Home page

13 de dezembro de 2018

Responsável: Constantino K. Riemma


Sibilla Della Zingara: um baralho de obras de arte
Emanuel J Santos
É notável como no Brasil vivemos uma época sem precedentes no que concerne à Cartomancia. Temos acesso a baralhos importados como seria impensável há dez anos atrás. A bibliografia sobre Cartomancia cresce a olhos vistos. Artistas e artesãos disponibilizam trabalhos direcionados ao público específico da Cartomancia. Cursos e workshops se apresentam tanto presenciais quanto virtuais, assim como Cartomantes disponibilizam seu trabalho como consultores e oraculistas da mesma forma. Um Cartomante pode profissionalizar-se e aposentar-se como tal. Há um calendário de eventos considerável.
Em relação às ferramentas de trabalho, nunca antes vimos tantos baralhos disponíveis em tantos catálogos. Lembro, particularmente, como foi difícil estudar o Tarô, com poucas obras acessíveis, num período em que a internet engatinhava. Em relação ao Petit Lenormand, trabalhava-se com três palavras-chave para cada carta, cabendo ao consultante toda a tarefa de adequação dos conceitos àquilo que as cartas poderiam dizer. Então, para mim é um prazer participar deste momento, onde os esforços daqueles que vieram antes permitem, hoje, novos olhares e perspectivas.
Caras do baralho Sibilla della Zingara
Cartas do baralho "Sibilla della Zingara": Espera, Mercador e Espeança
Edição Scarabeo: www.loja.simbolika.com.br/gypsy-oracle-cards-oraculo-da-cigana.html
Cabe, entretanto, sinalizar minha preocupação atual. Ao mesmo tempo que a informação se torna disponível muito mais facilmente, o conhecimento não se constrói com tanta velocidade. É necessária muita pesquisa, treino, prática, e sobretudo, o feedback dos clientes. Isso leva certo tempo e erudição para se concretizar.
Nesse sentido, contamos com diversos manuais voltados para os mais diversos oráculos, alguns mais práticos e acessíveis, outros mais direcionados a públicos específicos. Mas estão aí, disponíveis e acessíveis tanto pela internet quanto para compra física. Minha preocupação reside no fato de que, embora haja material, falta pesquisa e reflexão sobre dito material, assim como falta a prática em si. É desafiador perceber a diferença entre o tradicional e experimentos questionáveis na área. Só a prática nos garante a diferenciação.
Sibilla Della Zingara: um oráculo singular
Conheci este baralho em 2011 e ganhei um de presente no fim desse mesmo ano. Desde então venho estudando suas imagens e praticando suas combinações em particular. A tendência de todo Cartomante é utilizar o baralho em função das técnicas que já conhece e por isso entrei em contato com esse baralho buscando similitudes com o Tarô ou com o Petit Lenormand.
Ledo engano. Nem um, nem outro possuem semelhanças com o Sibilla. São baralhos completamente diferentes, que pedem tratamentos diferentes, relacionamentos diferentes. E desde então eu venho buscando esse relacionamento individual, intransferível, com essas cartas. Quatro anos depois, senti-me confortável para oferecer um curso e no ano corrente me dispus a escrever a respeito.
O Sibilla Della Zingara é um baralho de 52 cartas ilustradas, que, conforme comparação com o Vera Sibilla Italiana, um baralho muito semelhante e de mesma estrutura, possuiria correspondência com as cartas do baralho comum, as cartas de jogar. Nada mais justo: a primeira cartomancia é com o baralho mais facilmente compreensível e, depois, este se torna mais complexo em termos artísticos. O interesse do artista reside no sucesso da técnica, assim como o sucesso da técnica perdura pela produção artística.
Cartas da Vera Sibilla Italiana
Cartas da "Vera Sibilla Italiana": O Mensageiro, A Amiga e Criança
Vários editores, a partir dos anos 1800, reproduziram as cartas da "Sibilla Italiana" com algumas variações de impressão.
Em relação ao Vera Sibilla Italiana, a produção imagética do Sibilla Della Zingara é, a meu ver, notavelmente superior. Entretanto, a edição corrente, produzida pela Lo Scarabeo, não possui os naipes associados à cada carta, como temos no Vera Sibilla. A moldura das imagens é negra, com escritos em dourado, apresentando o nome da carta em inglês, francês, alemão, italiano e espanhol.
Embora seja notavelmente mais sofisticado em sua produção, o livreto que o acompanha não nos fornece nenhuma informação sobre a criação, datação ou utilização divinatória das cartas, sugerindo que leiamos a partir do título da carta. Uma palavra, a priori, definiria prognósticos. Esse dado me levou a pesquisar a aplicação das cartas em cada área da vida, assim como seus possíveis conselhos e adjetivações, elaborando testes e meditações. Para me auxiliar nesse processo, me utilizei da história da arte, de imagens semelhantes, por vezes notadamente a inspiração do artista, como é o caso de Himeneo, Casamento, que é ilustrada com uma representação dos Esponsais da Virgem, de Raphael Sanzio. Partindo dessa primeira imagem, busquei obras que, se não eram a possível inspiração direta para a ilustração da carta, coadunavam-se com a proposta interpretativa. Pelo cruzamento das possíveis interpretações da carta com as leituras de historiadores da arte das obras representadas, eu conseguia expandir razoavelmente o campo de leitura da carta. Começava a escrita do livro, embora eu nem imaginasse isso.
Paralelamente, busquei similitudes e diferenças na relação entre as cartas, pareando-as, construindo trios e quartetos, conjecturando suas possibilidades. E assim, quando me senti pronto, desenvolvi uma apostila que foi fornecida aos alunos do curso de 2015. Ali eu havia rascunhado o protótipo do que seria o livro, com tudo o que eu havia entendido e aplicado até então.
Com o sucesso dessa primeira empreitada, refleti profundamente sobre o material que havia acumulado, somado às dúvidas e êxitos dos participantes, e resolvi compartilhar com todos, de forma a que minha metodologia de estudo se mostrasse acessível a todos aqueles que, como eu, tinham se apaixonado pelo baralho e pela clareza de suas respostas.
O livro
Lançado em junho de 2016, o livro “Sibilla Della Zingara: subsídios para o estudo do oráculo a partir da história da arte” traz a minha metodologia de estudos aplicada: o uso das artes visuais como forma de construir o conhecimento sobre os oráculos. Nele, a teoria e a prática são condensadas em suas páginas, de forma que o leitor possa, ao fim da leitura, desenvolver o raciocínio crítico necessário a uma boa consulta divinatória.
Capa do livro Sibilla della Zingara de Emanuel J. Santos
Capa do livro
São 104 páginas ilustradas, com todo o material que pesquisei até aqui. Longe de ser “completo”, esse livro está em construção: até sua publicação, era tudo o que eu tinha conseguido acumular em conhecimento; a partir de então, ele é parte da jornada daqueles que acompanham meu trabalho, o que só faz crescer o potencial do baralho, além de sua divulgação pelo país. Um livro por dono e teremos tantas pesquisas quanto pessoas que adquirirem o material e decidirem refletir a sério comigo.
Em um valor razoável e numa linguagem semelhante à do blog Conversas Cartomânticas, meu espaço pessoal na web, a ideia é disponibilizar de forma ampla tudo o que fui capaz de acumular e refletir de forma crítica e prática nesses cinco anos de relacionamento com o baralho, num processo que continua nas mãos do leitor.
Minha sugestão é que o leitor pegue seu Sibilla Della Zingara, compare as imagens do baralho original com aquelas escolhidas para o livro, construa suas próprias referências e, assim, tome posse do seu baralho de forma definitiva.
Embora tenha sido escrito para o Sibilla Della Zingara, nada impede que seja utilizado para o estudo do Vera Sibilla ou de outras sibillas italianas, com as devidas adaptações.
O livro encontra-se à venda no site da editora AGBook: www.agbook.com.br/book/209466--Sibilla_Della_Zingara. E eu estou sempre à disposição para conversar sobre seu conteúdo. Aceite o desafio de enxergar seu baralho com outros olhos. Aceite meu convite para conversarmos mais sobre ele. E, se tiver qualquer dúvida, crítica ou consideração, estarei sempre às ordens.
EMANUEL J SANTOS - Mestrando em Letras (UNINCOR), Licenciado e Bacharel
em História (UFOP), Técnico em Conservação e Restauro de Bens Culturais (FAOP),
cartomante e escritor de Cartomancia. Autor dos livros Conversas Cartomânticas:
da escolha do baralho ao encerramento da consulta (AGBook), Baralho Cigano: as cartas
de Madame Lenormand (em co-autoria com Laura Tuan, Lo Scarabeo) e Sibilla Della Zingara:
subsídios para o estudo do oráculo a partir da história da arte (AGBook).
Autor de diversos livretos para baralhos Lenormand (COPAG, Alfabeto, Sensoriall).
Responsável pelo blog www.conversascartomanticas.blogspot.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Revisão: Ivana Mihanovich
Edição: CKR – 6/08/2016
Partilhe seus comentários ou deixe questões para o Autor responder
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2018 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil