Home page

15 de dezembro de 2018

Responsável: Constantino K. Riemma


Aplicações do Tarô: CRIATIVIDADE
 
 
Diário da Sincronicidade
Por
Sonia Belotti
    
    O mestre da pintura Salvador Dali criou 78 obras para um tarô que leva sua assinatura. Nele, a carta da Roda da Fortuna sugere que tenhamos uma visão mais circular, mais sistêmica a respeito de acontecimentos que ocorrem no mesmo Espaço-Tempo.
    Ele comenta a respeito da lâmina X. A Roda da Fortuna: “A cooperação com a fortuna começa e cresce com o amar, mas também com o pressuposto crítico que coincidências não são aleatórias, elas  têm coerência e têm capacidade própria de ir adiante.”
    Trabalhar a coerência das coincidências com a carta do tarô de Dali, ou outro tarô que privilegie a expressão artística da carta, é um treino interessante para desenvolver a flexibilidade e incentivar a imaginação.
    Sugiro uma técnica, cuja origem é o brainstorm de criatividade, e que pode ser feita nos primeiro dez dias de janeiro, e repetida sempre que se  precisar abrir janelas para a compreensão dos ritmos e ciclos da vida.
     Já apliquei esse exercício para a carta da Roda, que teve resultados muito interesantes, principalmente para pessoas que estavam em finais de ciclo, tanto no trabalho como em relacionamentos.
 
Roda da Fortuna - Tarô Dali
 
O Diário da  Sincronicidade 10x10
    Escolha um lugar especial para fazer esse treino: um lugar onde  a imaginação fique solta durante o tempo que for necessário e que possa servir de ateliê de expressão livre.
    Tire uma carta do tarô por dia, e  deixe-a aberta durante 24 horas, como um retransmissor de abertura de percepções.
    Durante esse dia inteiro, perceba de maneira mais profunda todos os acontecimentos à sua volta: use todos os sentidos, inclusive a intuição.
    Saboreie o paladar de coisas que pareciam sem gosto; lance um segundo olhar para pessoas que já estavam catalogadas  como não tão interessantes; ouça novos tons naqueles sons roucos e desgastados da sua rua, da sua cidade.
    Ao final desse dia, antes de recolocar a carta no baralho, (porque todos os dias a escolha nasce do mesmo universo original), escreva o maior número de observações que você conseguir, ou faça uma pintura, um desenho, algo significativo como símbolo do dia, sem pressa, considerando todos os elementos que apareceram na sua percepção.  
    O objetivo não é obter um sentido lógico nem uma seqüência temporal, mas criar uma espiral de significados conectados por significação pessoal e inovadora.
    Incentive idéias ousadas, quebre cadeias estagnadas do sentir, não julgue, não critique, deixe fluir simplesmente.
    Medite por uns instantes sobre as 2 imagens, (a de Dali e a sua), ou crie uma história, um poema, um blog (no caso de ser um texto), que faça conexão entre os fatos percebidos, a carta do tarô e o símbolo criado.
    Faça isso por 10 dias sem falhar, como um compromisso com você mesmo, como um curso de reabertura de canais expressivos.
    Se porventura repetir-se uma carta nesses dias, será motivador saber que ela poderá ser sentida e expressa de modo totalmente diferente, conforme a obra realizada com ela. As mesmas notas compondo uma nova canção...
    A criatividade, como a Roda da Fortuna,  tem começo, meio e fim, mas não necessariamente nessa ordem.  É como um giro constante, que inclui o insight inicial, o acompanhar da execução e o retorno sobre as conseqüências.
    Após os 10 dias, você terá um diário provavelmente bem mais surrealista de seu cotidiano, mas com certeza, muito mais criativo, motivador e gerador de confiança no movimento integrado da Roda da Vida, do Destino e da Fortuna.
    Esse é o sentido da carta número 10 no tarô de Salvador Dali, comandando o ano de 2008: deixar-se levar, participando da viagem. Se for desse modo, será uma ótima viagem e um ano de recomeços infinitos!
Contato com a autora
Sonia Belotti
- www.teias.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
dez.07
 
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2018 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil