Home page

21 de abril de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


  Para continuar o caminho pelas cartas clique:  | 0-7 | 8-14 | 15-21|  
Veredas do Tarô
Ivana Mihanovich
 
Na minha concepção, os conceitos dos Arcanos Maiores estão em toda parte e isso inclui o mundo concreto. Estão no seu quarto, na sua casa, nas ruas, nas pessoas com quem você convive e nos eventos e encontros aos quais você vai. Não são apenas conceitos teóricos que habitam exclusivamente a área do debate na filosofia, psicologia ou na discussão meramente diletante.
Como entendo que o tarô é uma ferramenta no caminho do autoconhecimento, nesta proposta apresento imagens de caminhos ou veredas que associei aos Arcanos, um exercício de ampliação da observação de seus atributos no mundo concreto, fora das cartas.
 
Este estudo não pode ser reproduzido, seja o todo ou em partes, e as imagens, que pesquisei na internet apenas para ilustração, tem sua autoria devidamente citada em cada legenda.
 
O Caminho do Louco, arcano Zero
Vereda do Louco
www.mooseyscountrygarden.com/chelsea-flower-show/chelsea-flowers-on-show-6.html
Inusitado, diferente, fora do padrão, lúdico, criativo e descompromissado. Os desenhos apontam o artístico e o divertido e deixam ver que há sempre mais, quando vamos em frente.
As flores ao largo sugerem a beleza singular de cada ser vivo e, seguindo o próprio instinto, podemos tocar a todas, sem nos fixarmos definitivamente em nenhuma. Apesar de estimulante e atraente, emocionalmente não convida a ficar. Afinal, tanta coisa junta, se vivida permanentemente, tende a perturbar o equilíbrio. No entanto, é nos caminhos do Louco que reaprendemos a fluir com a vida, a humildade de abrir mão do controle racional, a ouvir nosso instinto, a sair do rebanho sempre igual, a nos divertirmos fora da rotina e a expressar algo nosso genuíno.
O Caminho do Mago, arcano I
A vereda do Mago
www.flickriver.com/photos/tags/stellarlandscapesltd/interesting/
Várias opções para avançar. É fácil perceber a importância de que a escolha seja realmente pessoal, pois definirá, senão todo o futuro, uma parte importante do caminho, mais adiante. Antes, porém, vê-se claramente um ponto de partida, um centro, de onde sairá qualquer primeiro passo. Embora mais comum na juventude, em qualquer idade cronológica essa etapa sempre demandará jovialidade da mente, autoconfiança, impulso e fé no próprio taco, ou ficaríamos eternamente estagnados nesse ponto inicial. Porém, antes de sair caminhando, o local oferece a arte de brincar nos desenhos do centro, ou seja: a experimentação dos inícios de caminhos. Dentre outras coisas, o Mago ensina a rejuvenescer a ótica e a aplicar isso na maneira como vemos a vida e as possibilidades que ela apresenta.
O Caminho da Sacerdotisa, arcano II
Vereda da Sacerdotisa
www.gtp.gr/TDirectoryDetails.asp?ID=14630
Para quem reconhece o local, fica mais fácil: é o Oráculo de Delfos. Mas mesmo sem saber disso, este caminho imediatamente revela ser algo milenar.
Embora nem sempre fácil de trilhar, como vemos pelas duras pedras do caminho, sua orientação nos leva ao alto. É fácil deduzir que quem por ali passa vai em busca de acolhimento ou respostas naquela edificação ao fundo, já que ela é, nesse estágio árido e descampado, o único teto onde podemos nos abrigar ou apoiar. Assim, refazemos a ligação com essa estabilidade ou sabedoria ancestral, ao que, em geral, damos o nome de intuição.
Há, ao fundo, um encontro visual que sugere a primordial interação congruente entre masculino e feminino, entre a montanha, à esquerda, mais escura e mais pedregosa, e esta mais clara e com vegetação. Mas, nesta vereda, a última prevalece sobre a outra e mostra ser o objetivo final deste caminho. Este é, portanto, o caminho que nos leva ao feminino ideal ou fundamental, e onde a mulher primeira, embora capaz de gestar e lutar, alçou-se ao lugar de mãe universal e de oráculo perene, oferecendo-nos o estímulo à compreensão dessa força, isto é, de si mesma, dentro de todos nós.
O Caminho da Imperatriz, arcano III
Caminho da Imperatriz
http://homepages.ihug.co.nz/~fiski/c2c/c2c01.html
Nesta imagem, a ideia que primeiramente salta aos olhos é a de uma vagina feita de trigo. No entanto, por pudor ou autocensura, poucos a reconhecem ou a expressam.
A maioria perde-se nas nuvens de chuva acima, em geral aliando-as à ideia de risco, sombra ou perigo (o que diz algo sobre como vários de nós andam sentindo a vida, aliás...).
No entanto, embora a ideia de chuva futura seja pertinente, o que há no presente é sol. Um sol potente, dourando as espigas e garantindo a fartura da mãe Terra, um ensinamento básico para a existência. Assim, uma vagina feita de trigo e sol, com um caminho por onde se pode entrar, esconder e também sair, poeticamente representa a imagem da mulher concreta, prosperidade, alimento, nutrição, acolhimento, sexo, gestação, parto, mãe efetiva, mulher regrada e regradora. 
Este é, portanto, o caminho do feminino concreto, da mulher que traduz o espiritual em carne e o traz à luz e então lhe ensina toda a base necessária ao viver (e, sim, ela será sempre um porto seguro, mesmo diante da possibilidade de chuva, pareça-nos ela sombria e ameaçadora ou não...).
O Caminho do Imperador, arcano IV
O caminho do Imperador
http://skparrott.wordpress.com/2011/01/18/arriving-at-valdelavilla-spain
Esta imagem logo de cara mostra construções em pedra, sugerindo estabilidade, mas também rigidez ou inflexibilidade. Afinal, é difícil mudar estruturas deste tipo, pois elas já são originalmente projetadas e criadas por mentes que desejam a permanência do que realizam e que detém o controle sobre todo o processo, bem como sobre o produto final. Por outro lado, podemos ver que organismos mais frágeis, como a hera, encontram suporte e segurança para aí se apoiar, justamente por sua solidez.
Embora a vegetação cresça livremente, a trilha em si abre-se em clara definição e leva-nos para fora dos muros, para o mundo externo.
Enquanto esses muros sólidos dão proteção ao mundo vegetal mais feminino, a orientação do seu caminho parece nos dizer que de nada adianta ficar para sempre protegido do que há lá fora. Convida-nos, portanto, a explorar e testar o que aprendemos anteriormente no mundo materno da Imperatriz através da aplicação desse aprendizado primordial na interação com o mundo paterno.
O caminho, portanto, aponta que é hora de crescer e sair do aprendizado, expressando-se e realizando-se no mundo material.
O caminho do Papa, arcano V
O caminho do Papa
www.aspoonfulofsugardesigns.com/2011_02_01_archive.html
A maioria das pessoas que observam esta imagem, prende-se à rejeição pessoal pelo frio retratado e acaba perdendo o foco do essencial: antes de qualquer outra consideração, trata-se de uma ponte (e, para quem a conhece, a percepção fica mais fácil, pois é uma ponte sagrada na cidade de Nikko, na China).
O Papa, ou pontífice, é (idealmente) uma ponte entre terreno e espiritual; é a conexão que permite a integração entre nossa atuação no mundo material e o conhecimento dos mistérios impalpáveis que regem a existência. Representada pelos alicerces sólidos que a sustentam, aparece a necessidade da definição de uma moral ou conduta próprias e firmes. É isso que dá suporte, oficializa ou sacramenta o caminho por onde vamos passar.
Há mais neve em cima, à esquerda, bem como vegetação mais seca, do que do outro lado, à direita, o que sugere uma passagem que possibilita conhecer do mais frio ao menos frio, do que morre ou hiberna ao que renasce ou viceja , dependendo do nosso momento.
Essa passagem se dá por cima de águas turbulentas e, como se pode deduzir, geladas. É a ponte, com os princípios pelos quais nos deixamos conduzir, que possibilita que nos alcemos acima dos eventos e crises terrenas e é durante a travessia, simbolicamente representando a reflexão, que solicitamos respostas para a compreensão das dinâmicas entre vida, longevidade, saúde, doença, cura, morte.
O Caminho d'Os Amantes, arcano VI
O caminho dos Amantes
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Path_split_by_the_%22Batchelor%22_seat_-_geograph.org.uk_-_1387239.jpg
Os Amantes falam, embora não exclusivamente, de amor, e esse banco para dois sugere mesmo um casal que faz uma pausa em seu caminhar. Porém, amor não é um estado estático, estagnado. Demanda renovação, cultivo e dinâmica entre os parceiros. O mesmo ocorre em qualquer associação, seja familiar, afetiva ou profissional.
Fundamental mesmo é que este caminho mostra um momento de escolha: continuar pela  senda principal, por onde já estamos vindo, ou seguir por essa outra à direita?
O que já conhecemos parece mais familiar e mais fácil, mas tende a levar-nos a uma montanha um tanto sem graça: já foi explorada e por isso parece exigir muito trabalho e cultivo para reviver. Ainda assim, podemos deduzir que, se nos dermos a todo esse esforço, é provável que isso resulte numa grande, bela e verdejante área, mais segura e sempre sólida.
A nova opção de caminho, por sua vez, convida a ir em busca do novo. Não sabemos a que nos levará e não é impossível que, no fim das contas, nos leve à mesma montanha que vemos adiante. No entanto, sugere levar-nos mais rapidamente ao alto. É essa aparente agilidade, aliada ao prazer da novidade, que faz seu convite ter tanto apelo.
O fato é que diante de toda escolha é imperativo ponderar e pesar os prós e contras e o banco estrategicamente colocado oferta exatamente isso: a pausa necessária à reflexão diante de toda indecisão, especialmente diante de escolhas cujos efeitos mudem profundamente nosso caminhar.

Abordando mais especificamente o campo amoroso, quando esta carta, conhecida no tarô egípcio como "A Indecisão", se apresenta, pode transparecer a formação de um trio ou triângulo (dois caminhos e um banco; ou dois objetivos e uma pausa etc.). Naturalmente, nem sempre isso representa um amante no sentido clássico. Pode apenas revelar a presença de uma terceira vibração que perturba ou desequilibra o duo.

O caminho d'O Carro, arcano VII
O caminho do Carro
http://theflore.aminus3.com/image/2009-02-28.html
Esta imagem logo sugere o primeiro atributo deste arcano: rapidez ou velocidade. Mais do que vir ou chegar, parece ir ou sair e, como é uma estrada, naturalmente também está implícita a ideia de viagem. E quem viaja, vai ou sai, seja de um local, situação ou estado de espírito, em geral encarará uma mudança, seja em maior ou menor grau.
Mudar, resolver algo, ou sair de uma situação ou condição, especialmente em alta velocidade, demanda algum planejamento para lidar com os conflitos ou obstáculos possíveis do caminho. É, portanto, a estratégia o que pode nos assegurar que alcancemos nosso objetivo.
O Carro abrange os atributos dos grandes guerreiros e conquistadores destemidos, sem dúvida. São os brilhantes generais que nos conduzem, após os conflitos, à tão almejada vitória. Mas sua sombra paira subliminarmente, alertando para o risco ou a tendência à arrogância, tanto de quem acredita que sempre vencerá, quanto de quem apenas recusa-se a admitir e lidar com a própria fraqueza ou dificuldade - o que pode sabotar um caminho que parecia tão claramente vencedor.
março.13
Contato com a autora:
Ivana Mihanovich é escritora, taróloga, publicitária. Publicou um livro
sobre o tarô e mantem um blog de conteúdo: www.tarotluminar.blogspot.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
  Para continuar o caminho pelas cartas clique:  | 0-7 | 8-14 | 15-21|  
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil