Home page

23 de abril de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


 
Van Gogh traduzido pelas cartas do Tarô
 
 
Por
Valéria Fernandes
 
 
    À luz da Semiótica tive oportunidade de analisar pinturas de artistas diversos e épocas diferentes; expoentes do Renascimento, do Barroco, do Romantismo, do Realismo e do Impressionismo e Pós-Impressionismo. Devido a Semiótica considerar a pintura como um texto a ser decodificado através da leitura das imagens impressas, permite estabelecer correspondências com a interpretação das cartas de Tarô.
    Para esta pequena análise, utilizei a Polissemia, que é a mudança da significação do signo (símbolo) pelo contexto. Ou seja, por meio de um mesmo símbolo, novas ou até mesmo opostas significações podem ser atribuídas, se necessário. E a Pintura Mimética, aquela que certos pintores trabalham como o que se chama de “construção do parecido” ou “pintura da realidade visual”.
Pintura de Van Gogh, o quarto do artista em Arles, 1889
Vicent Van Gogh; Quarto do Artista em Arles (1889)
Óleo sobre tela; 57,5 x 74 cm; Museu d’Orsay, Paris.
    Entre tantas imagens inegavelmente sedutoras, optei por uma obra de Vicente Van Gogh, O Quarto do Artista em Arles, reprodução de um ambiente onde o pintor viveu em seu último ano de vida.
O Dois de Copas
    É notório o contraste do sucesso póstumo com o fracasso e a rejeição que Van Gogh experimentou em vida. O artista pintou três versões do quadro O Quarto do Artista em Arles, que, para mim, remete de imediato ao Dois de Copas do Tarô, e, em uma segunda instância, identifico outros arcanos na mesma cena.
    Pode-se observar que os objetos do quarto estão em pares: duas cadeiras, duas jarras, duas garrafas, dois travesseiros. Há também uma toalha, e por ser um objeto de uso íntimo, o pintor duplicou através da imagem refletida no espelho. Os retratos e as gravuras japonesas ao lado da cama também estão em pares. O quadro acima da cama não está visivelmente duplicado, porém evidencia a imagem de duas pessoas.
    É fato que Van Gogh mostra-se nesta obra como uma pessoa carente e desejosa por encontros, é o que faz entender por meio deste emparelhamento: o seu anseio nunca realizado, a sua eterna necessidade de companhia e de amizade, a sua busca por carinho, afeição e amor; características do arcano Dois de Copas.
    A primeira versão desta tela Van Gogh pintou quando estava à espera de um amigo, a segunda quando esperava seu irmão. Esta é a terceira versão que pintou para esperar sua mãe em 1889, enquanto se recuperava de um colapso nervoso num asilo para doentes mentais em Saint Rèmy. Portanto, não há como negar a temática “anseios por encontros e por afetos”, elementos visíveis no Dois de Copas.
Detalhes
    Outros símbolos do Quarto do Artista em Arles são de grande relevância para co-relacionar a tela com os arcanos do Tarô.
    
  Janela, detalhe da tela de Van Gogh "O quarto do artista em Arles"       Janela entreaberta: a janela abre para dentro, implicando acesso ao mundo exterior. O mais significativo é que dela não se vê nada, isso faz o quarto lembrar o ventre materno.  Pode ser lido como seu desejo de estar na suposta segurança da companhia de sua mãe, no Tarô, a carta A Imperatriz representaria esta ocasião.
    A cadeira da felicidade: na realidade, a cadeira do quarto do artista era feita de simples madeira branca. Ele pintou de amarelo por motivos simbólicos, já que o amarelo é a cor solar, do calor e da felicidade. Seu anseio por companhia, calor humano e dias melhores, pode ser encontrado no arcano O Sol.     Cadeira, detalhe da tela de Van Gogh "O quarto do artista em Arles"  
  O chão, detalhe da tela de Van Gogh "O quarto do artista em Arles"       A cor do chão: em seu quarto original o chão era de tijolo vermelho. Nesta tela aparece em um lilás cor de cogumelo, dando ao quarto um sentimento sombrio de isolamento, expressando o espírito do pintor.  Podendo ser relacionado ao arcano O Eremita em seu aspecto mais denso.
    A cama de camponês: é significativo que Van Gogh tenha escolhido uma cama rústica e não uma de metal como estava em uso na época; quis transmitir que ele não era uma pessoa sociável. Outra passagem do Eremita na obra. 
    Quanto à coberta, o artista tinha plena consciência do impacto emocional da cor, usando-a de forma arbitrária, pois o vermelho vivo eleva o clima do quarto. Nota-se o intuito de equilibrar, de misturar ou condensar suas emoções, aspectos encontrados no arcano A Temperança.
    Cama, detalhe da tela de Van Gogh "O quarto do artista em Arles"
    E, isentando a obra em questão, o arcano O Louco pode identificar o próprio estado do pintor neste momento de sua vida, que dez meses após pintar o quadro, suicidou-se.
setembro.08
Contato com a autora
Valéria Fernandes - www.taroetaro.blogspot.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
 
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil