Home page

16 de julho de 2018

Responsável: Constantino K. Riemma


As capacidades inatas do Enforcado
 
Verbenna Yin
 
Um homem preso pelo calcanhar esquerdo, pendurado de cabeça para baixo e com as mãos presas às costas. Limitado ainda pelo pouco espaço, aos lados há troncos de árvore podados e não se vê o chão, dando a ideia de que não há possibilidade de movimentos.
Tudo aqui denota que o homem está numa posição não natural.
Apesar disso, o homem tem uma expressão facial curiosamente serena, como se ele estivesse confortável nessa situação tão limitante.
Situações de vida limitantes podem minar a expressão dos talentos e habilidades naturais de uma pessoa. Quando a vida impõe limites numa trajetória, acaba podando as oportunidades de nos desenvolvermos da melhor maneira.
Capacidades inatas do Enforcado
O Enforcado ou Pendurado nos tarôs de Marselha (1750) e Rider Waite (1910)
É o que acontece com uma criança que cresce numa família que não é capaz de reconhecer seus talentos inatos e desqualifica suas expressões e espontaneidade. Por exemplo, uma família onde os pais são "fiéis cumpridores de regras" e o filho que chega tem tendências artísticas, talento para a dança e para fazer imitações. No contexto daquela família, pode não haver espaço para apoiar essas "bobagens de criança", o filho pode ser constantemente podado e levado a entender que suas manifestações artísticas atrapalham e não são benvindas ali naquele grupo.
E o que a criança faz para ser aceita e amada pelo seu grupo familiar?
Ela abre mão das suas expressões e aprende que a espontaneidade não cabe ali, que se ela quiser fazer parte daquele grupo tem que aceitar a poda. Tem que deixar de ser o que ela é e assumir uma postura antinatural e contrária à sua essência.
Eu uso a palavra "poda" de propósito. Já notaram os galhos podados ali na imagem do arcano?
Nossas possibilidades, capacidades inatas e potências naturais são constantemente podadas num mundo que aceita determinados estereótipos de imagem e comportamento, que tenham como finalidade apenas manter a produtividade das pessoas e o uso do tempo de vida de forma organizada para esse propósito. Tudo que foge desse padrão é minado sem dó nem piedade, aprendemos desde cedo que temos que nos adaptar às exigências sociais e já na infância vamos deixando partes de nós serem amputadas para podermos caber no modelo que garante para nós aceitação e sobrevivência.
A falta de oportunidades para desenvolvermos os talentos naturais impede a nossa melhor expressão e pode nos tornar seres passivos diante de nossa própria história, resultando em indivíduos que não tem a real noção das suas possibilidades diante da vida.
C. G. Jung, criador da psicologia analítica, estudou esse processo de formação psíquica e percebeu que a mente humana cria uma ferramenta própria para se adaptar melhor ao ambiente em que somos recebidos. Ele chamou de "Persona" essa área da mente consciente que escolhe quais características irá manifestar e aprimorar a fim de que o indivíduo possa ser reconhecido pelos outros e a partir disso possa interagir com mais chance de sucesso e garanta a melhor adaptação possível ao meio.
Para Jung, a Persona "surge por razões de adaptação ou de conveniência pessoal".
Num ambiente saudável onde haja aceitação e estímulo das capacidades inatas a Persona também se desenvolve, mas as escolhas conscientes são mais harmônicas e o indivíduo tem a chance de evoluir nos seus potenciais próprios, o que o leva a se sentir mais contemplado diante da vida.
Mas o que o arcano do Enforcado nos mostra é a situação contrária, onde o indivíduo foi tão podado das suas potencialidades inatas e precisou se adaptar de uma forma tão desconfortável que terminou por ficar de ponta cabeça, numa posição completamente contrária à sua verdadeira natureza.
Se a gente fizer uma retrospectiva da nossa história pessoal, vamos perceber esses momentos em que ainda na infância julgaram mal algo que gostávamos de fazer, fomos repreendidos e nos deixaram bem claro que não poderíamos repetir aquilo. Aquelas partes de nós eram inaceitáveis.
E aí que vamos crescendo e construindo nossa autoimagem sem essas partes de nós que não tiveram lugar, aos poucos vamos nos identificando com essa nova imagem que agrade os outros e com o tempo acreditamos que somos esse resultado e nos reconhecemos na nossa Persona.
O maior exemplo de Persona que temos na nossa vida social é a profissão que escolhemos. Quando nos apresentamos para alguém que não nos conhece ainda, dizemos: Sou fulano de tal, tenho tantos anos e sou algo.
Essa qualificação que afirma que eu sou alguma coisa (médico, advogado, engenheiro, professor, etc.) cria em torno de nós expectativas para outras escolhas como desdobramentos daquela inicial, que vão desde a aparência física, as roupas que uso, o modo de falar que emprego, os locais que eu frequento, as pessoas com quem me relaciono, e até mesmo os planos futuros são construídos na dependência dessa qualificação.
Tudo tem que ser condizente e coerente a essa Persona, a Persona acaba dominando todas as escolhas possíveis e não sou mais livre para escolher o que no fundo desejo.
E assim passamos a vida fazendo escolhas que nos mantém naquela mesma postura antinatural em que fomos colocados lá na infância.
O Pendurado nos tarots New Pallidini e no Sceith Ailm
O Pendurado nos tarots New Pallidini (1960 e Sceith Ailm (2013)
Mas apesar da impossibilidade ser evidente, a pessoa não se dá conta disso. Seu rosto mostra quase um sorriso, e de fato se invertermos a posição da carta pode parecer que ela está se divertindo, pulando num pé só, talvez até dançando!
Esse é o efeito da inconsciência. Quando não temos noção do nosso real potencial na vida não vemos as limitações como impedimentos ao nosso melhor, aprendemos a conviver com essas restrições e nos confortamos dizendo que “a vida é assim mesmo”. Essa atitude de resignação pode significar uma incapacidade de lidar com a culpa de não assumir a auto-responsabilidade pelo que vivemos, ou até mesmo uma falsa valorização interna a partir dos sacrifícios que são necessários para manter aquela situação. Ficamos presos num ideário próprio limitante, e o pior, acreditando que estamos bem assim, pois ganhamos algo dessa forma.
Vejam que interessante a imagem do Tarot Gringonneur onde o homem está segurando duas bolsas cheias de moedas, indicando que ficar na posição antinatural pode até ser bem recompensada. Confira a ilustração mais abaixo.
Mas a que preço?
Citando Jung novamente, para ele "podemos dizer, sem exagero, que a Persona é aquilo que não é verdadeiramente, mas o que nós mesmos e os outros pensam que somos".
O grande desafio aqui é perceber que mesmo bem adaptados e quicá recompensados socialmente, nossa postura adquirida, na realidade, é antinatural e nos prejudica. Por mais que nas ilustrações do Enforcado a pessoa esteja sorrindo, essa sensação de felicidade não é real: o desconforto de estar amarrados é o real.
Podemos preferir acreditar num pseudo conforto, pois essa ideia nos anestesia para não encararmos a dureza de vivermos uma vida parada, monótona, sem possibilidade de crescimento e que no fundo estamos desperdiçando nosso tempo de existência fazendo e construindo coisas que não nos contemplam.
É aqui que faz toda a diferença a imagem ilustrada pela genial Pamela C. Smith no Tarot Rider-Waite: a luz sobre a cabeça parece indicar que é somente nessa condição extrema que pode haver lugar para uma iluminação pessoal.
Somente quando nos permitirmos sentir o real incômodo de permanecer amarrados à postura antinatural da condição limitante é que há oportunidade de um crescimento verdadeiro. E digo verdadeiro porque esse será um crescimento que passará pelo momento de reconhecimento da essência daquela pessoa, de quem ela É de verdade.
A forte identificação com a nossa persona nos torna pessoas rígidas, inflexíveis, sem capacidade de movimentação perante as diversas possibilidades da vida.
As sucessivas amarras que vemos nas diversas representações deste arcano reforçam, simbolicamente, a “impossibilidade de ser” do indivíduo ali representado, indicando que naquela condição é impossível qualquer progresso verdadeiro no sentido de desenvolvimento humano.
Amarrados e inflexibilizados, é inútil desejar algo e ir em busca dessa satisfação. E sem o desejo, não somos, pois o que movimenta nossa psique em busca do desenvolvimento pessoal é justamente o desejo. Ao final, o desejo é a busca por nós mesmos, a busca por essa essência que ainda não teve chance de ser reconhecida.
J. Lacan afirma que "se existe um objeto do teu desejo, ele não é outro senão tu mesmo", indicando que tudo que nos mobiliza perante a vida, no fundo serve para promover este encontro profundo entre nossa consciência e esse ser interno que sempre esteve lá, imanente, esperando para ser encontrado e finalmente poder ser expressar com liberdade.
Os arcanos Pendurado e Morte no tarô Gringonneus
As cartas do Pendurado e da Morte no tarô Gringonneur (1455)
Algo intrigante neste arcano é o título “Enforcado”, que a um primeiro momento parece não ser apropriado à imagem do homem pendurado pelo pé. E se consideramos que o enforcamento é uma penalidade a alguém que foi condenado, fica mais clara essa relação com a impossibilidade de movimento. Num enforcamento real a pessoa se debate com movimentos corporais involuntários, porém todos esses movimentos somente aceleram o processo de interrupção da oxigenação do corpo que a levará à morte.
Tal como no enforcamento, a situação representada neste arcano nos mostra que todos os movimentos da pessoa estão condenados, a morte é certa. E de fato, a Morte é o arcano que se segue ao Enforcado.
Este não é um arcano muito simples e sua representação não é óbvia, mas a mensagem central desta simbologia é: não há vida sem movimento.
Em algum momento da trajetória do indivíduo esse ser interno, essa luz própria na cabeça do arcano e que está apenas esperando para se manifestar neste mundo material, vai começar a dar sinais de sua existência - para ser então reconhecido pela consciência e restabelecer a possibilidade de movimento perante a vida.
Abrir espaços para iniciar essa busca por si mesmo é o primeiro passo para sair da inflexibilidade. Admitir que não somos a nossa Persona é um grande desafio, mas é o passo inicial para começarmos essa caminhada em busca das partes de nós que ainda não tiveram chance de se manifestar, mas que ainda estão lá esperando para serem resgatadas e trazidas à luz da nossa consciência.
Quando o Enforcado salta numa leitura, é o momento de se reavaliar honestamente para perceber que nossa vida atual não nos contempla e que de fato estamos aprisionados a uma idealização de nós mesmos que não é capaz de crescer e prosperar.
Talvez seja o momento de encarar uma relação aprisionante, uma dependência emocional, ou mesmo uma trajetória inteira que não condiz com nossos verdadeiros potenciais e pode nos deixar profundamente frustrados.
Percebendo que traços são esses que não desenvolvemos de forma consciente, podemos ir mais fundo na busca por nós mesmos e ir, pouco a pouco, dando lugar para as partes de nós que nos contemplam e realmente nos vivificam.
Verbenna Yin é taróloga, astróloga e terapeuta floral.
Contatos: verbennatarot@gmail.com
e www.verbennayin.blogspot.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: CKR – 3/07/2018
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2018 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil