a época, as viagens, os presentes, os amores e o acaso. Algumas conseguem permanecer, resistir às mudanças e ainda me acompanham. De outras guardo muitas recordações. Todas cumprem seus ciclos de vida.
Tarot do Jardim em Quarentena
Os ciclos da vida nos trouxeram o Coronavírus e foi decretada a quarentena mundial. Confinamento. Sou jardineiro ermitão e para mim foi muito cômodo permanecer no meu lugar favorito, fotografando plantas tão diferentes umas das outras. Cada uma delas requer um tratamento próprio, uma aproximação definida para exaltar seus poderes, sejam flores, texturas, formas, transparências, defesas ou atitudes
Existem no jardim plantas suficientes para abarcar as imagens contidas nos Arcanos Maiores do Tarot de Marselha. Sirvam elas de espelho e imagem para contemplação desse Jardim Interior que somos nós, a espiral ascendente que nos leva da Semente ao Jade.
O Louco e o Mago no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
O Louco. Semente. A semente contem o bosque dentro de si. Nela está toda potência, tudo o que necessita e o que será. É o estado que precede a explosão. O que será depende do caminho, das forças em que se refugia e das potências que a protegem.
O arcano do Louco é um chamado para o despertar. Uma iniciação, um sinal de começo, eclosão. É a carta sem número, mas a primeira. Com ela começa a viagem.
1. O Mago. Antúrio. A inflorescência do Anthurium guyanum é um eixo que recorda a varinha do mágico, mas também a espada, o bastão de comando, o falo e a antena. O Mago é um conector. Após germinação da semente, lá está a planta pronta e formada. Tem ainda tudo o que necessita, todas as capacidades.
O Mago não tem muita experiência, pois é a primeira carta após a eclosão, mas está pronto para atuar e tem talento, porque também é senhor da palavra, que ilumina a imaginação.
A Papisa e a Imperatriz  no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
2. A Papisa. Dama da Noite. Epyphylum oxypetalum é um cacto trepador, cujas flores aromáticas se abrem apenas em uma uma única noite. Seu caráter misterioso e esquivo, no entanto, é acompanhado pelo extraordinário perfume que acentua o esplendor de sua aparição, tal como uma revelação. Sua floração está sincronizada aos ciclos da Lua; relacionada à intuição, ao dom de conexão com o interior.
Na Papisa há um recolhimento antes da explosão, uma preparação baseada na escuta em profundidade do que se é. A conexão com o arcaico, com o intrínseco.
3. A Imperatriz. Passiflora vermelha. A Passiflora miniata produz continuadamente flores muito vistosas. Trepadeira muito fértil, atrai insetos e aves, particularmente as abelhas e os colibris. Produz muito néctar, claramente exibido.
A Imperatriz, como a passiflora, representa uma explosão da vitalidade. A fertilidade da natureza, a exuberância. A Grande Mãe, a Terra, que tudo sustenta. Deméter.
O Imperador e o Papa no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
4. O Imperador. Anguloa. A Anguloa ruckeri é uma orquídea robusta e forte. Diferentemente da maior parte das orquídeas, cresce diretamente do solo, arraigada e firma, sem estar sujeita à instabilidade de epifitas [vegetal fixado em outro, mas não parasito]. Corresponde, em sua posição, ao assentamento do caráter, à segurança e firmeza.
O Imperador representa a autoridade, a estabilidade, o poder.
5. O Papa. Babosa. A Aloe vera é uma suculenta cujo caráter sagrado a torna muito procurada nas casas venezuelanas. Seu uso medicinal vai desde a aplicação tópica como emoliente ou cicatrizante, até como laxante, antiasmático ou depurativo.
Destaca-se por sua qualidade de talismã: é colocada na entrada das casa e, inclusive, levada aos templos para ser benzida durante a Semana Santa. É costume buscar suas mudas com parentes e amigos. Há uma transmissão do sentido. O Papa representa a busca do sentido, o serviço, a razão além do poder. É um arquétipo de mobilidade, de viagens e da busca.
Os Amantes e o Carro no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
6. Os Amantes. Gongora. A Gongora claviodora é uma orquídea cuja relação simbiótica com seu polinizador chegou ao extremo. O macho da abelha Euglossa só consegue conquistar suas fêmeas com o perfume dado pela Gongora: um óleo aromático como recompensa. Quando o Euglossa vai em busca dessas gotas com as quais conseguirá os favores de suas fêmeas, em seu caminhar ele poliniza a flor. Deixa nela o pólen que aderiu em corpo em outra flor. É uma história de amor entrecruzado, em que as abelhas e orquídeas são amantes e, ao mesmo tempo, o meio pelo qual cada uma delas conseguirá consumar seu amor com os de sua própria espécie.
A carta dos Amantes representa o amor, o prazer. O gosto de fazer pelo outro aquilo que o faz feliz. A beleza, as relações alegres. Eros.
7. O Carro. Subulata. A Austrocylindropuntia subulata é um cacto tubular muito procurado para fins ornamentais na América do Sul. Espalhou-se por muitas partes do mundo e tornou-se uma espécie invasiva. A pera espinhosa é extremamente forte e competitiva, deslocando os seus rivais e resistindo a condições extremas. Os seus espinhos o protegem da concorrência ou dos predadores. Pode ser difícil de conter.
O Carro representa o Ego, a nossa vontade, já na posse do seu poder e na plenitude da sua força. É o arcano que move a nossa máscara, o papel que desempenhamos na nossa sociedade. A capacidade de dirigir as nossas acções utilizando os nossos talentos. A certeza de alcançarmos os nossos objectivos.
A Justiça e o Ermitão no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
8. Justiça. Palmeira laca. A Cyrtostachys renda, também conhecida por Palma-de-cera, tem sido símbolo da justiça e da equidade pela retidão do seu tronco esbelto e porque a cada folha se opõe outra em perfeito equilíbrio. A palma é fonte de metáforas que fazem alusão aos primórdios da justiça celestial. Do Éden. Mantem seu equilíbrio contra o vento, com retidão e equidade. Sempre ereta.
Este arcano corresponde ao balanço, à Justiça Divina, ao que corresponde por lei a cada um.
9. O Ermitão. Filodendro. O Philodendron gloriosum é uma planta de sombra, que cresce escondida, protegida do sol direto, embora busque a luz em seu crescimento. O esplendor do filodendro se dá na penumbra. Poderíamos dizer que la planta se ilumina com sua luz interior e permanece oculta. Trata-se do encerramento de um ciclo ao qual o individuo percorreu desde seu surgimento até sua plenitude, com o que restou na decadência. Mas está iluminado pela luz de la experiência.
O arcano do Ermitão indica a retirada em si mesmo, pleno da luz que cultivou. Refere-se à sabedoria que nos é dada pela experiência. Ao sábio que se encontra no final de cada ciclo completo.
A Roda da Fortuna e a Força no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
10. A Roda da Fortuna. Begônia. A begônia cresce espontaneamente onde sua semente alcançar. No lugar menos esperado, ela aparece, se afirma e floresce. Como a boa fortuna. A folha da Begonia nelumbiifolia tem uma forma que lembra a roda. De um eixo central partem nervuras para toda a circunferência, como raios. É circular como a sorte, cíclica como o destino.
A Roda da Fortuna está conforme aos altos e baixos de nosso caminho. Ciclos que se cumprem, fins que geram começos, ganhos e perdas. Continuidade cambiante.
11. A Força. Agave. A Agave parryi é una planta pequena, mas muito forte e resistente. Suporta condições extremas do clima e do solo. Seus espinhos defensivos, semelhantes às unhas e dentes, a protegem do ataque de predadores. Ela se mantem firme e protegida ante aos embates de vários impulsos hostis. Paradoxalmente a força do agave é defensiva. Não exerce violência. É ainda a doma sutil dos instintos e a resistência frente aos seus poderes. É uma força integradora.
O Enforcado e a Morte no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
12. O Enforcado. Opúncia. A Opuntia ficus-indica é uma espécie de tuna cujo crescimento produz quebras que ficam invertidas, para baixo, mas as flores se adaptam a esta particular posição, rígida, imóvel.
O Enforcado, representa uma situação de imobilidade não voluntária, que não foi escolhida. É uma circunstancia. Mas a imobilidade imposta permite também ver por outras perspectivas: escutar propostas. É o arquétipo da quarentena. O Enforcado é obrigado a permanecer quieto. Esta situação lhe oferece a possibilidade de ver ao redor e compreender coisas que antes não havia compreendido por falta de perspectiva.
13. A Morte. Flor de lagarto. A Stapelia gigantea m una suculenta cujas flores produzem um odor que se parece com a da carne em descomposição de um animal morto. Atrai seus polinizadores – as moscas – que a procuram em vão, buscando um cadáver inexistente, mas polinizando a flor enganosa. As flores duram pouco e seus despojos se assemelham também aos restos de algum animal. É uma planta cíclica, cuja floração fugaz se alterna com períodos de latência.
A Morte representa a mudança radical. Uma drástica varredura que dá lugar ao renascimento. É a poda, uma mutilação imprescindível para a continuidade. A eliminação do que já não pode permanecer porque não muda. Aprender é mudar.
A Temperança e o Diabo
14. A Temperança. Inhame. A Colocasia esculenta é una planta que se sustenta na água, mas requer sol direto. Ela combina a necessidade de uma intensa radiação nas folhas com a de uma alta
umidade nas raízes. Também suas folhas são de uma cor lilás no lado de baixo e roxo na parte de cima, indicando uma planta que contrabalança os opostos.
A Temperança equilibra os extremos. Tende para a calma. Modera as paixões. A Temperança é contrária à impetuosidade. Está mais próxima da indecisão, da complacência. Mas nada a sobrecarrega.
15. O Diabo. Burundanga. A Brugmansia aurea é uma das plantas mais temidas é é apenas utilizada pelos xamãs quando nenhuma outra funcionou. E tão perigosa que fica proibido colocar-se à sua sombra. A sombra do diabo. A planta concede sua benção só após uma descida aos infernos. Mas seus poderes hipnóticos a convertem também num perigoso instrumento em mãos criminosas. E ambivalente.
O Diabo tem poderes ilusórios. O poder da Sombra. Se encarna naquilo de que somos escravos, ao que aderimos, que nos gera obsessão, ansiedade, depressão. Onde existe quietude o Diabo não está presente. Ao contrário, o Diabo tem grande energia. Essa conexão com o profundo é também a fonte da criatividade, da sorte, do sexo, da intuição nos negócios. O Diabo é um arquétipo de destruição ou de poder.
A Torre e a Estrela no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
16. La Torre. Ayahuasca. A Banisteriospsis caapi é uma das plantas endógenas mais importantes da bacia amazônica. Seus poderosos efeitos a tornam venerada em toda a região. É Patrimônio Cultural em países como Peru o Brasil, pelos seus benefícios no tratamento das dependências e de outras doenças psíquicas ou espirituais. Para alcançar sua luz é necessária uma purga na qual o paciente deve se deixar tragar pela grande mãe e se libertar da maya ou fantasia, para enfrentar sua realidade profunda. Esse espelho na sombra, pela confrontação que ocasiona, constitui uma libertação. Uma experiência de crescimento mediante a redução do ego.
La Torre é, em todo caso, uma liberação. Tem o poder curativo da decepção: a realidade é sempre mais útil.
17. A Estrela. Flor de Baile. A Epiphyllum phyllantus é um cacto trepador flexível e sem espinhos. Desce das copas das árvores, circulando suas folhas denteadas. Suas flores são estrelas fugazes que duram menos de uma noite.
A Estrela representa a esperança. A possibilidade de florescer a partir de seu próprio local. É uma proteção, um caminho ao êxito. É abertura, criatividade, imaginação. A Estrela é fluxo de luz, realização de um sonho. Uma floração. Uma colheita.
A Lua e o Sol no Tarot do Jardim - Antonio Briceño
18. A Lua. Perigeu. Em 7 de abril de 2020 a Lua teve seu perigeu anual, o momento de menor distância entre ela e a Terra. Lua Cheia em sua máxima plenitude. Os ciclos da Lua são grandes e pequenos. Plenilúnio, perigeu. Marés, fluxos.
La Lua representa a intuição, o feminino ancestral. A imaginação, o fluido, os sonhos. A inspiração, a conexão. Evoca a relação com o maternal mais profundo. Contém uma energia uterina.
19. O Sol. Halo Solar. No domingo, 5 de abril de 2020, Domingo de Ramos, foi observado um Halo Solar durante várias horas. Um fenômeno que ocorre quandro há cristais de gelo a grande altura, na troposfera. É um efeito óptico devido à difração da luz del sol a través del gelo.
O Sol representa la consciência. Um anel iridescente ao redor do sol o realça e acentua. O arco-íris completo: uma iluminação da consciência. A chegada da claridade. Os amigos, as ideias brilhantes, a luz, a alegria. O Zênite. O Sol é a força, a vitalidade, a energia. É o esplendor e o poder. A criatividade, o masculino gerador.
O Julgamento e o Mundo  - Antonio Briceño
20. O Julgamento. Aguaceiro. Este arcano corresponde ao final das provas. A tensão acumulada durante la seca é dissipada. Em 20 de abril caiu a primeira grande chuva. O aguaceiro lava o pó das folhas. Arranca lo murcho, fertiliza o latente, hidrata o ressecado.
O Julgamento corresponde à ressurreição, à limpeza. Uma energia renovada e inocentada ressurge com potência por um caminho longo e repleto de obstáculos e aprendizagens. É um renascer. As sementes germinam, as plantas brotam, as folhas reverdecem. O jardim torna a brotar em seu esplendor, tem uma nova oportunidade. O ciclo recomeça.
21. O Mundo. Jade. A Strongylodon macrobotrys é uma trepadeira asiática que produz cachinhos de flores de cor do jade. Sua extraordinária floração, no entanto, se produz após de um longo período de crescimento e fortalecimento. Ela vai se desenvolvendo e abarcando o espacio que necessita para florescer. Vai criando estrutura. Representa o caminho da individuação. Na sequência desse tempo preparatório, a planta produz flores cuja magnificência e cor lembra também o mineral jade, pedra que no Oriente encarna a perfeição, a totalidade, a união mística com o Universo.
Este último arcano – O Mundo – corresponde à iluminação, à plenitude, à culminação, à floração. O êxito, a realização. A transcendência.
Antonio Briceño
é fotógrafo voltado à arte e ao registro da vida,
das relações e das etnias na Venezuela, onde reside.
www.antoniobriceno.net/trabajos-1
Edição e tradução: CKR – 20/05/2020
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2020 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil