Home page

21 de abril de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


Retrospectiva 2013 e Perspectivas 2014
O arcano VI. Os Enamorados como base para o arcano VII. O Carro
Harah Nahuz
 
(Carla Daniela Balenzuella Nunes)
2013 fez de nós transeuntes na guia. Fomos todos pedestres. A cada passo nossos pés foram obrigados a carregar além de nosso peso, o peso de nossa bagagem e somado o fato de que não estivemos sozinhos na caminhada e isso implica em ajustar o ritmo com aqueles que estão ao nosso lado, a nossa frente e aqueles que estão logo atrás.
2014/2014
 
Cansa só de pensar. E esse cansaço tende a levar a um pensamento equivocado de que o “excesso de bagagem” e o caminhar do outro é o que nos atrasa. A solução se faz clara: diminuir a carga e imprimir meu ritmo próprio e quem puder me alcance. Será?
Tudo o que carregamos conosco, carregamos por algum motivo. E quando estamos prontos para descartar algo, simplesmente descartamos sem grandes dramas e nostalgias.
Ambicionar outro tipo de companhia é uma pretensão que não nos cabe, pois nossos pés nos trouxeram exatamente onde precisamos estar e dentro do ritmo que nos é possível. Veja: se a tônica do arcano que regeu 2013 fala de pluralidade de caminhos e pessoas, de que forma o centro poderia ser uma escolha focada no individual?
Aquele que viveu esse 2013 dos enamorados movido de palavras – chave (leia –se chavão) de Enamorados = escolha, provavelmente finaliza esse ano com uma sensação vazia e frustrada. Parafraseando Nando Reis:
 
Desculpe,
Estou um pouco atrasado
Mas espero que ainda dê tempo
De dizer que andei
Errado e eu entendo.
As suas queixas tão justificáveis
E a falta que eu fiz nessa semana
Coisas que pareceriam óbvias
Até pra uma criança.
Por onde andei
Enquanto você me procurava?
Será que eu sei
Que você é mesmo
Tudo aquilo que me faltava?
Curiosamente, o vídeo em que Nando Reis apresenta
"Por Onde Andei" tem como pano de fundo a imagem de
uma estrada: www.youtube.com/watch?v=0H5y-GDTrHc
Proponho esta analogia não no sentido emocional-romântico, mas sim no de auto-questionamento quando se constata que abandonamos o principal.
E não se atribui somente á figura central do arcano, já que verdadeiramente não conhecemos o contexto dessa trajetória. A mulher à esquerda, a da direita, o anjo e a figura central: como saber quem pede desculpas, quem andou errado, quem estava em falta e quem procurava? Na verdade todos cantam em uníssono a mesma canção. E é aí que reside o verdadeiro desafio do arcano.
Os Namorados no Tarô de Marselha Camoin       O Carro no Tarô de Marselha Camoin
Os Enamorados e o Carro no Tarô de Marselha-Camoin
Nunca se tratou de escolher um lado, uma pessoa, um caminho ou objetivo: a essência do aprendizado é reconhecer que nossa unidade se fragmenta em tudo aquilo que nos cerca e é preciso reunir essas partes e fazer delas a nossa propulsão.
Isso fica muito claro quando comparamos o arcano regente do ano que passou e o arcano que rege o ano que se inicia: perceba que todos os elementos do primeiro estão inseridos no segundo. A orientação espiritual representada pelo anjo se materializa na forma de coroa e arrisco supor que a flecha após atingir o alvo foi novamente forjada transformando-se em cetro. Numa espécie de “estágio” para o arcano da Força, vemos as mulheres dissolvendo sua forma humana até que se manifeste anima/animus.
E agora é possível pensar no que foi dito sob uma nova perspectiva: tudo o que carregamos conosco, carregamos por algum motivo. Quando estamos prontos para descartar algo, simplesmente descartamos sem grandes dramas e nostalgias.
Ambicionar outro tipo de companhia é uma pretensão que não nos cabe, pois nossos pés nos trouxeram exatamente onde precisamos estar e dentro do ritmo que nos é possível. Não é uma filosofia de acomodação e aceitação do carma, ao contrário: é aprender com a natureza criar combustível a partir de nossos próprios fósseis.
Centrar a escolha apenas entre uma ou outra figura nos faria um simples cavaleiro. Nos amputaríamos e mais adiante saberíamos disso quando a sensação de termos sido roubados mascarasse nosso livre arbítrio utilizado erroneamente por uma consciência limitada. E novamente parafraseando Nando Reis:
 
Amor eu sinto a sua falta
E a falta, é a morte da esperança
Como um dia que roubaram o seu carro
Deixou uma lembrança.
Se a esperança está morta no hoje irremediavelmente a buscaremos no ontem, pois sem esperança não existimos. O problema é que não basta “existir” estamos aqui para viver ! Um carro pressupõe movimento.
O ano de 2014
Desdobro o número 2014 em dois arcanos: 20 - O Julgamento e 14. A Temperança.
A Temperança no Tarô de Marselha Camoin       O Julgamento no Tarô de Marselha Camoin
O Julgamento e a Temperança no Tarô de Marselha-Camoin
No arcano XX. O Julgamento, a tríade originada nos Enamorados, transformada no Carro, atravessa todos os outros ciclos até ser despertada em sua essência que nunca perece: o eterno.
No arcano XIIII. A Temperança, o Anjo que literalmente vem depois do XIII. A Morte é o que nos ensina que as águas ao se misturarem, se tornam uma só. E a vida, aliás, a VIDA, se revela como algo muito maior quando vista e vivida através do simples, como na música de Nando Reis:
 
Que a vida é mesmo
Coisa muito frágil
Uma bobagem
Uma irrelevância
Diante da eternidade
Do amor de quem se ama.
Lancemos um olhar diferente sobre nós mesmos e tudo o que vivemos até hoje. Um olhar de amor e aceitação.O amor de quem se ama hoje mesmo de forma incondicional. Que possamos assumir o nosso caminho. Seja por terra, água ou ar, sempre haverá um veículo correspondente.
O fogo é o nosso espírito unificado. Temos exatamente o que precisamos para atravessar o caminho que nos leva aonde o que já somos se materializará.
Sejamos o que nos move e movamos o que somos.
Contato com a autora:
Harah Nahuz (Carla Daniela Balenzuella Nunes) é taróloga,
psicoterapeuta holística, professora de dança do ventre:
www.diariodacartomante.blogspot.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: CKR – dez.2013
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil