Home page

23 de outubro de 2017

Responsável: Constantino K. Riemma


O Baralho Cigano e seu imaginário
Compilação de
Constantino K. Riemma
Antes de os ciganos começarem a instalar seus acampamentos pelo centro-oeste da Europa, em meados do século XV, nobres e ricos de origem italiana e francesa já encomendavam aos artistas de seu tempo, a peso de ouro, coleções das 78 cartas, que hoje conhecemos por Tarô.
Os ciganos, porém, associaram seu nome às cartas de jogar. A razão para isso é as mulheres ciganas incluirem entre suas habilidades a leitura de sorte, em especial a quiromancia, a predição pelas linhas das mãos. Para o nômade, que carrega poucos pertences, é um recurso prático: não exige instrumentos especiais nem providências complicadas. Basta a palma da mão do consulente.
À medida que se desenvolveram as técnicas de impressão dos baralhos, os jogos se tornaram mais acessíveis e muitos ciganos passaram a utilizar as cartas para ler a sorte, já que são pequenas e simples de manejar.
Personagens, sim.
Não encontramos registros históricos que indiquem os ciganos como autores do baralho. Entre suas habilidades mais notáveis não se incluiam as artes plásticas, no sentido europeu do termo, nem as técnicas de impressão em papel. No entanto, cabem eles muito bem como personagens dos trunfos.
 
 
Peregrino de São Tiago de Compostela
 
Figuras bem conhecidas
na Idade Média

 
 
"Pilgrim", o Peregrino, vitral da Catedral de Canterbury, Inglaterra.
  Peregrino de São Tiago
de Compostela
  "Pilgrim", vitral da
Catedral de Canterbury
  O Andarilho ou o Louco
"O Filho Pródigo" - Bosch (1450-1516)
 
A figura do cigano, no cenário europeu do século XVI, pode ser mesclado à dos peregrinos, monges-viajantes, ambulantes, prestidigitadores, andarilhos e nômades. Espíritos inquietos, aventureiros, que não conseguem permanecer em suas comunidades de origens. Cabem todos eles, muito bem, como representantes do arcano sem número (0 ou 22) O Louco e do (1) O Mágico
    
 
"Bateleur" ou Prestidigitador num tarô francês.
 
"Bagattelliere", o Prestidigitador num tarô italiano;
 
"Conjurer" ou "Magician" um personagem popular muito próximo ao Mago do Tarô.
 
O Mago em dois tarôs antigos: Bateleur (francês), Bagattelliere (italiano); Magician (inglês)
À direita gravura (1851) de um mágico (conjurer) em plena performance.
O Louco e o Mago podem perfeitamente representar dois momentos do andarilho ou nômade, monge ou cigano. Na estrada: trouxa sobre os ombros. Nas feiras ou nas ruas montam o espaço de encenação, uma combinação fascinante de habilidades e manobras ocultas. É o mágico, hábil, astuto, enganador e muitas vezes trapaceiro.
São os saltimbancos, prestidigitadores, artistas, andarilhos e nômades de todas as espécies, a circularem de vila em vila, levando as novidades, sempre inventando artifícios para garantir a sobrevivência. Entre eles, os ciganos.
Não existem baralhos ciganos antigos
Mesmo pesquisando com toda paciência os livros disponíveis e a Internet não encontraremos exemplares históricos de  baralhos que pudessem ter sido criados ou impressos por ciganos.
A quase totalidade dos anúncios que vemos hoje nos sites e folhetos sobre tiragens e baralhos ciganos, utilizam na verdade as 36 cartas do baralho Petit Lenormand, uma simplificação que a cartomante francesa mandou redesenhar de apenas parte dos arcanos menores originais.
Sabemos, agora, que as 36 ilustrações que Lenormand adotou no seu baralho são cópias de um jogo de lazer editado na Alemanha por Johann Kaspar Hechtel (1771-1799). Trata-se de uma fonte que nada tem de esotérica ou cigana, como apresenta Alexsander Lepletier em O jogo de lazer que virou oráculo.
Apenas nas últimas décadas foram criados baralhos intitulados ciganos, que consistem, em sua quase totalidade, no redesenho de imagens ou em adaptações mais ou menos distanciadas das originais 36 cartas do Petit Lenormand, como pode ser conferido abaixo:    
    
Baralho russo, de 1988.
Baralho entitulado como Cigano, impresso nos EUA em 1898.
Um tarô impresso no Brasil evocando imagens ciganas.
  Baralho russo
Impresso em 1988
e 2ª ed. em 2000
  Baralho norte-americano
Impresso em Cincinati, Ohio
Ed. de 1989
  Baralho brasileiro
por Mirian Stanescon
e Antonio Akbar
 
Diante da profusão de jogos de baralhos readaptados e inventados nas últimas décadas, os temas ciganos são mais raros na Europa e um pouco mais comuns nas Américas. No entanto, boa parte das edições são regionais, difíceis de serem encontradas e adquiridas, mesmo com a ajuda da Internet.
Apenas um tarô europeu, redesenhado com motivos ciganos, foi bem divulgado: Zigeuner Tarot ou Gipsy Tarot Tsigane, de Walter Wegmüller. Ele deixou para trás o baralho de Lenormand, com 36 cartas, e reproduziu o tarô completo, com os 22 arcanos maiores e os 56 menores, como se mostra abaixo.
A Torre, A Lua e o Eremita no tarô do pintor boêmio Walter Wegmüller
Cartas do pintor boêmio Walter Wegmüller, executadas entre 1968 e 1974.
O autor do desenho mantém o layout do baralho europeu,
próximo ao de Oswald Wirth, como fica evidente nos exemplos acima.
O Dois de Ouros, o Cinco de Copas e o Quatro de Paus  no tarô do pintor boêmio Walter Wegmüller
No caso dos arcanos menores o pintor recria as cartas de modo mais pessoal,
em particular no caso das cartas numeradas de 2 a 5,
que foram suprimidas no Petit Lenormand.
Os Baralhos Ciganos brasileiros
Se procurarmos pela Internet será possível encontrar alguns baralhos designados ciganos. Quase sempre são reproduções do Petit Lenormand com ilustrações mais ou menos próximas do original francês. Mesmo os profissionais que anunciam cursos de Tarô Cigano, utilizam quase sempre como ilustrações as cartas do baralho Lenormand ou de suas adaptações.
Por outro lado, encontramos entre os usuários desses baralhos uma disposição psíquica para ligar as cartas com entidades ciganas, quer entre sensitivos sem uma filiação religiosa declarada, quer entre praticantes espíritas e de ritos afro. Trata-se de mais um exemplo de receptividade do astral brasileiro, expressão de sincretismo que vale a pena estudar mais.
Cigana das Sete Saias de Maria do Carmo da Hora   Cigana das Sete Saias de Maria do Caramo da Hora   Cigana Indiana de Maria do Carmo da Hora   Pai Casteliano Cigano de Joaquim Vilela
Cigana das Sete Saias (à esq.), Cigano Pablo e Cigana Indiana são pinturas mediúnicas de
Maria do Carmo da Hora;   Pai Casteliano Cigano (à dir.) é uma pintura de Joaquim Vilela
Fontes:   www.flogao.com.br/ciganinhas/profile   e   www.temploacaleno.webnode.com.br
Como é muito comum constatar no Brasil, o baralho pode funcionar como um simples instrumento de apoio, um suporte para os sensitivos e videntes exercerem seus dons. Nesses casos, o significado das cartas não seguem normas predeterminadas e dependem em grande parte do código pessoal do sensitivo ou médium.
Certamente, por esse Brasil afora, ainda existem muitas cartomantes – ciganas e não-ciganas – que, na falta de tarôs mais caros, continuam a utilizar as cartas do baralho comum. Manifestam talentos que não dependem necessariamente das publicações sofisticadas do tarô.
Estudos sobre o Petit Lenormand ou Baralho Cigano
  Tarô e Baralho Cigano - Semelhanças e Diferenças. Alexsander Lepletier apresenta de diferenças entre os dois jogos e indica suas aplicações similares : Baralho e Tarô  
  Mlle Lenormand: profetisa ou feiticeira? Capítulo Seis da obra A Wicked Pack of Cards – The Origins of the Occult Tarot, de Ronald Decker, Thierry Depaulis e Michael Dummet, traduzido por Alexsander Lepletier : A vida da famosa cartomante francesa  
  O Jogo da Esperança. Alexsander Lepletier relata a história do jogo de lazer que se transformou em oráculo popular, conhecido por Baralho Lenormand ou Baralho Cigano. Trabalho apresentado no I Encontro Carioca de Baralho Cigano : Um jogo que virou oráculo  
  Jardim x Colheita. Baralho Cigano e Orixás. Observações de Alexsander Lepletier sobre o baralho Lenormand na Europa e sua versão como Baralho Cigano no Brasil: O Jardim e a Árvore  
  O Baralho Lenormand - Baralho Cigano. Breve resenha de Constantino K. Riemma sobre o trabalho e os baralhos da quiromante e cartomante francesa Mlle. Lenormand:  Lenormand  
  Significado das cartas. Geraldo Spacassassi dá uma ajuda aos iniciantes do Baralho Cigano-Lenormand com resumos de seu livro:  Baralho Petit Lenormand - Teoria & Prática
 
  Reprodução das cartas. A exposição completa das 36 cartas do Baralho Lenormand pode ser visitada na: Galeria
 
  Exemplos de significados das cartas. Reprodução integral de três capítulos do livro Baralho Petit Lenormand - Teoria & Prática do tarólogo Geraldo Spacassi: Carta 28 - Cavalheiro / Ás de Copas; Carta 20 - Jardim / 8 de Espadas; Carta 7 - Serpente / Rainha de Paus  
Versões brasileiras do Baralho Cigano ou Petit Lenormand
  Gitano Petit Lenormand, baralho de Nádia Oliveira ilustrado por Marcel Mello, publicado em 2007 pelo Centro Cultural Esotérico - São Paulo.
 
Estudos sobre o povo cigano e suas práticas mânticas
  Ciganos: os intocáveis: informações históricas sobre esse povo nômade (Conhecer).
 
  A cultura cigana : Sarani Barrios, cigana de origem Dohm, relata suas experiências de vida em comunidade. O texto reune entrevista dada para Bete Torii e exemplos durante os cursos de tarô.
 
  A prática cigana com as cartas : Registro dos cursos ministrados por Sarani Barrios sobre a utilização dos arcanos de acordo com a experiência viva do povo cigano.
 
  Slide-show com pinturas e gravuras que retratam cartomantes e ledoras de sorte. Resultado de uma pesquisa de obras de arte, feita com intuito de ilustrar o tema e ressaltar a aura mágica que cerca a cartomancia em geral e as práticas ciganas em particular. Corroboram o ponto de vista que sustenta o Tarot como anterior à chegada dos ciganos na Europa : Ler a sorte
 
Atualizado: maio.15
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2016 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil