, Clube do Tarô - Tarot e linguagens simbólicas
 
Home page

23 de abril de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


A Alma e a Personalidade
 
 
Por
Flávio Alberoni
 
 
    Uma amiga me pergunta a diferença entre a alma e personalidade – em termos de tarô – o assunto me agrada demais da conta.
    A personalidade é regida pelo arcano 4. O Imperador. Isso é algo que gera pouca controvérsia. E o 19. O Sol – seu arcano oposto, na seqüência binária de Wirth – nos alude ao espírito. Não propriamente à alma, que permeia todo o tarô, mas como uma relação entre os arcanos e bem representada pelo 5. O Papa. A soma dos binários, por exemplo 4 + 19, é sempre 23 e 2 + 3 = 5 (Papa).
    [Para compreender essa relação indicada pelo Autor, veja Estudos de Conjunto: Wirth]
        
    Na figura do Arcano 19 – O Sol – temos uma criança brincando com um animal, próximo a um muro, que a separa de uma outra realidade. Esse toque de pureza, de entrega, de infantil, é bem o domínio da parte espiritual em nós que aprende constantemente com as experiências vivenciadas pelo Arcano 4. Este, pela sua rigidez, pelas suas características, fornece a proteção adequada ao 19. Vale dizer, que o Imperador (Arcano 4), é a lei, o regulamento, a mente racional,  enquanto que o Sol (Arcano 19) e o espírito da lei, que envolve e protege... e aprisiona. Pode-se observar que quem atinge o 19 em sua plenitude é dono do próprio destino (1 + 9 = 10, o arcano Roda da Fortuna ).
    Mas, não creio que alguém consiga atingir a si mesmo por essa relação binária (Luz espiritual, no dizer de Wirth), sem a ajuda de um mestre competente. Pois a relação entre os dois cria uma fricção que dificulta a visão e tolhe a personalidade. Há uma explicação para isso dada pelo tarô, que deixarei para um outro momento. Acho mais fácil atingir um certo equilíbrio por uma figuração ternária, das seguintes maneiras:
 
20
 
19
 
18
 
4
 
5
 
  quando a tendência da personalidade é pela linha esotérica ou
 
19
 
18
 
17
 
4
 
5
 
  quando a tendência da personalidade é pela linha mística.
    No primeiro caso espera-se demais de si mesmo, mas um processo de observação de si (Arcano 3, oposto ao arcano 20), de maneira contínua, favorece um resultado analítico, mesmo exigindo uma energia muito grande do caminhante. De qualquer modo, o Arcano 4 favorece conclusões racionais, mesmo com o perigo de nos prendermos a estas mesmas conclusões (atributo do 4). No segundo caso, o arcano 18, constrói a personalidade de maneira mais vagarosa e até favorável, se conseguir quebrar as ilusões que o próprio arcano com freqüência alude e constrói.  De qualquer modo a ação do 5  (a relação entre, atributo da alma e de uma personalidade integrada), existe na oposição do 18 e na relação entre o 19 e 5 (23=5), objeto desta reflexão. Isso torna o caminho muito mais leve, pois constantemente a alma está presente e comandando o processo. Eu diria também que na linha esotérica a ação mental é intensa demais, dificultando o contato com a essência. E no caso binário é pior ainda, pois os conflitos são exagerados.
    E daí?  Para que tudo isso? A conclusão é que se torna mais fácil observar uma pessoa mais equilibrada, na qual o ternário místico aparece na busca de sua essência, do que nas outras duas disposições. Vale dizer, que chegará a si mesmo com mais rapidez quem o faz de maneira vagarosa e suave. Nada de pegar o touro à unha, como acontece nas duas disposições anteriores.    
Contato com o autor
Flávio Alberoni
alberoni@uol.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
out.07
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil