Home page

17 de abril de 2021

Responsável: Constantino K. Riemma


Uma crônica sobre a Torre
Denise Fernandes Marsiglia
 
Lá estava, mais um jogo de tarô. As cartas coloridas sobre a mesa e minha cabeça perdida em reflexões. A carta "O Julgamento" está sempre no meu jogo e lá estava ela. Eu não entendo. Acho estranho alguém sempre tirar a carta "O Julgamento" e o mais estranho é que esse alguém estranho seja eu mesma.
E então vejo "A Torre", central na primeira casa, e vou lembrando. O dia recente que dei umas dez topadas, quase quedas, sem entender o motivo. Posso entender com "A Torre": é quase um ruir meu, uma queda profunda. Lágrimas inesperadas diante da televisão, lágrimas inesperadas olhando a lua, numa música. "A Torre" traz essas lágrimas inesperadas e talvez traga mais.
A Torre no Tarô Whimsical por Dana Driscoll
A Torre no Whimsical Tarot
Desenhado por Dana Driscoll
 
Frágil, trêmula, sou mesmo essa torre tocada pelos raios de Júpiter. A idade não me deu força, deveria ter dado? O tempo só me trouxe mais ternura, muito do que parecia meu o tempo levou. Minha força, coragem, um medo que eu tinha de tudo, tudo foi consumido no trajeto constante do tempo. Esse trabalho do tempo tem a ver com a carta "O Julgamento" no meu jogo, mesmo que eu não entenda. "A Torre" mostra que eu não entendo. E pratico auto-tortura vendo na televisão um homem caminhar no fio numa altura enorme, batendo recorde. Fico vendo quase sem respirar direito, pior que ficar espremendo espinhas e cravinhos.
"A Torre" também é eu sonhar com um amor de filme ou de novela quando nada indica que ele apareça. Acho que "A Torre" é estar no lugar errado, na hora errada, quase um oposto da carta "O mago", estar no lugar certo, na hora certa. "A Torre" é a falta de ponte, um desfiladeiro, rochas que não estão firmes, um vento que a gente não entende.
"A Torre" é não ter a mínima idéia de que roupa colocar, ter um cabelo com vida própria, bem independente da sua vontade, agir de forma a fracassar diante de si mesmo, viver perdas.
"A Torre" foi o tsunami no Japão, o terremoto no Haiti e outros tipos de catástrofe natural. Na noite do tsunami podia sentir um peso no ar. Sei que é loucura, mas foi assim que senti.
"A Torre" é uma carta que mostra a profundidade do tarô. Ela mostra a face terrível de Deus, ele é plantação mas também gafanhoto, céu azul mas também terremoto. A situação com "A Torre" mostra que devemos temer a Deus, senhor dos raios também.
Fecho as cartas. Como quem guarda algo precioso, guardo meu tarô. Mesmo assim a imagem que estou numa torre continua em mim. A torre é alta e me dá vontade de voar. A torre sou eu também e sinto que não sei o que estou fazendo nas suas paredes e silêncios. A torre é em mim onde me ergui, me construi diante do espelho e nas minhas atitudes, onde te espero e talvez você não apareça.
Contato com a autora:
Denise Fernandes Marsiglia - taróloga e astróloga.
Psicóloga com especialização em psicossomática.
www.mitosesimbolosassessoria.blogspot.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: ckr – setembro.13
Revisão: Ivana Mihanovich
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2020 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil