Home page

20 de setembro de 2020

Responsável: Constantino K. Riemma


Imagens & Poemas
A Temperança e a Estrela em perfeito equilibrio
Beatriz Delboni
Em meio ao caos, vagando pelo mundo, deparei-me com duas figuras muito semelhantes e, ao mesmo tempo, muito diferentes.
A Emperança e a Estrela em perfeito equilíbrio
A Termperança e a Estrela colocam em harmonia o preparo alquímico e sua doação ao mundo
Pintura de Beatriz Krebs Delboni aproximando, num mesmo cenário, os dois
arcanos maiores do do Tarô – 14 e 17 – com mulheres manipulando cântaros.
Uma delas estava ajoelhada frente a um rio de incertezas e inúmeras possibilidades. Acreditando não ter tamanho poder para remediar a situação em que se encontrava, decidiu apenas aceitar o que o destino lhe propunha. Abandonou o controle – que talvez nunca realmente tivera – e apostou na sorte. Não se sentia totalmente segura, mas aquela opção lhe parecia melhor do que gastar toda a sua energia com preocupações. Estava de peito aberto e, assim que chegasse a hora, enfrentaria o que fosse necessário. Não se tratava de simplesmente virar as costas aos seus problemas, mas apenas de compreender e aceitar de que a solução não era agir, mas esperar.
A outra figura, por sua vez, não parecia estar tão convicta de que o controle da situação lhe escapava. Tratava-se de algo difícil, sem dúvida. Porém, fazendo uso das águas do rio que havia sido nutrido pela consciência da primeira criatura, pôs-se a trabalhar. Não tinha pressa. Sabia que qualquer movimento brusco seria capaz de fazer escapar aquelas gotas tão preciosas, o que certamente apenas a atrasaria em sua delicada tarefa. Inspirava-se tanto nos frutos da terra quanto nos astros do céu e, pouco a pouco, suas mãos iam transformando aquela substância desconhecida, mas já bastante poderosa.
Ao término daquele ciclo de interações, as duas figuras foram capazes de alcançar aquilo que almejavam. Já não havia caos: as estrelas reluziam em harmonia, os animais cantavam e as águas jaziam cristalinas. A criatura ajoelhada agradecia, afirmando que, sem a habilidade da outra, nada daquilo teria sido possível. A outra, erguida, olhava para a criatura ajoelhada com serenidade. Explicou-lhe que havia sido um esforço conjunto e que, se estivesse em companhia de alguém mais impaciente, não teria sido capaz de manejar aquelas águas com tamanha precisão.
Contemplei as estrelas e, pela primeira vez, senti-me em completo equilíbrio.
*   *   *
Nota: a releitura que Beatriz Krebs Delboni fez das cartas "A Temperança" e "A Estrela", arcanos XIV e XVII do tarô de Marselha, foi presente de aniversário à sua mãe, Vera Lúcia Jornada Krebs, médica reconhecida por seu profundo conhecimento e dedicação.
A ideia surgiu a partir de uma conversa entre as duas, em que Vera revelou admirar muito essas cartas, belas e misteriosas. Assim, pensando em um presente inusitado, Beatriz decidiu unir os dois arcanos maiores, como se estivessem interagindo entre si.
Beatriz Krebs Delboni
é advogada e conectada às artes
www.facebook.com/bia.delboni
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
18/06/2020
A Lua e sua Intimidade.
O mergulho interno em meio a Pandemia
Fabiola Ciavaglia Fretz
 
Por Portais do domínio das sombras
A Quimera nos coloca face à fragilidade,
e ao medo.
Como caranguejos, recolhidos em nossa couraça.
Imersos no lodaçal dos sentimentos,
os mais profundos... escondidos.
Protegidos e sensíveis,
Vulneráveis a si mesmo.
Uivos, leais à sua essência,
Saboreiam-se à luz que ilumina a superfície
      atravessando nossas as águas.
Noite funda, escura e clara,
Sonhos, Delírio, Suspiros, Loucura.
Lua dos Ciclos e mãe do Tempo.
O agitar reflete quem teme o mergulho...
ou, na surpresa do improviso, temer-se já morto.
O escuro é revelador
  A Lua e sua Intimidade - Fabíola Ciavaglia Fretz  
Fabiola 'Sofia' Ciavaglia Fretz
é bailarina, terapeuta corporal, taróloga, astróloga.
www.instagram.com/fabifretz
ffretz@hotmail.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Balada dos Opostos
Prauxedes Ramos
 
Sou criança, sou adulto
Sou jovem, sou idoso
Sou o filho, sou o pai
Sou o neto, sou avô
Sou o novo, sou o velho
Ancestral e atual
Sou o norte, sou o sul
Sou o sol e sou a lua
Sou a água, sou o fogo
Sou chama, sou as cinzas
Sou o vento e a calmaria
Sou a noite sou o dia
Sou a terra, sou a planta
Sou o mar, sou a montanha
Sou o fel sou o mel
Sou o doce, sou o sal
Sou a flor, sou espinho
Sou o bem e sou o mal

Baladas dos Opostos - Prauxedes Ramos

Brincando pelos campos do Universo
Sou incansável buscador
E por onde quer que eu vá
Sozinho ou acompanhado
Levo tudo comigo
Indo perto ou indo longe
Levo a guerra levo a paz
Levo a dor e o alívio
Levo o choro e levo o rizo
Sendo o um e sendo o todo
Sou as cores sou os nomes
O que sou e o que não sou
Sou a sombra sou a luz
Os elementos e as dimensões
Sou matéria, sou energia
Sou razão, sou emoção
Sou corpo, sou espírito
Sou os órgãos, sou o sangue
E de todos os opostos
Sou yin e sou yang
 
Prauxedes Ramos é terapeuta
e estudioso do I Ching
www.facebook.com/prauxedes.ramos
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: CKR – 2020
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2020 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil