Home page

14 de outubro de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


Felicidade no amor e no sexo
Como aumentá-la através do Tarô e do equilíbrio energético
Cláudia Hauy
A parte afetiva é uma das principais áreas da vida questionadas pelos que buscam o Tarô: por que não se é ou se está feliz no amor? E todas as perguntas decorrentes disso aparecem nas consultas. Separei aqui algumas das principais questões.
90% do público que atendo é feminino, por isso, vou falar a respeito de mulheres mais especificamente, mas tudo vale para homens também, pois eles possuem sua anima, a sua alma feminina.
Sexo e Tarô - Felicidade no amor e no sexo
Imagens do PowerPoint da Autora
O neologismo “empoderamento” associado ao feminino, é necessário para todo ser humano. No Tarô o empoderamento é mostrado na carta 3, A Imperatriz. Seu arquétipo nos remete à mãe, à esposa, às mulheres que têm seu reinado, ou seja, são realizadas profissionalmente e muitas são líderes. A Imperatriz fala de uma mulher que tem poder de decisão sobre sua vida e sobre a vida de outras pessoas; que faz suas escolhas pautadas tanto na intuição quanto na lógica, pois ela é realista, é “pé na terra”. Trata-se de uma mulher prática e que sabe usar seu poder de sedução.
O arcano 3 apresenta o tema da fidelidade em suas múltiplas facetas, tanto de ser ou não ser fiel quanto de querer fidelidade do parceiro.
A rainha das rainhas pode ensinar às consulentes como progredir em tudo o que desejam ser.
Para que o tarô e o tarólogo sejam bons conselheiros amorosos é preciso que não haja preconceito do leitor de oráculos ou do terapeuta holístico. É necessário que o tarólogo veja o que é correto para o cliente e não para si mesmo, de acordo com seus paradigmas.
empoderamento do feminino.
Tem que haver confiança mútua, o cliente não deve ser julgado por nada que ele conte em uma consulta. É preciso sigilo do profissional, além de seriedade e ética para ouvir e responder questões sobre amor e sexo. Não se deve focar na adivinhação para não incorrer no erro de querer dizer como o cliente se sente e sim ouvir dele quais as suas necessidades. O Tarô será utilizado para ajudar a entender e aconselhar.
Existe uma pergunta clássica que a(o)s consulentes fazem: “O que ele(a) sente por mim?”. O oráculo deverá responder se é carinho, desejo, se há interesse ou se a outra pessoa não quer nada, para que assim, a consulente não fique sofrendo desnecessariamente ou investindo suas energias nisso.
Segue-se a esta, perguntas como: “O que ele(a) quer comigo?”. Tudo certo, pois a terapia com o Tarô possui o diferencial de poder-se investigar o sentimento da outra pessoa, as tendências para o futuro, o ambiente que cerca o casal. Apenas lembro que também é importante a pessoa perguntar sobre si; o que ela mesma sente, o que pretende e em que precisa se modificar, pois em geral, alguma mudança em si é necessária para criar a felicidade almejada e não apenas esperar por ela passivamente, querendo que tudo melhore sem que ela faça nenhum sacrifício.
Como a carta Os Enamorados nos ensina, o amor e a felicidade envolvem escolhas e é comum a pessoa se ver diante da necessidade de escolher entre o certo e o duvidoso, entre o homem (ou mulher) adequado socialmente, amorosamente, do tipo que namora, que é sério, que tem estabilidade ou qualquer outro atributo que seja valoroso para ela; e, por outro lado, o que é sexualmente atraente, o que aparece como tentação, inadequado, por inúmeros motivos: pode ser comprometido, não dar segurança, ser instável ou frio e não querer nada, mas ser o que desperta a paixão e o desejo. A pessoa tem que refletir sobre o que quer e o que fazer para ser feliz com as suas escolhas.
A decisão tem que ser sábia pois a consequência pode ser uma outra situação muito comum no consultório, os casamentos infelizes.
Citando Willhelm Reich em seu livro A Função do Orgasmo:
 
“Se por causa de um casamento insatisfatório, uma mulher jovem e ardente desenvolvia uma neurose, por exemplo, uma angústia cardíaca nervosa, não ocorreria a ninguém indagar a respeito da inibição que a impedia de experimentar a satisfação sexual a despeito de seu casamento. Com o tempo é mesmo possível que ela pudesse desenvolver uma histeria real ou uma neurose compulsiva. Nesse caso, a causa primeira teria sido a inibição moral, enquanto a sexualidade insatisfeita seria a força motriz”
(REICH, Wilhelm, 1990, p. 86)
 
Ou seja, a sexualidade insatisfeita é a força motriz de muitas neuroses e isso é muito comum nos casamentos, a energia que não é bem canalizada acaba saindo como irritação, compensações em excessos compulsivos e estas características passam a fazer parte de como a pessoa é. Mas com a liberação saudável e intensa do orgasmo, essa energia flui mais calma e produtivamente.
Desfazem-se as couraças, que são tensões musculares que bloqueiam o fluxo energético e instauram no corpo físico os sintomas de neuroses que prejudicam tanto a vida do indivíduo quanto a vida em toda a sociedade.
Reich coloca o orgasmo pleno como forma de liberação e desbloqueio tanto energético quanto psicológico. E que precisamos tê-lo para que sejamos pessoas mais livres e saudáveis. Isto é uma função biológica que não tem nada a ver com amor e que é de suma importância que ocorra. Por estes motivos pessoas solitárias, mas que vivem bem com sua sexualidade, podem ser plenamente felizes solteiras, emanando mais beleza e jovialidade do que as mal casadas.
O aprendizado de ser feliz sozinho aparece no Tarô nos arcanos I, O Mago e no IX, O Eremita. O indivíduo tem plena consciência de seu potencial de se dar prazer, atender suas necessidades, fazer acontecer o que deseja, decidir e trilhar seus próprios caminhos de forma livre.
A possibilidade de ser feliz sozinho
O Eremita no tarô de Rocca e Gumppenberg (1835) e o Mago no Visconti Sforza (1450)
Diferentemente do que diz a canção, a modernidade tem mostrado que é possível ser feliz sozinho, em termos de relacionamento amoroso. Para isso, a pessoa tem que estar equilibrada espiritual, emocional e mentalmente, pois quando ela se encontra assim, inteira, está saudável o suficiente para não precisar estar em um relacionamento para ser feliz. Desta forma, ela começa a atrair pessoas de um padrão vibracional mais elevado e aí, sim, poderá ter um relacionamento amoroso feliz.
Na terapia holística conseguimos equilibrar os chakras, os centros de energia vital, com o uso de cristais, cores, meditação, banhos, dentre outras técnicas, como a yoga, em especial o tantra yoga, a regressão. As técnicas variam e serão mais ou menos eficazes de acordo com a causa do problema e a afinidade com o cliente. A pessoa deve escolher o tipo de tratamento mais efetivo para ela.
Os sete chakras
A posição dos sete chakras e suas correspondências
Ilustração no www.jornalnh.com.br
No Tarô, utilizo uma tiragem bioenergética, onde temos sete casas na vertical correspondentes a cada um dos principais chakras. Associo o significado das cartas com as áreas do corpo e da vida regidas pela casa/chakra. Com o precioso auxílio da anamnese, este jogo indica o tratamento efetivo para o cliente.
Eu utilizo conceitos da bioenergética, e como instrumentos, os cristais, a cromoterapia, o aconselhamento, a meditação e, em alguns casos, rituais energéticos com os elementos da natureza. A escuta terapêutica e os exercícios são sempre a base que faz toda a diferença.
Uma dica preciosa para as pessoas descobrirem o que mais lhes dá prazer é lembrar-se do que lhe excitava na infância, pois as crianças se excitam. Como Freud revelou, a sexualidade é presente em nós desde a infância e nas nossas memórias estão algumas chaves importantes para nos conhecermos melhor e sermos mais felizes, tentando atender, de forma agora adulta, os desejos da criança que fomos.
O Seis de Copas
Seis de Copas - redesenhado do Rider-Waite Tarot
Cartas de Tarô podem ser usadas terapeuticamente e, neste caso, uma meditação sobre o Seis de Copas aliada a um exercício de regressão de memória, ajudam a resolver inúmeros conflitos. O importante é sempre buscar ser mais feliz e pleno.
Cláudia Hauy, terapeuta holítica e taróloga
www.claudiahauy.com.br e claudia@claudiahauy.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: CKR – 15/09/2019
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil