Home page

20 de agosto de 2018

Responsável: Constantino K. Riemma


O Louco e a pergunta do corvo
Yeda Braz
Já diz um ditado popular que, de médico e de louco, todo mundo tem um pouco, mas, há outro, não muito conhecido que, traduzido literalmente do inglês seria: pouco conhecimento é uma coisa perigosa (a little knowledge is a dangerous thing).
Ao estudar o Tarot e pretender fazer uma leitura, independentemente  do deck que se escolha, o conhecimento dos símbolos é essencial. Nada, absolutamente nada em uma carta de Tarot é aleatório ou está lá apenas como decoração.
Vamos olhar com “olhos de ver”.
O Louco - Mato no Tarochi Sola Busca
O Louco (0. Mato) no Tarocchi Sola Busca (1491)
No magnífico Tarot Sola Busca, de 1491, o Louco olha para o corvo, que, de acordo com o simbolismo oculto, é o “mensageiro dos cultos de mistérios, que aprendeu a expressar conceitos espirituais em imagens, que podem ser entendidas em diferentes níveis, tanto pelos leigos como pelos iniciados”.
Qual é a pergunta que o corvo faz ao Louco?
A cor do corvo nos remete ao nigredo, que é a primeira fase do trabalho alquímico e ao chumbo; pois,  é da putrefação que vão surgir os elementos que, num próximo passo, enfeitarão a mesa do mago. Que “coincidência” essa carta nos presentear com um corvo, uma vez que o emblema do putrefatio é simplesmente: Caput Corvi!
Do seu lado esquerdo, uma corda com três nós pode, entre outras coisas, simbolizar os três estágios da alquimia: nigredo, albedo e rubedo e, porque não, uma alusão ao Rosarium Philosophorum, um texto alquímico atribuído a um famoso médico e alquimista do século treze?
O Carvalho, do seu lado direito, também tem ligação profunda com a alquimia (isso vai ficar para outra oportunidade), mas vale mencionar aqui que os alquimistas costumavam esmagar insetos que viviam dentro dessa árvore para, através de uma mistura com o sulfureto de antimônio, obter a cor vermelha, que permeia a maioria das cartas do Sola Busca.
Seu cabelo em forma de plantas mostra que ele está ligado à natureza, porque, como o trabalho alquímico, faz parte dela.
O instrumento que ele segura, preparando-se para usar, lembra uma antiga gaita de fole, um dos raros instrumentos que permite ao músico tocá-lo sem precisar pausar para respirar! Interessante... e muito relevante. Ora, quando bem estudado, a força simbólica de um arcano é muito enriquecedora!
O corvo encara o Louco e lhe indaga se está pronto para enfrentar a jornada que começará com o primeiro passo do Mago, na carta de número um.
Ao tirar o Louco em uma leitura, devemos olhar para o corvo e buscar dentro de nós as respostas para as perguntas que ele nos faz:
– Você está preparado para iniciar uma jornada onde as coisas não parecem ser o que são e arcar com as consequências dessa escolha?
– Está preparado para enfrentar sacrifícios que vão te moldar a ponto de você não mais se reconhecer?
– Quer encarar o encontro consigo mesmo e deixar para trás o ditado “ignorance is bliss”, onde não mais será protegido pelo acaso, que, até então, protegia os desavisados?
– Você já parou para refletir se está preparado para enfrentar o desconhecido e ser levado para um caminho cheio de surpresas sobre o qual pode não ter nenhum controle?
Se você, antes de ler esse artigo e ter acesso a essas informações, pensava que o Louco era apenas um bobinho, olhe bem nos olhos do corvo e responda, com sinceridade, se puder, às perguntas que ele fará.
No momento em que o Louco decidir tocar a gaita, ele terá dito sim para a jornada! Terá ouvidos de ouvir e jamais e será o mesmo novamente.
Você está pronto para caminhar com ele?
Yeda Braz é professora de Inglês e de Tarot,
e estudiosa de simbologia.
www.facebook.com/profile.php?id=100014406423199 
www.instagram.com/yedabraz.tarot
yedabraz@yahoo.com.br 
Outros trabalhos seus no Clube do TarôAutores
Edição: CKR – 7/06/2018
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2018 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil