Home page

11 de dezembro de 2018

Responsável: Constantino K. Riemma


  APLICAÇÕES / Estudos & Opiniões / Trabalho & Preparo < voltar  
Iniciação ao Tarot
  Jaime E. Cannes  

    Todos os meses eu recebo muitos e-mails me perguntando sobre cursos de tarot. Fico feliz de saber do interesse das pessoas pelos conhecimentos e experiências que expresso em meus artigos, mas sempre fico surpreso com a maneira como esse contato é feito: há sempre uma mesma lista fria que quer saber de valores, horários, e tempo de duração do curso. Alguns são mais diretos ainda e me perguntam bem objetivamente se eles vão sair do curso sabendo “ver” as cartas para outras pessoas.

 
O Mago no Tarot for Beginners
O Mago no tarô de Deirdre O’Donoghue
www.tarotforbeginners.com
      O incrível nisso tudo, só para início de conversa, é que essas pessoas conhecem muito pouco do meu trabalho, e a maneira como eu lido com os arcanos. Um curso de tarot não é o mesmo que fazer um curso de torneiro mecânico ou técnico em marcenaria! Essas atividades possuem um mesmo modo de execução, pois são técnicas em essência, como o são, aliás, muitos cursos superiores que abordam temas humanos sob prismas bem definidos por seus fundadores. A tarologia possui apenas em parte uma abordagem técnica, geralmente no que se refere aos métodos e sistemas de leitura. Não existe um fundador ou um cânone definitivo sobre o estudo dos arcanos e as maneiras de se interpretar as cartas.
    Cada leitor oferece uma maneira diferente de abordar as mensagens contidas nos seus símbolos. A vida de quem faz uma consulta é apenas uma, o que significa que os temas levantados numa leitura serão os mesmos, independentemente de quem seja o tarólogo. Cada profissional, entretanto o fará ao seu modo e usará a sua linguagem própria. Uns são muito bons, por exemplo, em avaliar coisas em redor de cada cliente: “Vejo um amigo a quem você ama muito, mas este está de partida, vejo uma separação em breve.” Outros avaliam melhor o que vai no íntimo
do coração das pessoas: “Você pensa muitas vezes em sair de perto do convívio familiar, mas no seu coração você não consegue juntar forças para isso”.  Só para citar apenas alguns modos possíveis.
    Nunca ninguém sugeriu espontaneamente fazer uma consulta comigo antes de iniciar um curso, recentemente comecei a mencionar essa idéia. Afinal como professor eu terei uma influência inegável sobre as suas visões pessoais dos arcanos, levarão isso adiante. Não seria interessante conhecer melhor essa influência antes de tomar essa decisão?
    Em parte essa ansiedade se dá pelo fato de muitos professores terem pasteurizado o ensino do tarot como uma outra coisa qualquer. A palavra curso já sugere algo que pode ser assimilado e digerido instantaneamente. Prefiro a palavra iniciação, pois ela sugere um envolvimento e uma continuidade de troca de conhecimento e experiências.
    Uma iniciação ao tarot independe do tempo de duração de um curso, mas sim da constância dos contatos e da troca. A intimidade é de fato a grande dificuldade do mundo atual. Muitas das pessoas que me mandam e-mails simplesmente desaparecem quando eu peço para me ligarem. Não gosto de conhecer um aluno por um meio tão frio quanto um e-mail.
    Preciso conversar com os candidatos, saber da sua história com o tarot, e da sua história de vida, isso me auxilia, inclusive, a elaborar as aulas.
    Ano passado dei uma iniciação de tarot a uma historiadora e foi maravilhoso! Em cada arcano eu buscava personagens da história para ilustrar o simbolismo em questão, e ela passou a ter insights sobre outros. Ela relacionou o lado positivo do Imperador, ao rei Felipe II da Espanha, chamado o rei do mundo. Um homem que dominou com firmeza e serenidade, nunca tendo perdido a calma em toda a sua vida e que foi capaz de delegar o poder dividindo tarefas entre o irmão e o filho mais velho. Perfeito! Um belo exemplo histórico do arcano do Imperador. Conduzindo assim as aulas ela assimilou os arcanos, cada vez mais interessada e fazendo cada vez mais correlações!
    Esse é um caminho mais puro de ensino de uma matéria espiritual, pois ela se aproxima do iniciado!  Já faz algum tempo que optei por aulas individuais, em princípio foi uma alternativa forçada porque juntar turmas era cada vez mais complicado, os horários não coincidiam e os alunos tinham de faltar muitas aulas devido a outros compromissos assumidos.
 
O Rei Felipe II da Espanha
Retrato de Felipe II, por Juan de Pantoja (1585)
© Biblioteca del Monasterio
de El Escorial (Madri).
 
    Com o tempo percebi que as iniciações individuais eu podia sentir melhor cada aluno, conhecê-los melhor.
    Deixo bem claro que nenhum professor no mundo pode garantir que você se tornará um leitor de talento, pois afinal, talento para uma disciplina é algo que existe ou não. Como há grandes pintores e há imitadores medíocres. Mas eu saliento também que se você conseguir fazer das aulas um olhar sobre a sua própria vida através dos símbolos, um caminho de reconhecimento das próprias limitações e de exaltação dos potenciais, então isso será a verdadeira iniciação!
O Olhar para fora
    Em outras matérias do saber interior, como a astrologia e a numerologia, o primeiro mapa a ser estudado é o do aluno. Os astrólogos consideram uma obrigação saber de seus próprios mapas e estudá-los ao máximo. No tarot, porém, existe na maioria dos que procuram conhecê-lo uma ânsia por vasculhar a vida alheia ou tornar a atividade um meio de ganhar um “dinheirinho”. Esse olhar para fora é típico de uma brutalidade de alma. Alguém ficou fascinado pelo modus operandi de uma atividade desconhecida que lhe pareceu glamorosa e decidiu que esse era o seu caminho de vida. Um caminho que o apresentaria aos olhos do mundo transformado, conhecedor de algo ignoto à maioria... Ou seja, uma bela armadilha do ego que não faz bem nenhum ao recém chegado ao mundo da tarologia e muito menos aos que cruzarão o seu caminho pedindo ajuda. O fundamental é que um caminho tenha verdade interior. A lógica em si é muito simples, se quer ajudar alguém com o tarot, comece ajudando a si mesmo, do mesmo modo que se pretende aplicar florais a alguém, tome você primeiro. Percorra o caminho que você quer levar os outros. Qualquer ocultista ou curador só pode levar alguém até onde ele mesmo foi. Reconheça que a pessoa que mais precisa do conhecimento que você está buscando é você mesmo. Não haveria outro motivo para você buscá-lo, não é mesmo?
    Já mencionei em outros artigos que a profissionalização é uma conseqüência, as coisas a sua volta começam a acontecer, os clientes chamam outros, e logo surgem os incentivadores entusiasmados e tudo começa a andar rapidamente, os fatos conspiram! E a esses fatos você soma suas necessidades práticas e seu senso e ética interiores que o guiarão para a sua zona de conforto íntimo, que é diferente para cada pessoa.
    Já ouvi o ego infantil de alguém suspirar em voz alta: “Eu queria que fosse assim comigo”. Esse, se levar a sério essa voz e transformá-la numa obsessão sob o disfarce de um sonho, bom, esse é o que defenderá a institucionalização do conhecimento e da profissão. A falta de um elo real interior faz com que se busque de modo desesperado, um elo externo legalizado, um artifício que não se compara a real absorção do saber que transforma a alma, e quando isso acontece já não importa de que modo nós aplicaremos esse conhecimento, se individual ou publicamente, se profissional ou amadoristicamente.
março.09
Contato com o autor:
Jaime E. Cannes - www.jaimeecannes.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
 
APLICAÇÕES / Estudos & Opiniões / Trabalho & Preparo < voltar  
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2018 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil