Home page

20 de junho de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


O caminho do amor
As Cartas de Copas no Tarô Mitológico
Titi Vidal
 
O naipe de Copas simboliza o mundo das emoções, dos sentimentos e também fala sobre relacionamentos. Não à toa, no Tarô Mitológico de Liz Greene e Juliet Sharman-Burke o mito que ajuda a compreender melhor o significado das Copas é a bela história de Eros e Psique e todo caminho que tiveram que percorrer antes de um final feliz.
O amor, ou qualquer outro sentimento, brota com o Ás de Copas. Esta carta simboliza a semente, o potencial para que um amor possa nascer. Num jogo, pode falar do começo de uma relação ou do início de qualquer coisa que vai mexer com nossos sentimentos.
O Ás fala apenas dos nossos próprios sentimentos, pois somente no Dois de Copas uma relação se forma: há um par, ambos apaixonados e envolvidos. Eros se apaixona por Psique nesse 2 e aqui um amor tem início.
Ás de Copas no Tarô Mitológico  Dois de Copas no Tarô Mitológico  Três de Copas no Tarô Mitológico  Quatro de Copas no Tarô Mitológico
Cartas de Copas no Tarô Mitológico
Por Juliet Sharman-Burke e Liz Greene. Desenhado por Tricia Newell
No Três de Copas estão juntos, felizes, celebrando esse namoro que começou. É tempo de festa, alegria, prazer. É hora de celebrar juntos, de viver conhecendo o outro e curtindo os bons momentos que podem ser vividos em conjunto.
Depois dessa primeira fase, pode vir a fantasia, como nos mostra o Quatro de Copas. Aqui podemos sonhar, fantasiar, idealizar demais. Não vemos o outro como ele é, mas sim como sonhamos ou desejamos, como gostaríamos que fosse.
No Quatro de Copas, também podem surgir dúvidas, inseguranças, incertezas. Será que o outro é mesmo assim? Será que esse amor é mesmo verdadeiro? No mito, as irmãs de Psique questionam se o seu príncipe é mesmo encantado, já que ele nunca se mostrou a ela por inteiro. Apesar de tratá-la como princesa ou rainha, ela ainda não conhece sua essência. Essa é a fase da paixão, onde transformamos o outro em espelho e vemos com olhos apaixonados e fantasiosos.
Curiosa com as fofocas de suas irmãs, Psique decide ir além e conhecer seu amor, saber quem ele é de verdade. Assim, apesar do pedido de Eros, para que ela nunca quisesse vê-lo, Psique decide trair a confiança de seu amado. Na calada da noite acende uma vela e enfim conhece por inteiro o homem que está do seu lado. Para sua surpresa e encantamento, a verdade era mais bela que a fantasia: seu marido é  tão lindo que ela se apaixona por completo. Mas, neste mesmo momento, a vela o queima e ele, que acorda assustado, fica profundamente magoado porque sua bela Psique havia traído sua confiança.
Assim, o Cinco de Copas fala em confiança traída, em mágoas e tristezas profundas. Também a culpa pela desconfiança e pelo que poderia ter sido diferente. Há o sentimento de perda e a certeza de que agora algo se perdeu. Aqui, a incerteza sobre ter a pessoa que se ama de volta e a certeza de que o encantamento se desfez. A desolação pode ser tão grande e a dor tão profunda que fica difícil seguir adiante e podemos perder tempo demais lamentando pelo que já passou, mas este também pode ser o preço que se paga para sair da fantasia e conhecer a realidade. Quando conseguimos seguir adiante, começamos a refletir sobre como resgatar o que se perdeu, como recuperar o tempo perdido e como fazer diferente daqui por diante.
Cinco de Copas no Tarô Mitológico  Seis  de Copas no Tarô Mitológico  Sete de Copas no Tarô Mitológico  Oito de Copas no Tarô Mitológico
Cartas de Copas no Tarô Mitológico
Por Juliet Sharman-Burke e Liz Greene. Desenhado por Tricia Newell
No Seis de Copas, podemos tentar em vão resgatar o que já não existe mais, o que se tornou impossível, mas também podemos ter boas ideias sobre como recuperar o tempo perdido.
No Sete de Copas podemos pedir ajuda, podemos ir à luta. Podemos encontrar, dentro ou fora de nós, os recursos para seguir adiante. Porém, talvez tenhamos que ser humildes, contar com a sorte e conhecer os desafios que precisaremos enfrentar. No mito, Psique foi pedir ajuda à Afrodite, mãe de Eros, que era contra esse amor. Por ser contrária à essa união, Afrodite condiciona a felicidade do jovem casal às difíceis tarefas, quase impossíveis, que Psique deverá enfrentar.
No Oito de Copas, sabemos dos desafios que teremos que enfrentar, se quisermos viver esse amor. É hora de desistir, viver profundamente a dor da separação para superar. Ou, como fez Psique e como faz quem ama pra valer, é hora de se encher de coragem e ir à luta, sabendo que os desafios não serão fáceis. Precisaremos cumprir duras tarefas, como fez Psique. Temos que descer ao Hades, às profundezas de nossa alma, conhecer os segredos e mistérios mais profundos, correndo o risco de não saber ou poder voltar.
Nove de Copas no Tarô Mitológico   Dez de Copas no Tarô Mitológico
Tarô Mitológico de Juliet Sharman-Burke
e Liz Greene. Desenhado por Tricia Newell
 
No caso de Psique, as tarefas e desafios foram cumpridos por sua coragem e por toda a ajuda que recebeu dos Deuses, tão comovidos por sua vontade. Mas, acima de tudo, Psique cumpriu tudo isso por seu amor, tão puro, tão bonito, tão profundo, tão verdadeiro. O amor que vem da alma é capaz de enfrentar qualquer desafio e quando isso acontece, podemos resgatar aquilo que pensávamos ter perdido.
O Nove de Copas é 3 vezes o Três de Copas. É a hora do reencontro, mas agora num nível muito mais profundo e cheio de amor. Aqui, os corações estão juntos, Eros e Psique, alma e desejo se encontram para viver uma história de amor de verdade, livre de fantasias e ilusões. Se é mesmo assim, então o final feliz acontece...
E o Dez de Copas mostra que se o amor é verdadeiro, tudo é possível e podemos amar e ser amados dessa forma, tão bonita e recíproca. Tanto é que Eros e Psique foram felizes para sempre, assim como nós também podemos ser.
Contato com a autora:
Titi Vidal - www.titividal.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
Edição: ckr – setembro.13
Revisão: Ivana Mihanovich
 
Mais estudos sobre o Tarô Mitológico
  O Tarô Mitológico ou Tarô Mítico. Apresentação por Sonia Blota Belotti do tarô criado por Juliet Sharman-Burke e Liz Greene e desenhado por Tricia Newell: Tarô Mitológico
  Do Ás ao 10 de Paus no Tarô Mitológico. Geraldo Spacassassi faz um estudo didático das cartas do tarô mitológico e de sua equivalência no Baralho Lenormand: O naipe de paus
  Tarô Mitológico - relato pessoal. O tarólogo Geraldo Spacassassi conta a história do seu encontro com o tarô de Juliet Sharman-Burke e Liz Greene: O presente de um amigo
O livro O Tarô Mitológico com o jogo completo de 78 cartas pode ser adquirido
na loja virtual especializada em tarô e parceira do Clube do Tarô: www.simbolica.com.br
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil