Home page

17 de outubro de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


Jardim x Colheita. O Baralho Cigano e os Orixás
Alexsander Lepletier
 
Este texto não pretende “derrubar” nenhuma “ideia errada”, apenas acrescentar e gerar uma discussão saudável que nos faça refletir sobre a diversidade e a pluralidade do baralho cigano para que possamos conciliar os conflitos que surgem nos seus estudos e que geram muita confusão. A ideia é acrescentar e compreender.
Para um melhor entendimento é necessário que saibamos que existem suas formas distintas de estudo do baralho cigano: as escolas brasileira e europeia. A europeia baseia-se nos significados cartomânticos tradicionais que tem como base o imaginário popular local e o simbolismo cristão. Os símbolos são representações de situações cotidianas e mundanas
Sincretismo do baralho cigano e orixás
No sincretismo brasileiro, exemplos do baralho cigano (Lenormand) e os orixás da tradição afro
Imagem encaminhada pelo Autor do texto
A escola brasileira nasce do sincretismo desses mesmos símbolos com elementos religiosos e mitológicos das culturas afro-brasileiras. Isso gerou uma releitura das imagens e uma ressignificação das mesmas caracterizando um novo corpo de ideias que, muitas vezes, opõem-se à sua proposta original. A escola brasileira é exclusiva do nosso país e só é utilizada e observada aqui. O resto do mundo adota a escola europeia. Em contra partida somos o país que mais popularizou e usa o baralho cigano.
A carta do Jardim (20 ou Oito de Espadas) me chamou atenção e passei a noite toda pensando nela. Quando estudamos veremos que entre outras coisas, a escola brasileira apresenta-a como sendo a “semeadura e a colheita do que se plantou”. Também ”a cura e magia das plantas”.
20. Jardim, o Oito de Espadas no tarô Lenormand ou "Cigano"
20. Jardim ou Oito de Espadas
Tarot Petit Lenormand - AGMüller
 
Esse significado nasce a partir da associação com o orixá Ossaim e por esse caminho faz todo o sentido uma vez que ele é o orixá das folhas, da ciência, das ervas e da cura. Agora, esses atributos entram em choque com o que um jardim realmente significa, principalmente, o jardim que o baralho cigano apresenta.
Uma grande confusão se faz quando um significado que não é natural a um símbolo é atribuído a ele. Como exemplo, temos os paus, pedras e dificuldades, significado da carta dois, o trevo, na escola brasileira. Como um símbolo universal de sorte pode agregar um sentido diametralmente oposto ao seu? Não dá. Tanto que os baralhos como o da Katja Bastos, o primeiro baralho nacional a partir do qual nasce a escola brasileira, sua simbologia é readequada, eliminando-se o trevo e apresentando paus, pedras e espinhos.
Apenas para sugerir uma reflexão, o que se atribui aos jardins não faz parte dele. Quando se fala em “colheita” é de uma plantação a que estamos nos referindo. Os jardins não tem função de alimentar, prover ou sequer de se colher algo para propósitos que não sejam no mínimo estéticos, o que nada tem a ver com cura.
Os jardins representados no baralho cigano original são os jardins públicos, que são mais como praças e os parques. O seu nome em alemão não é “der Garten” – jardim, mas “der Park”, o parque.  O que se representa aqui é um elemento de convívio essencial da realidade europeia do século XIX. Não podemos pensar em símbolos antigos como são vistos hoje. Parques e jardins públicos eram lugares para lazer, descontração, encontros, namoros e socialização. Um lugar onde havia um fluxo de pessoas  que se olhavam, se mostravam e ao mesmo tempo admiravam aquele local onde a natureza era reconstruída para trazer beleza e deslumbre através de suas flores multicoloridas e construções vivas como cercas, esculturas em arbustos e labirintos. As pessoas não iam para se curar, mas para relaxar, alegrarem-se, socializar e relacionarem-se.  A fonte em seu centro representa a vida onde tudo cresce a sua volta. A ideia é ser uma fuga da dura realidade e pretendia ser  um pequeno paraíso.
Ao fim, a carta traz em si um sentido relacional, estético e de entretenimento em essência.
Mas, então e a semeadura, a cura e as folhas e ervas? Pois é. Se pensarmos nesse sentido, a partir dessas qualidades do Orixá Ossaim iremos para a carta cinco do nosso baralho, a árvore. Porém, ela já está associada ao Orixá Oxossi, senhor das matas.
Um símbolo tem a capacidade de agregar muitos significados. Ele é estratificado e agregador, contendo em si, até mesmo, elementos que são divergentes na realidade. Um círculo tanto nos remete a uma bala de canhão como a uma aliança de casamento.
Sim a árvore traz a fartura e é o elemento de Oxossi! Mas, também representa a saúde e as folhas e as ervas medicinais de Ossaim. Ambos cabem aqui. Oxossi não representa a mata em si, mas o caçador. Ossaim é senhor das ervas e reina na mata de onde retira as ervas e folhas para suas curas. Segundo uma das lendas dos orixás,  Oxóssi só passa a habitar nas matas depois de seu rapto por Ossaim que o encanta e aprisiona na floresta sendo mais tarde libertado e quando retorna à casa é rejeitado por Yemanjá por tê-la desobedecido. Então, retorna à floresta onde passa a viver com Ossaim.
O que pretendo com essa reflexão não é alterar o significado das cartas, pois como disse, a escola brasileira teve de fazer readequações no simbolismo do baralho para que ele pudesse e receber e comportar os seus elementos religiosos. Essas observações são necessárias para entendermos como nasce a escola brasileira e para explicarmos, com propriedade, como essas mudanças e adaptações aconteceram.
 
5. A Árvore (ou Sete de Copas) no baralho Petit Lenormand ou Baralho "Cigano"
5. A Árvore ou Sete de Copas
Baralho Petit Lenormand ou Cigano, como é conhecido no Brasil.
Editora AGMüller
Não podemos forçar sentidos a símbolos aos quais eles não pertencem. Jardins não feitos para colheitas, nem representam frutos que dão com as sementes que plantamos, pois eles são planejados e tem função estética. A árvore é um símbolo universal de cura e saúde, das ervas e também da fartura e da abundância. No próprio baralho, na escola europeia é ela a significadora da saúde.
O sistema de associação proposto pela escola brasileira é perfeito! Agrega bem os orixás e quando aplicado o método desenvolvido por Katja Bastos, acrescenta e enriquece por demais uma leitura. Então, quando associamos Ossaim aos jardins não por ele os reger, mas porque ele precisa estar em algum lugar e, por convenção, é a carta 20 que o comporta na estrutura brasileira.
Nada mudou ou mudará, apenas precisamos entender o que estamos falando para não incorrer em erros desnecessários que gerarão conflito e desinformação.
Infelizmente, principalmente no meio esotérico, falta questionamento. Aceita-se tudo que é apresentado sem se perguntar de onde veio aquela ideia ou se ela é coerente e entra-se no “efeito papagaio”. Repete-se tudo o que se houve sem se saber o que está sendo dito.
Nesse momento a reflexão e o questionamento são essenciais para o desenvolvimento do conhecimento e dos estudos sobre o baralho cigano. As diferenças entre as escolas brasileira e europeia e o seu estudo constituem um norte em e meio ao caos que é mergulhar nos estudos do baralho. E com isso também definimos a nossa contribuição inestimável para a história do petit Lenormand no mundo.
 
Fontes:
Mitologia dos Orixás. Reginaldo Pandri. Companhia das Letras
Significados do baralho cigano: www.carmenarabelabp.wordpress.com
 
fevereiro.13
Contato com o autor:
Alexsander Lepletier - tarólogo, oferece consultas e cursos no
Rio de Janeiro e pela Internet. (21) 8894 8263 - www.lenormando.blogspot.com
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil