Home page

16 de setembro de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


Curso de Tarô com Betoh Simonsen
    [< voltar]
8. A Justiça
 
    Uma dama sentada, com uma roupa vermelha, entre duas colunas, com uma balança de dois pratos em uma das mãos e uma espada na outra. Pode ser considerada uma carta que busca o equilíbrio e a integração de polaridades nas relações de todos os níveis.
 
8. A Justiça
[Tarot Balbi]
      Sempre que procuramos avaliar ou interagir com uma pessoa ou uma situação, o fazemos a partir de um sistema de crenças, de expectativas que alimentamos e daquilo que valorizamos. Esta modelagem ou programação pode ser considerada um dos pratos da balança em nosso arcano.
    A balança serve para medir e pesar e as balanças de dois pratos tinham em um dos lados, pesos que serviam como modelo e no outro era colocada a mercadoria avaliada, procurando chegar ao equilíbrio entre um e outro, procurando o justo, no sentido de ajustado ou sintonizado. Podemos nos lembrar também que na procura do equilíbrio às vezes se aumentava ou diminuía a mercadoria (atuação assertiva sobre nossas experiências, através de uma atuação limitadora ou liberizadora, conforme o caso) e em outras se modificava o peso (redimensionando nossas expectativas, nossos sistemas de valores ou nossa programação).
    No símbolo é a espada que processa estas diversas modificações, que simboliza nossa mente, nosso discernimento e nossos decretos. As colunas mostram que este trabalho se processa em diversos planos, como no nível físico, sexual, emocional e mental.
    Tive uma vez uma experiência que me ampliou bastante a idéia deste arcano: fui conduzir um trabalho, juntamente com outros profissionais, em uma chácara perto de São Paulo, ao lado de uma pedreira. Chegamos á noite, no dia anterior do inicio do trabalho. Não conseguia dormir; tinha a nítida sensação que havia serezinhos agitados e bem pequenos que não queriam me deixar em paz. De repente, ouvi nitidamente uma voz dizendo: Cuidado! Ele é um dos justos! O outro respondeu, satirizando-o: Só se for justo para os animais! Ficou claro para mim que não tinha me harmonizado com a energia da casa e que me consideravam uma espécie de invasor; e também que os justos bíblicos eram aqueles seres integrados e sintonizados, considerados a coluna do mundo.
    Os acordos e pactos são importantes para que possa haver boas trocas de energias, assim como a coragem de romper acordos que deixaram de ser justos, aceitando o preço do rompimento. Não por acaso, na oração do Cristo, clamamos ao Pai pela liberação de nossas dividas cármicas, assim como nos comprometemos a liberar a nossos devedores, desta forma nos livrando de miríades de laços que nos aprisionam, independentemente do lado que ocupamos. Sintetizando, a Justiça representa o equilíbrio, a justa medida em todas as relações e trocas de energias; até onde pode ir à liberdade e onde deve haver limites; até onde podemos ceder às expectativas e vontades dos outros em relação a nós e onde devemos ser firmes para que nosso espaço seja respeitado, da mesma forma que estaremos procurando respeitar os espaços dos outros. A maestria da força deste arcano é muito importante para que se estabeleçam as corretas relações humanas e planetárias, por mais difícil que seja.
    
Para continuar nos Arcanos Maiores com Betoh Simonsen escolha os links:
 
8
 
 
 
 
Contato com o autor
Betoh Simonsen
- betohsimonsen@uol.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
out.07
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil