Home page

21 de outubro de 2017

Responsável: Constantino K. Riemma


Planeta Trump: Previsões para o Mundo em 2017
Danizudo
Resumo de
Vera Vilanova
 
As previsões para 2017, publicadas na revista inglesa The Economist, foram reproduzidas e comentadas por Danizudo e publicadas em seu blog: www.danizudo.blogspot.com.br/2016/12/revista-economist-faz-previsoes.html.
Vera Vilanova julgou oportuno relermos tais previsões e sugeriu sua divulgação pelo Clube do Tarô. Publicamos, a seguir, a versão do artigo por ela resumido.
 
Se você pensou que 2016 não foi um grande ano, bem, a The Economist não parece otimista sobre o ano seguinte. De fato, em sua capa "O Ano em 2017", a revista prevê morte e turbulência em um contexto oculto e sombrio, usando cartas de tarot e simbolismo enigmático.
A Revista The Economist é uma publicação inglesa de notícias e assuntos internacionais, editada em sua sede na cidade de Londres no Reino Unido.
A edição de dezembro de 2016 é mais enigmática que as anteriores. Ela usa o tarot para prever o ano de 2017:
Capa The Economist , dezembro.2016
Capa da revista The Economist - dez. 2016
A primeira coisa que se pode dizer sobre essa capa é que ela é bastante oculta. De fato, é dito que o tarot contém em seu simbolismo a totalidade dos mistérios ocultos transmitidos pelas sociedades secretas. Além disso, considerando que as cartas dos Arcanos Maiores também são referidas como "trumps" (trunfos, em português), foi uma ótima maneira de enfatizar que o ano será muito influenciado pela eleição de Trump.
Usar cartas de tarot para prever o futuro, em uma publicação que é de propriedade da elite oculta, é bastante adequado (...). A capa da The Economist foi inspirada no Tarot Rider-Waite (…).
O tarot Rider-Waite foi concebido pelo ocultista proeminente A.E. Waite, que era um iniciado e um mestre de várias sociedades secretas (…) Portanto, ao usar o tarot Rider-Waite para prever 2017, a The Economist revela a verdadeira força que faz com que essas previsões aconteçam: a elite oculta
Vejamos o simbolismo crítico encontrado em cada carta.
A Torre e o Julgamento
“A primeira carta do "Planeta Trump" é a Torre. Ao fazer isso, a capa começa as previsões de um jeito bastante sombrio. Tal como a Torre do tarot Rider-Waite, a carta caracteriza uma torre que está sendo destruída por Deus. Essa carta está geralmente associada a perigo, crise, destruição e libertação.
Na capa do The Economist, a torre está cercada por multidões de pessoas segurando uma bandeira comunista vermelha e do outro lado outras carregando um crucifixo. Por que os comunistas e cristãos estão se enfrentando enquanto a torre está sendo destruída? Será que a The Economist está aludindo às duas forças que são ditas terem impulsionado Trump ao poder – Rússia e o cristianismo conservador?  Ou  talvez  se  refira  à  crescente  divisão  entre  dois grupos opostos: globalistas-liberais-socialistas versus nacionalistas-religiosos-conservadores?.
A Torre e o Julgamento "Trump"
A Torre e o Julgamento
Cartas redesenhadas pela revista The Economist
Na carta do Julgamento, Donald Trump está sentado no globo enquanto segura uma esfera e um cetro — objetos referentes à monarquia. Em outras palavras, Trump é o rei do mundo. Monarquia e democracia são sistemas políticos que são extremamente diferentes. A The Economist parece estar prevendo que Trump irá governar o mundo como um monarca.
Além disso, por que essa imagem está associada à carta Julgamento? A carta da The Economist não se parece nada com a carta julgamento do tarot Rider-Waite, que retrata o anjo Gabriel no dia do julgamento como descrito pelo livro do Apocalipse.
O Livro do Apocalipse menciona várias vezes o termo "reis da Terra". Às vezes eles são ditos adorar a Cristo e em outras passagens, dizem-se que adoram a Besta.
"E vi a besta, os reis da terra e seus exércitos, reunidos para fazer guerra contra aquele que estava assentado no cavalo e contra o seu exército”. Apocalipse 19:19
O Mundo e o Eremita
Mais uma vez, a carta O Mundo da The Economist não se parece nada com o sua versão Rider-Waite. No tarot, a carta mundo representa um término para um ciclo da vida, uma pausa na vida antes do próximo grande ciclo que começa com o tolo. Também está associada ao conceito de “unificação.
Na versão The Economist, vemos imagens representando artes, literatura e teatro flutuando acima de três monumentos. Dois deles apresentam a arquitetura clássica encontrada em Roma, Grécia, Washington e Paris (o monumento no meio assemelha-se ao Panteon). A pirâmide egípcia traz à carta uma dimensão mística e esotérica.
Esses três monumentos representam perfeitamente a influência histórica da "elite oculta" na sociedade. Dita ser a guardiã dos Mistérios originários do Egito Antigo, transmitidos através de sociedades secretas como os Cavaleiros Templários, os Maçons, os Rosacruzes e os Illuminati de Baviera, a elite tem sido a força secreta por trás de profundas mudanças culturais e políticas.
Na carta da The Economist, as linhas conectam esses três edifícios do poder com os símbolos que representam a cultura popular. Em outras palavras, a elite oculta produz uma cultura popular única e coesa que é encontrada em todo o mundo.
O Mubndo e o Eremita nas cartas da revista The Ecnomist
O Mundo e o Eremita
Cartas redesenhadas pela revista The Economist
Embora a carta Eremita no tarot Rider-Waite seja bastante simples, a versão da The Economist é densa e cheia de tumulto. Ela retrata hordas de pessoas marchando enquanto seguram bandeiras rejeitando o TTIP (sigla em inglês para Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento), a TPP (sigla em inglês para Parceria Transpacífico) e a União Europeia. Outras bandeiras dizem simplesmente 'PAREM' e 'NÃO'. Os eremitas vivem em reclusão da sociedade e essas pessoas querem viver na reclusão da ordem mundial.
No canto inferior direito da carta está um globo rachado, outro símbolo sinistro que se refere à profunda divisão e destruição.
Silenciosamente, supervisionando a cena, está o mesmo eremita encontrado no tarot Rider-Waite que detém uma equipe e uma lanterna. O que ele representa? Aqui está o significado esotérico do eremita.
"O eremita, portanto, personifica as organizações secretas que por séculos sem conta esconderam cuidadosamente a luz da Sabedoria Antiga do profano. O grupo do eremita é o conhecimento, que é o principal e único apoio duradouro do homem. No tarot pseudo-egípcio, o Eremita protege a lâmpada atrás de uma capa retangular para enfatizar a verdade filosófica de que a sabedoria, se exposta à fúria da ignorância, seria destruída como a chama minúscula de uma lâmpada desprotegida da tempestade. Os corpos do homem formam um manto através do qual sua natureza divina é levemente visível como a chama da lanterna parcialmente coberta. Através da renúncia - a vida hermética - o homem alcança profundidade de caráter e tranquilidade de espírito”. Manly P. Hall, The Secret Teachings of All Ages
A Morte e o Mago
Esta carta da Morte não pode ser mais sinistra. Não ao contrário da versão de Rider-Waite, a carta caracteriza um esqueleto que se senta em um cavalo branco. Na versão da The Economist, um cogumelo nuclear está no fundo, o que provavelmente alude a tensões entre as potências nucleares em todo o mundo (um cogumelo também estava na capa de 2015). Outras calamidades são encontradas na carta, como mosquitos (uma referência a infecções por mosquitos, como a zika?) E um peixe morto em um rio seco (a crescente crise da água em todo o mundo?)”.
A Morte e o Mago no Tarô da revista  The Economist
A Morte e o Mago
Cartas redesenhadas pela revista The Economist
Esta carta do Mago é muito semelhante ao seu equivalente no tarot Rider-Waite. Em ambas, o mago tem uma mão para os céus e outra para a terra - uma referência ao axioma hermético "assim acima, como abaixo". Na versão da The Economist, o mago está usando um capacete de realidade virtual enquanto trabalha com uma impressora 3D.
Como a terceira lei de Arthur C. Clark estipula:"Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia."
Nessa carta, a impressão 3D parece ser uma solução "mágica" para criar soluções de habitação de baixo custo - uma indústria que já está em alta. Realidade Virtual será, sem dúvida, uma grande coisa em 2017, visto que vários produtos estão programados para serem lançados nos próximos anos.
O símbolo do infinito encontrado acima do mago pode se referir às possibilidades ilimitadas de ambas as tecnologias: um pode criar infinitos mundos virtuais enquanto o outro pode expandir muito os limites dos recursos materiais”.
A Roda da Fortuna e a Estrela
Esta carta da Roda da Fortuna se refere-se às próximas eleições em três nações europeias: França, Alemanha e Holanda. Marine LePen, Angela Merkel e Geert Wilders estão ligados a uma roda giratória ao lado das cédulas eleitorais.
No tarot Rider-Waite, a Roda da Fortuna apresenta uma roda de oito raios - o Ciclo da Necessidade - um símbolo esotérico que se refere à natureza cíclica da vida.
O mundo da política também é cíclico e, de acordo com a The Economist, um sorridente Marine Le Pen está se dirigindo para o topo da roda, enquanto Merkel está de cabeça para baixo e se dirigindo para baixo. Para piorar as coisas, Merkel está ao lado da nuvem escura, enquanto Le Pen está sob um céu claro agradável. Merkel está indo em direção a uma derrota amarga? Será que a polêmica "política de portas abertas", que permitiu a entrada de mais de um milhão de refugiados na Alemanha nos últimos anos, vai fazê-la perder?
De forma inversa, será que Le Pen lucrará com o ímpeto nacionalista iniciado por Brexit e a eleição de Trump? Será que a França se tornará um outro poderoso país governado pela "extrema-direita" e pelo nacionalismo? Embora o partido político de Le Pen, Le Front National, costumava ser evitado e descrito como racista, ele poder ganhar legitimidade política em 2017.
Embora aqueles que rejeitam o globalismo possam perceber essa mudança no  cenário político como uma vitória, o simbolismo dessa carta parece dizer: "Tudo faz parte do plano". Na verdade, os partidos políticos, quer sejam "de extrema-direita" ou "de extrema-esquerda", fazem parte da mesma roda sempre giratória, o "ciclo de necessidade" é que coloca no poder quem quer que seja necessário nesse momento específico. Em outras palavras, a dinâmica do nacionalismo pode ser planejada pela elite para atingir metas específicas”.
Roda da Fortuna e Estrela nas cartas da revista The Economist
A Roda da Fortuna e a Estrela
Cartas redesenhadas pela revista The Economist
“No tarot, a carta Estrela representa alegria, otimismo e sentimento conectado com o divino. Na versão da The Economist, os rostos de 15 jovens aparecem dentro de estrelas amarelas. Eu não consegui identificar nenhum desses rostos. Alguns deles parecem estar no início da adolescência.
Quem são esses jovens específicos? Serão estrelas em ascensão em 2017? Por que há uma estrela cadente no centro? Carta estranha.
Conclusão
O tarot é conhecido por todos, mas esconde, à vista, o conhecimento que foi escondido do "profano" por séculos. A capa da The Economist tem o mesmo objetivo: é publicada em todo o mundo, mas seu verdadeiro significado só será plenamente compreendido por poucos.
A capa foi fortemente inspirada pelo tarot criado por A.E Waite, um proeminente ocultista e fundador de sociedades secretas. Referindo-se a essas cartas em específico e usando seu simbolismo hermético, a The Economist está apontando para a verdadeira filosofia daqueles que governam o mundo.
Como o tarot, "O Mundo em 2017" prevê várias tendências que virão enquanto escondem, por meio de simbolismo, os mecanismos verdadeiros que estão acontecendo. Na verdade, várias dessas cartas implicam a existência de uma "mão escondida", uma força externa que não se limita a observar o que está acontecendo - ela está guiando silenciosamente o mundo para onde ele precisa ir.
Edição: CKR – 11/08/2017
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2016 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil