Home page

28 de julho de 2014

Responsável: Constantino K. Riemma


Ler a sorte - Ciganas e cartomantes
Para ampliar e abrir a exposição, clique na obra escolhida
         
            
         
            
            
Para ampliar e abrir a exposição, clique na obra escolhida
 
Algumas considerações históricas
     A beleza das imagens falam por si próprias e não necessitam de maiores comentários. No entanto, a coleção das 23 obras que apresentamos acima, cobrindo quatro séculos de história da arte, apresentam indícios bastante interessantes para balizar o tarô, as cartas de jogar. 
    Cigano e quiromancia
    Nesses retratos, até o século XIX os ciganos são retratados apenas no ato de fazer leitura da sorte pelas mãos.
    Além do título das obras, depreende-se quem são os ciganos pelas roupas e pela cor da pele. Um detalhe significativo é que tais leituras não têm por cenário os interiores das residências e, em alguns casos, a atmosfera é de retraimento, temor, prática feita fora da vista dos demais...
    O Baralho em 1653
    As cartas são retratadas, sem a presença de ciganos, na situação de jogos de salão, carteado a dinheiro, em obra do século XVII. Nas mãos dos ciganos, as cartas só aparecerão em pleno século XIX. O fato é historicamente compreensível, pois só a partir do final do século XVIII o tarot foi redesenhado e reduzido por Etteila e Lenormand, facilitando sua popularização.
    Um ponto que chama atenção é que as cartas retratadas com ciganos não aparentam nada de especial. Em alguns casos é bem visível que se trata do baralho comum, utilizado no carteado recreativo ou a dinheiro.
    Cartomancia sem ciganos
    Digno de nota nos retratos mais antigos de cartomancia é o fato de o interior das casas aparecer como cenário, com pessoas aparentemente de mesma etnia e vestidas no mesmo padrão. Nesse sentido, a cartomancia se revela como uma prática independente dos ciganos.
    Essa informação sobre a difusão da cartomancia não é surpreendente se lembrarmos o que se passou com Gebelin, o erudito francês do final do século XVIII, um dos primeiros a escrever sobre o significado esotérico do Tarô. Esse autor, que supôs uma origem egípcia para o Tarô, acordou para o jogo quando surpreendeu algumas mulheres, em seu meio de convivência, a jogarem a sorte.
    Cabeça coberta
    Entre as curiosidades que podem ser constatadas no exame de detalhes dessas obras de arte, encontra-se a prática de cobrir a cabeça com um pano dobrado para realizar a sessão de quiromancia. Ao que parece, foi um uso em vigor durante algum tempo.
    Enfim
    Ainda que não se possa, de modo algum, estabelecer nexo de autoria entre os ciganos e as cartas de jogar, isso não diminui o papel desse povo nômade na difusão e na popularização do uso das cartas com a finalidade de ler a sorte.
    
    Nota: as referências para seleção das obras de arte incluídas neste slide-show foram: cartomancia, ler a sorte. Outros termos de busca: fortune teller, buona ventura, diseuse d'aventure, die kartenleserin.
    Para apreciar mais obras de arte sobre o tema cigano, recomendamos o site romeno:
    www.romanothan.ro > Rromii în arta universală.
    Convite: estamos interessados que os estudiosos da cultura romani acrescentem dados significativos ao que foi apresentado até aqui e, quando for o caso, façam as correções que julgarem oportunas.
Pequisa e comentários de
Constantino K. Riemma
   
 
  Quatro pilares
  Tarô Egípcio
  Orientação
  O Momento
 
⇓    Publicidade do Google    ⇓
 
 
Todos os direitos reservados © 2005-2014 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil