Home page

28 de junho de 2017

Responsável: Constantino K. Riemma


O Brasil visto pelo I Ching em 2017
Cláudia Boechat
Creio que como todo mundo, ando pensando muito na situação política e econômica do nosso país. Meu primeiro impulso foi abrir o Tarô pra me ajudar a refletir. Porém, considerei o I Ching um oráculo mais apropriado ao tema. O milenar oráculo chinês, analisado e comentado por Confúcio, sempre apresenta uma visão estratégica do momento em que estamos vivendo.
Para quem não conhece o I Ching, vou explicar um pouquinho no que consiste. São 64 hexagramas (imagens de seis linhas, dois trigramas) que abrangem todos os ciclos da vida. Se a situação é definitiva, nos deparamos com um único hexagrama, coisa rara. Se está em transformação, encontramos linhas em mutação que vão gerar um segundo hexagrama, desenvolvimento do anterior.
I Ching de Wilhelm e de Cláudia Boechat
O I Ching usa imagens da natureza e costumes orientais muito antigos para evidenciar as situações. Muitas expressões, se levadas ao pé da letra, não fariam o menor sentido para nós. Por isso, vou usar minhas próprias palavras e as de Richard Wilhelm, autor do clássico “I Ching - O Livro das Mutações”. Vale dizer que eu também já escrevi um livro a respeito: “I Ching – Mensagens para o crescimento pessoal”.
Pois bem, encontrei o hexagrama inicial chamado Limitação e, um segundo, Conflito. É, a coisa tá complicada.
O hexagrama Limitação (veja) fala, como o nome indica, das limitações que precisamos impor a nós mesmos e às situações para que tudo funcione adequadamente. Limitações econômicas e morais. As coisas não podem correr frouxas, mas também é preciso muito cuidado para não apertar demais. O conselho geral do hexagrama é: “Sucesso. Não se deve perseverar ao se exercer uma limitação amarga.” Acho que está bem claro, né?
Hexagrama 60. Limitação
Nossos governantes, então, acertam quando impõem limites aos gastos públicos e punem a corrupção. Porém, se exageram, o resultado é a revolta popular. Até as limitações devem ter limites para serem aceitas sem maiores problemas. É mais ou menos isso o que diz o hexagrama em seu julgamento.
Aí, vamos às linhas móveis, em mutação: primeira, quarta e sexta, o que significa que logo logo a situação pode mudar. Num primeiro momento, é preciso se conter sem culpa. Se não dá para ir até onde gostaríamos, ok. Vamos até onde dá e esperamos a hora certa de ir além. Mas é preciso ficar bem quietinho. Se não for desse jeito, com certeza teremos problemas. Acho que já passamos dessa fase da paciência, né?
Bom, vamos para a segunda linha em mutação, a quarta linha, um segundo momento. Aí vem um tempo onde a limitação é aceita porque sua necessidade é compreendida. Ou seja: se a limitação visa o interesse comum as coisas vão bem; se não, temos problemas. Quem acha que vivemos uma limitação necessária?
A terceira e última linha móvel (a sexta do hexagrama Limitação) não é muito agradável. Ela nos fala de limitações duras demais, que as pessoas não aguentam. Há muita reação aos limites impostos. Ao mesmo tempo, a linha fala de limitações morais que cada um deve impor a si mesmo para não se corromper. Soa familiar? Incrível, né?
Onde é que isso vai parar? O segundo hexagrama (resultado da mutação do primeiro) e resposta à pergunta é: Conflito ou Disputa (veja). O Julgamento deste hexagrama diz: “Você é sincero e está sendo impedido. Deter-se cautelosamente no meio do caminho traz boa fortuna. Ir até o fim traz infortúnio. É favorável ver o grande homem. Não é favorável atravessar a grande água.” Cada um deve fazer sua própria interpretação, mas farei algumas considerações.
Hexagrama 6 - O Conflito
De cara, pode-se entender que “de boas intenções o inferno está cheio”. Depois, é inevitável nos lembrarmos do impeachment da Dilma e de pensarmos se Temer deve renunciar. A qual deles o hexagrama se refere? Quem sabe, aos dois.
O hexagrama confronta a esperteza e a força. Há um impasse. Somente uma pessoa com autoridade moral, sabedoria política e digna de respeito pode tentar solucionar o conflito buscando uma conciliação. Alguém imagina quem seria essa pessoa? Se o conflito persiste a coisa fica mais feia ainda...
Tem mais: “não é favorável atravessar a grande água”. Isso significa que não dá mesmo para pensar grande, para mudar o país, para empreender tarefas difíceis e grandiosas. Não dá pra sair da crise. Ao menos enquanto o conflito não for solucionado. E podemos ir além: o país não conseguirá resgatar a credibilidade internacional tão cedo. Triste, né?
O fato é que insistir no conflito não leva a nada por mais que cada lado ache que tem razão. Ânimos acirrados só resultam em caos. Esperteza e violência também não dão em coisa boa. É preciso encontrar um meio-termo, por mais difícil que isso nos pareça. Uma tentativa de prevenir o agravamento desse embate seria estabelecer rápido regras bem claras e iguais para todos. Contudo, infelizmente não vejo como isso é possível no Brasil de hoje, quando até a Justiça é claramente desigual em relação a interesses poderosos. Só nos resta encontrar o tal “grande homem” (ou mulher) capaz de resolver o conflito com uma decisão justa ou conciliatória. Cadê?
Cláudia Boechat, jornalista e cronista, responde pelo blog
www.tarotclaudia.blogspot.com.br
Contato por e-mail: taroresponde@gmail.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: CKR – 06/03/2017
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2016 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil