Home page

23 de outubro de 2017

Responsável: Constantino K. Riemma


Saturno e o Tarot
Dicas de como lidar com o controverso personagem
Sara Bonfim
Muito tem sido comentado a respeito da influência de Saturno como o planeta regente de 2017. Este planeta nos traz a lição da maturidade, responsabilidade e muitas vezes severidade, em prol de um bem maior. No seu próprio glifo temos a impressão de ver um indivíduo com o chicote na mão.
Glifos de Saturno, Capricórnio e Aquário
Glifo de Saturno e dos signos que rege: Capricório e Aquário
Pode parecer assustador, mas a energia de Saturno oferece a busca de valores verdadeiros, sinceros e justos. A adaptação não costuma ser fácil, mas se nos empenharmos em aprender com este exigente professor, a lição será amplamente recompensada. Associando a simbologia de Saturno às referências que encontramos nos arcanos maiores do Tarot, a influência deste planeta capataz fica ainda mais clara. Mais claras ainda ficarão as ligações das cartas com as figuras mitológicas de Cronos-Saturno.
Mas antes de nos embrenharmos nas relações diretas entre Saturno e os arcanos, te convido a desbravar a carta do Mago com este mesmo olhar. Embora não haja nenhuma ligação clara entre este planeta e o arcano, as "dicas" do Mago permitem navegar por todas as outras cartas com um maior entendimento.
Embora em vários decks o Mago tenha apenas uma lemniscata acima de sua cabeça, no Tarot de Marselha ele e a Força usam um chapéu. O adereço simboliza o 8, o infinito, mas também é o símbolo do ritmo eterno ou da eternidade do ritmo. Aliás, uma das características de Saturno é ser o Deus do tempo. Mas vamos falar disso mais adiante.
O Mago e a Força no Tarot de Marselha
O Mago e a Força trazem o chapeu em forma da leminiscata
Cartas do Tarot de Marselha restauradas por Camoin e Jodorowsky
Arcano de número 1, no Mago, temos a expressão do indivíduo no mundo. Aqui, é necessário ser um em si mesmo.  Seu bastão lembra a antiga formula de Hermes Trismegisto: “O que está em cima é como o que está embaixo. O que está dentro é como o que está fora." Sua lembrança é de que temos total capacidade de co-criar nossa realidade. Além disso, as ações terrenas também repercutem nos planos astral e espiritual. Se Saturno em algum momento parece pesado, o Mago ensina: “Transformai o Trabalho em jogo. Fazei com que o jugo que aceitastes seja suave e que o fardo que carregais seja leve.” (Meditações sobre os arcanos maiores do Tarot, pág. 28). Esta fórmula facilita o entendimento de todos os outros arcanos, afinal, se enfrentamos as dificuldades como desafios e não como impedimentos, a possibilidade de compreensão verdadeira é muito maior.
Com este destaque ao Mago, agora vamos a uma relação mais evidente entre os arcanos maiores e Saturno. Neste sentido, é importante considerar a carta da Justiça.
A justiça no Tarot de Marselha e Crowley
A Justiça no Tarot de Marselha e do Crowley
Como vemos na representação do arcano, a relação é direta com Libra, pela própria presença da balança. No Tarot de Crowley, é o signo de Libra que está impresso na carta da Justiça. E é neste signo que Saturno fica exaltado, ou seja, um lugar onde ele apresenta grandes influências. Estamos falando, aqui, sobretudo da lei do Karma e do equilíbrio. Se pensarmos em decompor este número, a fórmula óbvia que encontramos é: 8 = 4 + 4.
O 4, número que faz referência à forma e aos elementos, se contrapõe a ele mesmo. Ofendendo alguém (uma forma de afetar o outro), pede-se desculpas (outra forma de afetar o outro). Se mascararmos nossas insatisfações (medo), situações que nos levam ao limite serão apresentadas (medo).
Esta fórmula mostra como uma ação levará inevitavelmente a uma reação da mesma proporção. Se acontecer uma revolução (autoridade), instala-se uma ditadura (autoridade).
A história de Saturno, também conhecido como Cronos, mostra exatamente esta fórmula. Para impedir seus filhos de lhe tomarem o trono, comeu-os (violência/exílio), mas um deles consegue fugir, luta contra o pai e o expulsa de seu reino (violência/exílio). E quem é este filho? Júpiter, conhecido como Zeus na mitologia grega, o senhor do Olimpo. Para muitos é praticamente óbvia a associação de Júpiter com a carta 4, do Imperador.
4. O Imperador e 11. A Força no Tarot de Marselha
O Imperador e a Força no Tarot de Marselha (Camoin-Jodorowsky
Na carta da Força também surge uma inspiração para lidar com Saturno. Aqui parece fazer mais sentido a troca de números realizada pelo místico Arthur Waite. Em seu deck, a carta da Força ao invés do habitual número XI, possui o número VIII: “O número 8 é atribuído a Saturno e o Leão rege sobre a chave 8, a Força. Saturno realça a expressão da realização concreta, e representa aqueles que possuem necessária determinação e disciplina para atingir os altos escalões do setor que escolheram. Leão eleva o espírito de uma atitude saturnina excessivamente sóbria e confere uma radiante e magnânima aceitação da responsabilidade…” (“A numerologia e o Triângulo divino”, pág. 144).
Na carta da Força temos o princípio de duas energias conflitantes buscando a harmonia. Uma é a de oposição e a outra de concordância. A força do plano físico é neutralizada pela força da vontade. Assim como a força da vontade é neutralizada pela força do espírito. Juntos, o Mago e a Força, nos dão o segredo de como lidar com a justiça implacável de Saturno.
Também conhecido como Cronos, este Deus do tempo tem uma foice que o associa à morte. É ele quem ceifa a vida dos filhos a fim de preservar a ordem estabelecida. Com a carta da Morte no Tarot, percebemos nosso potencial de transformação através da ressurreição, do desapego. E como o tempo é implacável, a morte também. Mais uma vez lembramos da lição do Mago: Ser um em si mesmo. Um dos segredos para o desapego.
A carta 13. A Morte, no Tarot de Marselle e Cronos devorando seu filho - pintura de Rubens.
Existem ainda associações de Saturno com outras cartas como O Eremita, O Diabo e o Mundo. O Eremita – frequentemente associado a Saturno – ensina a ver a sabedoria interior e ser guiado por ela. No tarot Visconti Sforza ele se parece bastante com a figura de Cronos. No lugar da usual lâmpada, segura uma ampulheta na mão. Ele mede o tempo, lembrando da eternidade do ritmo já citada pelo Mago, mas também ensinando que o tempo das coisas nem sempre é o tempo que a gente quer.
Cronos-Saturno e o Eremita
Estátua de Chronos por Gugenmus e Monaldi (1778) e a carta do Tarocchi Visconti Sforza (1450)
Já o arcano do Diabo também é uma referência a se considerar quando falamos do planeta ancião. No tarot, é comum a relação entre o signo de Capricórnio (regido por Saturno) e o próprio Diabo. A semelhança entre as figuras é praticamente óbvia. Dion Fortune, em seu livro “A Cabala Mística” já afirmava: “Saturno-Satã é uma transição fácil, assim como Tempo-Morte-Demônio”.
Em suas provações, o Diabo proporciona a lição de lidar com os testes que a vida traz, sem que a gente traia a si mesmo. Voltando à questão do desapego, resta a pergunta: Quais são as correntes que te aprisionam?
O Diabo no Tarot de Crowley e tela de Cronos cortando as asas de Cupido]
O Diabo no Tarot de Crowley e a pintura de Cronos-Saturno cortando as asas de Cupido
Pintura de Ivan Akimovich Akimov (1802)
E finalizando, temos a carta do Mundo. No Tarot de Aleister Crowley a associação a Saturno é direta. Seu número é 21, que somado, é o 3 em uma oitava maior. É a lei do ternário que surge para neutralizar a analogia entre Karma e Vontade, trazendo a Consciência para o topo do triângulo, como já explicava o místico G.O. Mebes. Unindo vontade e consciência, seria possível dissolver o Karma.
O Mundo - Consciência, Karma e Vontadwe
A Carta do Mundo no Tarot de Crowley
O convite é dominar os desafios da vida para viver os ciclos em sua inteireza. O cenário da carta nos remete à celebração. As dificuldades da matéria foram vencidas. A representação dos quatro elementos em cada ponta nos lembra disso. O ar (águia), água (homem), fogo (leão) e terra (touro), são os que enfeitam a moldura no formato de vagina. Estamos presenciando um renascimento. Segundo Gerd Ziegler “A mulher nua dança a dança da libertação. Através do Olho de Hórus ela penetrou a natureza das limitações. Com essa percepção (simbolizada pela foice que segura na mão direita), ela rompe a trama que a aprisiona.”
A serpente, símbolo da transformação, não é mais temida. As duas dançam a dança do infinito com total maestria.
 
Referências Bibliográficas:
Anônimo. Meditações sobre os arcanos maiores do Tarot. São Paulo: Ed. Paulinas, 1989.
Fortune, Dion. A Cabala Mística. São Paulo: Ed. Pensamento – Cultrix. Décima edição, 2009.
Mebes, G.O. Os arcanos maiores do Tarot. São Paulo: Editora Pensamento.
Javane, Faith; ,Bunker, Dusty. A numerologia e o triângulo divino. São Paulo: Editora Pensamento.
Ziegler, Gerd.  Tarô Espelho da Alma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.
 
Sara Bonfim é jornalista, cineasta e apaixonada por mitos.
Tarósofa e Taróloga. Possui a página Tarot da Alma, no Facebook:
https://www.facebook.com/sara.bonfim.96
https://www.facebook.com/tarotdasara

Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Revisão: Ivana Mihanovich
Edição: CKR – 13/06/2017
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2016 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil