Home page

11 de dezembro de 2018

Responsável: Constantino K. Riemma


 
PAINEL: Comentários sobre a profissão do Tarólogo
 
 
Em resposta ao convite para discutir A profissão do tarólogo,
recebemos alguns comentários e observações breves,
que reproduzimos abaixo (por ordem alfabética).
    Dorian Martínez:
 
Cosmoanalista
[Pintura O.D.]
      A palavra Tarologia foi recentemente inventada pelo artista multimídia Alejandro Jodorowsky. Atualmente essa palavra inclui certas atividades que nada têm a ver com a idéia original. As bases da tarologia como sistema de leitura do tarot são três:
    1) O Tarot é útil para ler o presente, é uma máquina da memória; não se fala do futuro, pois corremos o risco de assumir poder sobre o consulente, que, por não se conhecer, prefere pagar um futuro fabricado a um preço razoável.
    2) Não dar conselhos ("não fazer isso" ou "é melhor fazer aquilo"), pois se supõe que a vida do consulente está sempre nas suas mãos. O trabalho do tarólogo é oferecer diferentes interpretações  e  o trabalho do consulente é
escolher o melhor caminho de ação para sua vida. O bom tarólogo não vê a verdade, mas uma interpretação da verdade que pode chegar a ser absurda.
    3) Talvez, das três regras de ouro esta seja a mais essencial: uma leitura de Tarot não se cobra. O Tarot é uma arte sagrado, ninguém sabe quem a inventou; por isso é preciso que a leitura seja gratuita. Sob esse ponto de vista a tarologia não pode ser considerada como uma profissão, pois não se cobra e não se estuda nas universidades (mas, pessoalmente, gosto da idéia que fosse estudada nas universidades).
    Flavia Castellar:
    Nesses tempos “evangélicos”, até parece que vivemos numa inquisição velada, onde tudo é magia ou coisa do demônio. É preciso mesmo que o Tarot seja mostrado como realmente é, um oráculo, na forma de um  jogo de cartas
que decodifica o inconsciente de quem busca o aconselhamento, iluminando a vida dessa pessoa, na medida em que esclarece dúvidas e propõe soluções criativas e positivas. Nada tem de demoníaco ou de bruxaria.
    Com certeza, ser tarólogo é uma profissão que demanda muito tempo de estudo, de conhecimento técnico e  de aperfeiçoamento pessoal, emocional e espiritual, porque para cuidamos da saúde emocional e espiritual do nosso cliente, precisamos estar atentos e vigilantes em relação ao nosso próprio caminho.
 
La tireuse de cartes, pintura de Lucas van Leyden
Tireuse de cartes (Cartomante)
[Pintura de Lucas van Leyden - 1625]
 
    Portanto para ser tarólogo é preciso tanta responsabilidade e dedicação como em qualquer outra profissão, o importante é nos colocarmos sempre como profissionais que unem a técnica com a intuição para o cuidar do ser humano em sua busca da felicidade. E sabemos que felicidade nesse plano dual é estar em sintonia com nosso ser de luz, conscientes e despertos.
    Isabel Roveda:
    Precisamos mudar paradigmas sobre o tarô na questão de supersticioso e técnico. O tarô é um estudo sério; ser tarólogo é muito mais que abrir as lâminas em um jogo para o consulente. Implica em uma jornada de estudos e pesquisas e muito conhecimento, pois para perceber no momento em que o consulente se encontra que ter respeito e responsabilidade para esclarecê-lo e equilibrá-lo, para que assim equilibrado possa tomar suas decisões.
    Para isso o tarólogo tem que ter uma boa base de estudos e princípios. O tarô é um jogo  sério onde  não existe adivinhação e sim a leitura de cada arcano de uma maneira séria e respeitosa, já que cada arcano simboliza uma parte de nossa jornada.
    Sérgio Schiefler:
 
Tela de Nadine Rippelmeyer
Pintura de Nadine Rippelmeyer
[www.art.com]
      O Tarô surgiu para mim como interligação com a Astrologia e a Numerologia.
    Através de sua linguagem simbólica permite uma troca entre consultor e consulente no sentido de uma orientação para as situações vivenciais. Tal correlação com a Astrologia e a Numerologia não encontrei no baralho cigano.
    Não vejo nas práticas citadas um aspecto divinatório, mas sim orientador. Diante de determinadas circunstâncias nos caberá resolver as situações. As possibilidades nos são mostradas. Os caminhos estarão abertos ou fechados dependendo de nossas atitudes.
    Sabendo de antemão quais as possibilidades, torna-se mais fácil uma decisão. A tarefa do tarólogo é indicar opções. A decisão é de cada um.
    Para mim, mais do que uma profissão, o Tarô é uma missão.
maio.08
Endereço para remessa de colaborações e comentários:
contato@clubedotaro.com.br
 
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2018 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil