Home page

23 de setembro de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


20. O Julgamento
    [< voltar]
Julgamento. Uma sentença arbitrária?
Por
Valéria Fernandes
    
    Tradicionalmente há uma tendência quase consensual em atribuir um caráter religioso ao arcano O Julgamento, seja associando ao Juízo Final ou ao Juízo de Deus. É fato que o Tarô de Marselha, referência praticamente unânime quando vamos estudar ou analisar uma lâmina, apresenta a imagem de um homem despido em uma tumba erguendo-se entre os mortos, em sua volta outro homem e uma mulher rezam em sua direção, no céu um anjo faz soar sua trombeta nobremente.  Descrição inevitável de analogias com o Juízo final na ressurreição dos mortos ou com a ressurreição de Jesus, como consta nos evangelhos cristãos.
    Pessoalmente, acredito que podemos interpretar os arcanos maiores do Tarô adivinhatório, não somente sob o prisma de nossa cultura cristã, também se faz necessário à interpretação de toda e qualquer simbologia que possa contribuir para a compreensão da lâmina em seu conjunto.
     
 
[Fenestra Tarot]
 
[Vetrate Tarot]
 
    Há algum tempo, o contato com o arcano Julgamento me deixava por demais confusa devido a essa associação já tão enraizada. Dessa forma, dediquei algumas horas para conhecer melhor a simbologia das palavras “juízo e julgamento”, no qual, o dicionarista Aurélio Buarque de Holanda forneceu dados de grande valia após meu pequeno estudo etimológico dos vocábulos de origens latinas em questão.
    Juízo: “Ato de julgar; julgamento, conceito, parecer, opinião”.
    Julgamento: “Ato de julgar, sentença, decisão, apreciação, exame”.
    De posse dos significados, achei por demais arbitrário simplesmente “sentenciar sem ponderar”, dado a “sentença” ser o parecer final, e não o caminho que se chega a um parecer. Tal raciocínio me levou a palavra “discernimento”, que o mesmo autor traduz como sendo “faculdade de julgar as coisas clara e sensatamente; critério, tino, juízo. O vocábulo “discernir”, Aurélio Buarque apresenta com os seguintes aspectos: “conhecer distintamente; perceber claro por qualquer dos sentidos; apreciar; distinguir; discriminar, fazer apreciação; julgar, decidir”. A lógica me levou ao óbvio: a concepção de discernimento é mais um sentido da palavra juízo. Dessa forma a carta Julgamento ficou bem mais clara em minha mente, até mesmo pela própria trajetória dos arcanos maiores.
    
A tomada de consciência dos nossos atos.
O caminho da sentença final
    Pensando nas duas lâminas que antecedem ao Julgamento, podemos lembrar que o arcano da Lua aponta para o lado obscuro e confuso de nosso psiquismo, às sombras que ocultam a luz, e o arcano Sol envia a mensagem de ter sabedoria sobre a luz ofuscante que pode ser perturbadora quando não absorvida adequadamente. Ou seja, tanto um arcano como outro trata do mesmo assunto: “discernir” a luz das trevas. Como constatação, vemos que sempre que se vai julgar é necessária à simbologia dos vocábulos “distinguir, separar, apreciar, especificar ou palavras afins”, sempre sinônimos de discernimento.
       
  A Lua   O Sol   O Julgamento  
[Cartas do Tarot of Moon Garden]
    
    O raciocínio completa-se quando retomamos algumas características da carta O Julgamento para sentirmos os aspectos que a mesma traduz: Saber discernir o verdadeiro do falso, o justo do injusto, o espiritual do material; trazendo assim a revelação e a renovação contida na lâmina. Pois, soubemos discernir o que nos confundia e como conseqüência nos foi revelada uma visão bem mais clara para tomarmos consciência do que não víamos, despertando para uma renovação de forças, de idéias, de metas, o vislumbre para a cura dos males que estavam ocultos.

Contato com a autora
Valéria Fernandes
- www.taroetaro.blogspot.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores

out.07
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil