Home page

23 de agosto de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


  ARCANOS MAIORES / O Conjunto - Estudos Clássicos < voltar  
  1. Os Fundamentos | 2. A literatura | 3. As combinações | 4. O pares de cartas  
O simbolismo do Tarô
3. As combinações dos Arcanos Maiores
P. D. Ouspensky
 
    Examinando as 22 cartas do Tarô em diferentes combinações e tentando estabelecer relações possíveis e permanentes existentes entre elas, verificamos que é possível dispor as cartas aos pares, a primeira com a última, a segunda com a penúltima, e assim por diante. E vemos que, ao dispô-las desse modo, as cartas adquirem um significado muito interessante.
    A possibilidade de tal disposição das cartas do Tarô é demonstrada pela ordem dos quadros do Tarô na galeria do "templo de iniciação" mítico, de que fala Christian.
    As cartas são dispostas assim:
 
1-0
2-21
 
3-20
4-19
 
5-18
6-17
 
7-16
8-15
 
9-14
10-13
 
11-12
 
    Dispostas dessa maneira, uma carta explica a outra e, o que é mais importante, mostra que elas só podem ser explicadas juntas e nunca separadamente (como no caso das cartas 1 e 0).
    Estudando esses pares de cartas, o intelecto se acostuma a ver a unidade na dualidade.
  1. O Prestidigitador (ou O Mago)
2. A Grande Sacerdotisa
3. A Imperatriz
4. O Imperador
5. O Hierofante (ou O Papa)
6. Tentação (ou O Enamorado)
7. O Carro
8. Justiça
9. O Eremita
10. A Roda da Fortuna
11. A Força
  12. O Enforcado
13. A Morte
14. Tempo (ou A Temperança)
15. O Diabo
16. A Torre
17. A Estrela
18. A Lua
19. O Sol
20. O Julgamento
21. O Mundo
O. O Louco
 
    A primeira carta, "O Prestidigitador" (ou O Mago), representa o Super-homem, ou a humanidade como um todo, ligando terra e céu. Seu oposto é "O Louco", carta 0. Esse é um homem individual, o homem fraco. As duas cartas juntas representam os dois pólos, o começo e o fim.
    A segunda carta, "A Grande Sacerdotisa", é Ísis ou o Conhecimento Oculto. Seu oposto é a carta 21, "O Mundo" no círculo do Tempo, no meio dos quatro princípios, isto é, o objeto do conhecimento.
    A terceira carta, "A Imperatriz", é a Natureza. Seu oposto é a carta 20, "O Dia do Juízo" ou "A Ressurreição dos Mortos". Isso é a Natureza, sua eterna atividade regeneradora e vivificadora.
    A quarta carta, "O Imperador", é a Lei de Quatro, o princípio da sustentação da vida, e o seu oposto é a carta 19, "O Sol", como a expressão real dessa lei e a fonte visível da vida.
    A quinta carta, "O Hierofante" (ou O Papa), é a Religião, e seu oposto é a carta 18, "A Lua", que pode ser entendida como o princípio oposto, hostil à religião, ou como "Astrologia", isto é, como a base da religião. Em algumas cartas do antigo Tarô, em lugar do lobo e do cão há, na décima oitava carta, uma figura de dois homens realizando observações astronômicas.
    A sexta carta, "Tentação" (Enamorado) ou o Amor, é o lado emocional da vida, e a carta 17, "A Estrela" (O Mundo Astral) é o lado emocional da Natureza.
    A sétima carta, "O Carro", é a Magia no sentido de conhecimento incompleto, no sentido de "casa construída sobre a areia", e seu oposto, a carta 16, "A Torre", é a queda que se segue inevitavelmente a uma ascensão artificial.
    A oitava carta, "Justiça", é a Verdade, e a carta 15, "O Diabo", é a Mentira.
    A nona carta, "O Eremita", é a sabedoria ou conhecimento e a busca do conhecimento, e a carta 14, "Tempo" (ou Temperança), é a matéria do conhecimento ou o que se conquista pelo conhecimento ou o que serve de medida do conhecimento. Enquanto o homem não compreende o tempo, ou enquanto o conhecimento do homem não muda em relação ao tempo, seu conhecimento não vale nada. Além disso, o primeiro significado da carta 14, "Temperança", indica o comando de si, ou o controle das emoções como a condição necessária da "sabedoria".
    A décima carta é "A Roda da Fortuna" e seu oposto é a carta 15, "Morte". Vida e morte são uma só. A morte indica somente a volta da roda da vida.
    A décima primeira carta é "A Força" e seu oposto é a carta 12, "O Enforcado", o Sacrifício, isto é, o que dá força. Quanto maior o sacrifício do homem, maior será sua força. A força é proporcional ao sacrifício. Aquele que pode sacrificar tudo, pode fazer tudo.
    Tendo estabelecido aproximadamente essas correspondências, é interessante tentar redesenhar as cartas do Tarô em descrições, imaginando-as com o significado que deviam ter: noutras palavras, imaginando simplesmente o que elas podem significar.
    Os "quadros do Tarô" que se seguem são, em muitos casos, o resultado de uma compreensão puramente subjetiva, por exemplo, a décima oitava carta. A mesma carta, como foi mencionado antes, tem, em alguns Tarôs antigos o significado de "Astrologia". E, nesse caso, sua relação com a quinta carta é completamente diferente. (Considero necessário assinalar que, em 1911, quando escrevi O Simbolismo do Tarô, tinha o baralho inglês moderno do Tarô, que foi redesenhado e, em muitos casos, alterado de acordo com a interpretação teosófica. Só em alguns casos, em que as alterações me pareceram inteiramente infundadas e deturpando a idéia, como por exemplo na carta O (O Louco), usei o Tarô de Oswald Wirth como aparece no livro de Papus, Le tarot des bohémiens. Mais tarde reescrevi algumas de minhas descrições de acordo com as antigas cartas e com o Tarô de Oswald Wirth).
    Em seguida, continuando a examinar os possíveis significados do baralho do Tarô, é necessário dizer que, em muitos dos livros já mencionados, 21 cartas dos 22 Arcanos Maiores são consideradas como uma trindade ou como um triângulo, do qual cada lado é formado por sete cartas. Cada uma das três partes da obra de Guaïta é dedicada a um dos três lados do triângulo e, nesse caso, como em muitos outros, as sete são consideradas em ordem de 1 a 22 (isto é, a O).
    Mas o fato é que os triângulos construídos desse modo, embora inteiramente precisos numericamente, não têm nenhum significado do ponto de vista simbólico. Isso quer dizer que eles são inteiramente heterogêneos relativamente aos quadros. Em nenhum dos lados do triângulo, os quadros representam qualquer coisa completa e relacionada, mas aparecem em combinações inteiramente fortuitas.
    Podemos chegar à conclusão de que os quadros devem ser considerados de acordo com o seu significado e não de acordo com a ordem no baralho. Em outras palavras, as cartas que estão próximas uma da outra no baralho podem não ter relação nenhuma de significado.
    E assim, examinando o significado das cartas do Tarô, conforme revelado nas "descrições", podemos ver que as 22 cartas entram em três grupos de sete, cada um homogêneo em si mesmo relativamente ao significado dos quadros, mais uma carta que é o resultado de todos os três grupos de sete; e essa carta pode ser ou o O ou o 21.
    Nesses três grupos de sete, que não podem ser encontrados pelos números e devem ser procurados no significado dos símbolos, há novamente a doutrina secreta (ou uma tentativa de uma doutrina secreta), cuja expressão é o Tarô. De acordo com isso, os "Arcanos Maiores" contêm em si mesmos a mesma divisão que o Tarô completo, isto é, os "Arcanos Maiores" também são divididos em Deus, Homem e Universo.
    Um grupo de sete se refere ao Homem. Outro grupo se refere à Natureza. E o terceiro refere-se ao mundo das idéias (isto é, a Deus ou ao Espírito).
    Os primeiros sete — Homem: O “Prestidigitador” ou "Mágico" (Adam Kadmon), humanidade ou Super-homem; o "Louco" (homem individual); "Tentação" (amor), espécie humana; o "Diabo" (a queda); a "Carroça" (a busca ilusória); o "Eremita" (a busca real); o "Enforcado" (realização). Cartas 1, 0, 6, 15, 7, 9, 12.
    O segundo grupo de sete — Universo: O Sol, a Lua, a Estrela, o Farol (a Torre), a Ressurreição dos Mortos, Vida e Morte. Cartas 19, 18, 17, 16, 20, 10, 13.
    O terceiro grupo de sete — Deus: A Grande Sacerdotisa (conhecimento); a Imperatriz (poder criador); o Imperador (os quatro elementos); o Hierofante (religião); Tempo (eternidade); Força (amor, união e infinito), Verdade. Cartas 2, 3, 4, 5, 14, 11, 8.
    O primeiro grupo de sete representa os sete passos do caminho do homem considerado no tempo, ou as sete faces do homem que coexistem nele, as sete faces expressas nas mudanças da personalidade do homem — as últimas, se consideradas no sentido místico da doutrina secreta do Tarô.
    O segundo e o terceiro grupos de sete — o Universo e o Mundo das Idéias ou Deus — representam, cada um separadamente e também em combinação com o primeiro, um vasto campo de estudo. Cada um dos sete quadros simbólicos que se refere ao Universo relaciona, de certo modo, o homem com o mundo das idéias. E cada uma das sete idéias relaciona, de certo modo, o homem com o Universo.
    Nenhum dos três grupos de sete inclui a vigésima primeira carta, "O Mundo", que nesse caso contém em si mesma todas as 21 cartas, isto é, o triângulo completo.
    Agora, se construirmos um triângulo com cada lado formado por um dos grupos de sete, e colocarmos a 21 cartas no centro e arrumarmos os quatro naipes num quadrado em volta do triângulo, a interrelação entre o quadrado, o triângulo e o ponto se tornará ainda mais clara.
O naipe de espadas
O naipe de copas
 
Os três grupos de arcanos maiores
 
O naipe de ouros
O naipes de paus
    Quando colocamos a carta O, no centro, tivemos que usar uma certa interpretação figurada, dizendo que o mundo está contido na mente do homem. Mas agora obtemos o Mundo também no centro: a 21ª carta igual ao triângulo e ao quadrado considerados juntos. O mundo está no círculo do tempo, entre os quatro princípios (ou quatro elementos), representados pelas quatro bestas do Apocalipse. O quadrado também representa o mundo (ou os quatro elementos em que o mundo consiste).
    Em conclusão, é interessante citar algumas especulações curiosas do livro Le tarot des bohémiens referentes à origem de outros jogos nossos conhecidos: xadrez, dominós e outros, e também uma lenda sobre a origem do Tarô.
    "O Tarô compõe-se de números e figuras que reagem mutuamente e se explicam entre si", escreve o autor de O Tarô dos Boêmios (Le tarot des bohémiens, de Papus).
    "Mas se separarmos as figuras e as arrumarmos sobre o papel em forma de roda, movendo os números na ordem dos dados, produziremos o Jogo do Ganso, com que Ulisses, segundo Homero, trapaceava sob as paredes de Tróia.
    Se fixamos os números em quadrados pretos e brancos alternados, e permitimos que as figuras menores de nosso jogo se movam neles — o Rei, a Rainha, o Cavaleiro, o Bobo ou Valete, a Torre ou Ás — temos o Jogo de Xadrez. De fato, os primitivos tabuleiros de xadrez possuíam números, e os filósofos os usavam para resolver problemas de lógica.
    Se deixamos de lado as figuras e nos limitamos ao uso dos números, aparece o Jogo de Dados; e, se nos cansamos de lançar os dados, podemos imprimir os caracteres em placas horizontais e criar o Jogo de Dominós.
    Do mesmo modo, o xadrez degenerou no Jogo de Damas.
    Finalmente, nosso baralho de cartas, em vez de aparecer inicialmente no reinado de Carlos VI, conforme o relato comum, é de origem muito mais antiga. As normas espanholas existiam muito antes desse rei, proibindo aos nobres jogar cartas, e o próprio Tarô é de origem muito antiga.
    Os cetros do Tarô tornaram-se paus; as taças, copas; os sabres, espadas e os pentagramas ou moedas, ouros. Também perdemos as vinte e duas figuras simbólicas e os quatro Cavaleiros."
    No mesmo livro, Papus conta uma história, provavelmente inventada por ele, sobre a origem do Tarô:
    "Seguiu-se um tempo em que o Egito, não sendo mais capaz de lutar contra os invasores, preparou-se para perecer honradamente. Assim os sábios egípcios (pelo menos é o que assevera meu misterioso informante) realizaram uma grande assembléia para resolver como o conhecimento, que até aquela data havia sido guardado para os homens considerados dignos de recebê-lo, deveria ser salvo da destruição.
    De início pensaram em confiar esses segredos a homens virtuosos recrutados secretamente pelos próprios iniciados, que os transmitiriam de geração em geração.
    Mas um sacerdote, observando que a virtude é uma coisa muito frágil e muito difícil de encontrar, em todos os acontecimentos de uma linha contínua, propôs confiar as tradições científicas ao vício.
    Este último, disse ele, nunca desapareceria completamente, e através dele estamos seguros de uma longa e durável preservação de nossos princípios.
    Essa opinião foi evidentemente adotada, e foi escolhido o jogo como vício. Então as pequenas placas foram gravadas com as figuras misteriosas, que ensinavam primitivamente os segredos científicos mais importantes, e, desde então, os jogadores transmitiram esse Tarô de geração em geração, muito melhor do que o teriam feito os homens mais virtuosos da Terra."
    Essas fantasias do "ocultista" francês poderiam ser interessantes, se ele não simulasse um conhecimento esotérico. Mas é claro que elas não contêm nada de histórico e eu as cito aqui porque expressam bem o sentimento geral suscitado pelo Tarô e a idéia de sua origem incompreensível.
fev.09
Para continuar, clique nos links abaixo: 1. Os fundamentos ou 2. A literatura ou 4. Os pares de cartas
 
  1. Os fundamentos | 2. A literatura | 3. As combinações | 4. O pares de cartas  
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil