Home page

22 de agosto de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


Os arcanos malditos... Uma Torre em minha vida!
A temida Torre quando sai numa rodada de cartas, nem sempre é ruim...
Tinah Lima
A Torre sempre traz à nossa mente uma perda: sonhos interrompidos, tapetes puxados, castelos de areia levados pelo mar, escolhas equivocadas que caem sobre nossas cabeças, planejamento errado que falhou... Tudo por mau uso do livre-arbítrio...
A frase perfeita: “Meu mundo caiu!”.
Estamos sempre ligando A Torre às perdas, mas essa carta representa muito mais que isso. Ela mostra o fim de uma situação que não está em acordo com o Propósito Divino e a perda é a consequência desse fim. Término dos sonhos, término do planejamento da vontade humana. Fim do cenário idealizado por alguém que achava que estava no caminho certo. A famosa frase do Crowley e sua Sociedade Alternativa: “Fazes o que tu queres, há de ser tudo da lei”, vem cobrar o seu valor. O Universo põe um fim naquilo que não pode mais ir adiante e a perda torna-se inevitável.
É por isso que os diversos baralhos representam a carta com uma torre sendo destruída por um raio cósmico. Alguns desenham o raio saindo do “Olho que tudo vê”. Outros autores personificam-na com uma coroa, que é um símbolo de poder terreno. Cada criador dá o seu toque, mas sempre vemos um cenário de destruição. Raios, pessoas se jogando, chamas, explosões, etc. O fim da construção humana que não estava de acordo com a vontade Divina.
Cartas da Torre
A Torre nos tarôs Ansata, Thoth, Haindl e Rider-Waite
E como conselho?
A Torre saindo numa tiragem de conselho indica que você não está no caminho certo. Tomou decisões erradas. Forçou a barra. Indica que o que você quer não é do seu direito... Então?... Ótimo! Melhor a Torre aparecer no conselho, porque é um sinal de que você se aconselhou antes da tomada da decisão e pode evitar a situação ruir. É um conselho que pede uma mudança drástica de atitude, planejamento, vontade. Exige uma parada repentina no modo de agir e pensar, porém nem sempre temos a coragem, a humildade e o desapego necessários para segui-lo. E... É aí que se apresenta a Torre como a maioria conhece... O “não”! Seguido das perdas, das quedas, da interrupção nos projetos e muitas vezes, da dor.
É o fim! Acabou! Sempre que sai uma Torre no jogo, é sinal de término. É o Universo dizendo “não” pra você através do Tarô.
Pensando a Torre como uma negativa ou um fim e não somente como uma perda, podemos começar a ver esse arcano “maldito” como benéfico. Basta pensarmos em situações que queremos que termine ou em cenários onde adoraríamos ouvir do oráculo um “não” como resposta.
Vamos imaginar uma que pessoa está numa situação muito ruim e quer mudar isso. Na sua tiragem aparece o temido arcano XVI – A Torre. Nesse momento é perfeito! Sinal de término da experiência negativa. Término do sofrimento.
Um exemplo: a pessoa está numa empresa que está fazendo muitos cortes e demitindo funcionários. Essa pessoa pergunta ao Tarô: “Serei demitida?” E a Torre aparece. A resposta é não! Um tremendo não! Aliás, a Torre é sempre um sonoro não!
Quem não quer um ”não” como resposta para perguntas assim?
 
Vou perder o emprego”?
Vou repetir o ano na escola?
Terei que me submeter à cirurgia?
Precisarei vender o carro para pagar as contas?
Serei despejado do imóvel onde moro?
Vou cair na malha fina?
Meu namorado está me traindo?
Todos nós adoramos receber A Torre nessa hora... Esse é o não que gostamos de ganhar! Portanto, não existe arcano bom ou mau, melhor ou pior. Dependendo da situação vivida e a posição na tiragem, o arcano se mostrará contra ou não a sua vontade e muitas vezes, receber A Torre na tiragem é um bom sinal!
Contato com a autora:
Tinah Lima é taróloga, astróloga e terapeuta holística
tinah.lima@gmail.com e www.tinahlima.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: CKR – 29/09/2015
Partilhe seus comentários ou deixe questões para o Autor responder
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil