Home page

23 de outubro de 2017

Responsável: Constantino K. Riemma


Cenário atual do Tarô e de suas reinveções
Afastamento das origens e produções contraditórias
 
Constantino K. Riemma
 
Nos dois últimos séculos surgiram inúmeros desenhos diferentes, com as mais variadas inspirações artísticas, que animam os colecionadores de todo o mundo.
Hoje podemos encontrar editoras especializadas, em especial nos Estados Unidos e Europa, com centenas de baralhos redesenhados livremente nos últimos cinqüenta anos. Existe de tudo, e em tal profusão, que torna difícil para o iniciante distinguir as invenções livres, subjetivas, sem compromisso com qualquer fonte de conhecimento, e os trabalhos que buscam os vínculos do Tarô com os Ensinamentos antigos.
Oito exemplos do trunfo 2. A Sacerdotisa: uma evidente contradição de sinais.
No alto, à esquerda, a carta do Tarô de Jean Noblet (1650), seguida dos desenhos do
início do séc. XX: White (Rider), Crowley e, mais recente, o "egípicio" da Editora Kier.
Abaixo, da esquerda para a direita, representações da Sacerdotisa em alguns
dos tarôs contemporâneos: de Manara, dos Santos, Aquarian e Salvador Dali .
Nessa situação, torna-se recomendável aos interessados em estudar e compreender os ensinamentos contidos no Tarô, que comecem sua investigação pelos desenhos clássicos; estes possivelmente estão mais próximos da fonte e menos distorcidos pela subjetividade de artistas que nem sempre conhecem a amplitude de significados simbólicos das antigas figuras que se propõem a reinventar.
Quanto aos manuais e livros sobre o Tarô, é bom lembrar que só começaram a ser publicados nos últimos 200 anos. Nos séculos anteriores não circulava qualquer "manual de instrução". As cartas talvez fossem entendidas de modo mais direto e seu sentido transmitido na convivência, de forma espontânea. Hoje, porém, temos necessidade de manuais e professores e não é muito fácil, à primeira vista, distinguir os diferentes níveis de qualidade e de compreensão. Uma profusão de fantasias, atraentes do ponto de vista artístico, mas carentes de consistência, convivem com – e no mais das vezes encobrem – os testemunhos de uma outra ordem de conhecimento.
Mais estudos sobre a diversidade de jogos
  Dez baralhos lúgubres. Giancarlo Kind Schmid seleciona dez jogos de cartas considerados góticos, que se não sinistros, são no mínimo sombrios: Demônios, zumbis, espíritos, monstros  
______________________________________
Hipóteses livres sobre a origem das cartas: As lendas e o imaginário sobre o tarô
Amostra da pluralidade de versões dos jogos de cartas: Opiniões & Apreciações de conjunto
Para conhecer detalhes dos baralhos antigos e modernos veja: Baralhos - resenhas e galerias
 
Atualizado: setembro.12
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2016 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil