Home page

11 de dezembro de 2018

Responsável: Constantino K. Riemma


ARCANOS MENORES - Os quatro naipes
    [< voltar]
ESTÁGIOS EVOLUTIVOS
Texto de
G. O. Mebes
in Os Arcanos Menores do Tarô
 
    Alguns estudiosos apresentam o conjunto das dez cartas numeradas de cada naipe como o esquema básico dos quarenta passos do processo evolutivo. É o caso de G. O. Mebes, em Os Arcanos Menores do Tarô (Ed. Pensamento).
    Em resumo, cada naipe representa um degrau ou uma oitava da escala do desenvolvimento possível ao homem.

    O estágio de Ouros corresponde à transformação da matéria comum da personalidade humana numa substância mais sutil.
    O progressso dessa transformação, denominada processo iniciático, depende de dois fatores: o esforço pessoal do discípulo e a penetração nele da Luz Espiritual.


 
    Cada naipe (Paus, Ouros, Espadas e Copas) tem quatro graus, representados pelas figuras (Valete, Cavaleiro, Dama ou Rainha e Rei).
    A iniciação do grau Valete abrange somente o plano físico e resulta de uma decisão de se trabalhar para a própria evolução espiritual ou para a evolução do ambiente no qual se encontra.
    A iniciação do Cavaleiro é mágica e concede domínio sobre as manifestações astrais.
    As iniciações do terceiro e quarto graus — a da Rainha e a do Rei de Ouros — são, na sua essência, uma só iniciação possuindo dois aspectos diferentes, dependendo do predomínio, no iniciando, do elemento masculino ou feminino.
    No entanto, simultaneamente a todos os processos e realizações internos e externos, o mundo vai perdendo seu valor para o iniciado de Ouros.
    Ele descobre que tudo o que realizou com tanto esforço, não passa de ilusão. Então, internamente nu, como um recém-nascido, começa a procurar o real.
    É a passagem para o naipe seguinte, de Espadas.
 
      No estágio de Espadas o peregrino espiritual não mais tem um mestre. É um período de solidão completa. O crescimento interno não é mais incentivado por cerimônias ou rituais.
    Esse estágio consta também de 4 graus, mas puramente esotéricos e perceptíveis somente aos observadores dos planos superiores.
    A etapa de Espadas pode ser atravessada:
a)   pelo caminho da fé, positivo, aspirando e procurando servir o Logos em Seu trabalho redentor e,
b)   pelo caminho negativo, também chamado de “caminho dos fortes”, da rebelião contra o Logo e o estado do mundo.
    Esses sofrimentos e o vazio interno ao chegarem ao auge, despertam no peregrino uma imensa sede e a necessidade de saciá-la com algo perfeito e totalmente puro. É a passagem para o naipe de Copas.
    No estágio de Copas a afirmação da personalidade (Ouros) e da Individualidade (Espadas) não mais existem.
    Os sofrimentos se desvaneceram, queimados em seu próprio fogo.
 
O lugar da autoconsciência foi tomado pela consciência do Divino. O espírito une-se ao Logos.
      Não é mais o homem que vive; vive o Cristo dentro do homem.
    O estágio de Paus reapresenta a mais alta realização humana. Sempre receptivo às irradiações da Luz Divina, o homem colabora conscientemente com o plano Divino sobre a Terra.
    Transmite a outros a Luz que agora possui em abundância e que, embora sempre repartida, nunca diminui.
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2018 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil