Home page

24 de outubro de 2014

Responsável: Constantino K. Riemma


Arcanos Menores - Apresentação
 
Compilação de
Constantino K. Riemma
 
 
O conjunto de 56 cartas — modernamente denominadas “Arcanos Menores” — é constituído por quatro grupos de 14 cartas, cada um deles com a mesma seqüência de 10 cartas numeradas de 1 a 10 e mais quatro figuras: Valete (ou Pajem), Cavaleiro, Rainha (ou Dama) e Rei, também conhecidas como figuras da corte.
  O naipe de Ouros no Tarô de Marselha - Kris Hadar   As figuras de de Ouros no Tarô de Marselha - Kris Hadar  
O naipe de Ouros: as dez cartas de 1 a 10 e as quatro figuras.
Cada grupo de 14 cartas possui um diferencial simbólico: bastão, moeda, espada e taça. Esses grupos são popularmente reconhecidos como naipes de paus, ouros, espadas e copas, os mesmos do baralho comum que utilizamos nos jogos e passatempos.
  O Ás, o Dois e o Sete de Paus no Tarot de Marselha-Grimaud   O Ás, o Dois e o Sete de Espadas no Tarot de Marselha-Grimaud  
Os naipes de Paus e Espadas representam forças impulsionadoras (fogo e ar),
indicação reforçada pela mão que porta o símbolo na primeira carta de cada naipe.
 
O Ás, o Dois e o Sete de Ouros no Tarot de Marselha-Grimaud
 
O Ás, o Dois e o Sete de Copas no Tarot de Marselha-Grimaud
 
Os naipes de Ouros e Copas representam forças maleáveis (terra e água).
O Ás de Copas lembra, no Tarô de Marselha, o cálice de guardar hóstias.
Os naipes, ou séries, têm inúmeras correspondências, por exemplo, aos quatro elementos da Astrologia e da Cabala: fogo (paus), terra (ouros), ar (espadas) e água (copas). Há quem veja, inclusive, analogia com as quatro classes sociais da Idade Média: clero (copas), nobreza (espadas), comerciantes (ouros) e camponeses (paus).
Os baralhos modernos
O baralho ocidental, impresso modernamente, mantém constante o número das séries ou naipes: são sempre quatro, seja no baralho espanhol ou francês, seja no alemão, italiano ou provençal. O baralho francês, produzido para jogos e passatempos, reduziu os naipes a apenas duas cores — vermelho e preto — mas o número de naipes permaneceu constante.
  O símbolo de Paus no Tarot de Marselha-Kris Hadar e no baralho comum.   O símbolo de Ouros no Tarot de Marselha-Kris Hadar e no baralho comum.  
As representações dos naipes de Paus e Ouros no Tarô e no baralho moderno.
  O símbolo de Espadas no Tarot de Marselha-Kris Hadar e no baralho comum.   O símbolo de Copas no Tarot de Marselha-Kris Hadar e no baralho comum.  
Os naipes de Espadas e Copas no Tarô e no baralho moderno para os jogos de lazer.
Para efeito dos jogos de cartas — como passatempo (no lar ou nos clubes) e como jogos “de azar” (valendo dinheiro, nos cassinos) — não importa o significado simbólico das cartas, mas apenas o valor que se convenciona para cada tipo de jogo (pôquer, buraco, canastra, tranca, bridge, truco, rouba-montinho, etc, etc...). Cada jogo define livremente suas próprias regras.
 
Os quatro naipes no baralho moderno, COPAG 157.
 
As cartas de jogar foram redesenhadas para facilitar a visualização do que se tem na mão
 
Baralhos modernos para jogos. As cartas de jogar foram redesenhadas
para facilitar a visualização do que se tem na mão.
Embora os Arcanos Menores tenham sido muito difundidos pelo mundo afora, como cartas de jogar, seus significados simbólicos são relativamente mais difíceis de serem traduzidos que os dos Arcanos Maiores.
Para os cartomantes e os estudiosos do Tarô, contudo, não há como fugir da questão dos significados. De fato, estamos frente a duas ordens de símbolos: os quatro naipes, ou quatro elementos, que se combinam com o significado numerológico do 1 ao 10. É possível portanto, para as 40 cartas numeradas, estabelecer uma base de compreensão a partir da associação dos quatro elementos com os símbolos numéricos.
As quatro figuras de cada naipe, no total de 16, parecem formar um sub-grupo à parte. Têm desenhos similares aos dos trunfos ("arcanos maiores") e, ao mesmo tempo, reptem-se em quatro naipes, do mesmo modo que as cartas numeradas ("arcanos menores").
Os Tarôs de hoje
Na prática, reina hoje uma grande profusão de versões e de reinvenções. Já a partir do séc. 19, alguns interessados no Tarô começam a substituir as representações abstratas das lâminas dos arcanos menores por ilustrações mais ou menos subjetivas, que traduziriam visualmente, de modo mais compreensível, o significado das cartas. Se esse recurso ajuda a fixar um sentido possível, levanta na grande maioria dos casos a questão de alterar drasticamente o leque simbólico da figuração clássica, sem contar o risco de acentuar, de modo unilteral, apenas um dos múltiplos significados da lâmina.
  Arcanos Menores do Tarô Mitológico com figuras similares às dos Arcanos Maiores.   Arcanos Menores do Tarot Egipcio com figuras similares às dos Arcanos Maiores.  
O "Tarô Mitológico" e o "Tarô Egípcio" da editora Kier.
Tentativas para figurar os arcanos Menores com o mesmo padrão dos Maiores.
Um rumo possível
Esse quebra-cabeça de pontos de vista sobre os Arcanos Menores faz parte dos desafios que o estudo do Tarô nos propõe.
Para dar conta da grande variedade de enfoques, acreditamos que é importante, para começar, compreender a natureza dos quatro naipes do baralho a partir de uma base simbólica mais ampla que a do receituário popular. O segundo passo consiste no estudo dos simbolos numéricos de 1 a 10. Também neste caso, o resultado se torna mais consistente quando consegue transpor os significados corriqueiros da numerologia usual. Caso contrário, corremos o perigo de cair num esquematismo acanhado e contraditório, feito mais para ser decorado do que compreendido.
Quanto mais ampla for a compreensão do símbolo, mais rica e profunda será sua aplicação prática.
Os textos sobre os Arcanos Menores
 
Para organizar o conteúdo sobre os Arcanos Menores, foram criadas três seções.
No final de cada uma delas estão os links para estudos de diferentes autores.
 
  Naipes: apresenta o simbolismo do quatro ou da quadruplicidade como base para se compreender a divisão dos grupos de cartas – paus, ouros, espadas e copas:  Os quatro naipes
 
  Figuras: trata dos personagens conhecidos como "cartas da corte" – o Rei, a Rainha, o Cavaleiro e o Valete (ou Pajem) – repetidos nos quatro naipes, ou seja 4 x 4 = 16: As figuras
 
  Cartas de 1 a 10: apresenta as 40 cartas numeradas repartidas entre os quatro naipes, o que combina o simbolismo do 1 ao 10 com o do quaternário: As cartas de 1 a 10  
 
Estudos do conjunto & Correlações simbólicas
  Ao contrário do que ocorre com os Arcanos Maiores, são raros os estudos de profundidade sobre os Arcanos Menores, à luz de um ensinamento coerente, como fez G. O. Mebes em Os Arcanos Menores do Tarô como caminho iniciático. Hermetismo Ético. Nesta obra, o autor trata do simbolismo, iniciações e passos para a realização espiritual traduzidos pela seqüência dos naipes e das cartas numeradas. No entanto, tal como acontece com as grandes obras sobre os arcanos maiores, não está preocupada com sua utilização nas tiragens práticas e na cartomancia. A ponte entre o ensinamento e sua aplicação prática exige uma longa elaboração do estudante. Veja: GOM
 
  Baseado na Árvore da Vida, da Cabala, um outro autor, Gareth Knight, oferece um painel das significações superiores dos arcanos em A Practical Guide to Qabalistic Symbolism.  
  Dentre os manuais de introdução ao tarô, um deles apresenta um bom apanhado prático sobre os arcanos menores. Paul Marteau, em O Tarô de Marselha. Tradição e Simbolismo. São Paulo, Ed. Objetiva, 1991. Dá uma boa atenção à descrição das cartas clássicas, apresentando dois aspectos principais: Sentido Sintético e Sentido Analítico. Inclui também indicações para a utilização prática dos arcanos menores sob o título Significados úteis nos três planos: mental, anímico, físico; invertida.  
  Hajo Banzhaf, em Manual do Taro. São Paulo, Ed. Pensamento, [1986], reune de modo coerente os significados usuais na cartomancia. Faz uma apresentação didática dos dados agrupados em: Interpretação tradicional, Carta Invertida e, no caso das figuras, Qualidade, Sombra, Profissões típicas.  
  Links para textos e artigos sobre a simbologia dos naipes  
  Na seção Arcanos Menores / Os quatro naipes existe um quadro com links para estudos de fundamentos simbólicos para os quatro naipes: Textos sobre o conjunto dos Naipes  
  Para ajudar a compreender de modo mais amplo os símbolos das cartas, na seção de Simbologia existem vários estudos que examinam as relações do Tarô com outras linguagens simbólicas, em especial nos tópicos Astrologia, Numerologia e Cabala.  
 
Cursos on-line no Clube do Tarô
  Jaime E. Cannes em Arcanos Menores - os mensageiros da Alma apresenta os arcanos menores num resumo bem diático. Ao identificar as quatorze cartas de cada naipe utiliza como ilustração o Osho Zen Tarot: Os quatro naipesPausCopas EspadasOuros  
  Joana Trautveter trata especificamente das cartas que correspondem ao baralho tradicional em seu Curso sobre os Arcanos Menores do Tarô e os Símbolos da Cabala: Naipes: Paus, Copas, Espadas e Ouros. Figuras: Reis, Rainhas, Cavaleiros e Valetes
 
  Sarani Barrios, no curso dado em 2008 – Cartomancia Cigana – apresenta o modo próprio como os ciganos da tradição Dohm organizam os significados atribuídos aos arcanos menores:
Os Arcanos Menores
 
  Betoh Simonsen em seu O Tarô como caminho de vida propõe paralelos entre os signos zodiacais e as cartas numeradas dos arcanos menores. Um belo exercício para ampliar os signficados das cartas: Apresentação  
Contato:
Constantino K. Riemma - contato-ct@clubedotaro.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Atualizado: janeiro.14
  Quatro pilares
  Tarô Egípcio
  Orientação
  O Momento
 
⇓    Publicidade do Google    ⇓
 
 
Todos os direitos reservados © 2005-2014 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil