Home page

16 de setembro de 2019

Responsável: Constantino K. Riemma


Curso de Tarô com Betoh Simonsen
    [< voltar]
10. A Roda da Fortuna
 
    A Roda da Fortuna mostra, em primeiro lugar, uma roda ou um círculo. É aquilo que gira e se movimenta, com seus altos e baixos, com suas diversas experiências relacionadas e um determinado tema de nossa vida. No início de cada processo muitas vezes não sabemos muito bem para onde estamos nos dirigindo. Muitas vezes cheios de esperanças e expectativas, mas também alimentando muitas ilusões. No período representado pela Roda da Fortuna, já não podemos alegar inocência.
 
10. A Roda da Fortuna
[Tarot Balbi]
      Muitas vezes ficamos presos a determinadas situações, com padrões de altos e baixos que se repetem inúmeras vezes. Podemos chamar este aspecto de círculo vicioso ou rodar em círculos. Acontecem em inúmeras situações, nos mais diversos tipos de relações. De outro lado, podemos observar também que temos círculos de amigos, as diversas formas de associações e agrupamentos, que podem ser entendidos como círculos ou, ainda, completar um processo em nossas vidas, quando encerramos ou realizamos alguma coisa depois de uma geralmente longa história. Podemos entender, ainda, um círculo como uma idéia de perfeição e equilíbrio, e a alquímica quadratura do círculo procuravam unir o transcendente com o mundano, à semelhança do trazer o reino dos céus à Terra dos templários.
    Quando aparece este arcano, podemos estar certos de que estamos em um momento de conclusão.
    Será que encontramos o que esperávamos e, por isso, nos sentimos realizados e dispostos a continuar neste caminho? Ou será que perseguíamos uma ilusão, um fogo-fátuo, e tivemos uma verdadeira tomada de consciência de que é melhor seguir um outro caminho?
    No início de qualquer atividade humana, raramente temos uma boa noção para onde estamos nos dirigindo e com o que teremos que lidar. Isto não acontece quando somos experientes. Mas mesmo a experiência deve ser invocada com cautela, para não ficarmos presos ao passado.
    Podemos então fechar uma Gestalt, podemos perceber: é isso aí!
    Até certo tempo atrás, achava que a Roda da Fortuna estava invariavelmente ligada ao sucesso e à realização. E, de fato, uma visão clara não deixa de ser uma forma de realizações, mas o fato é que nem sempre bate com nossas expectativas iniciais. Um sinal disto, no baralho de Waite, é que os seres nos cantos parecem meio etéreos, não totalmente formados, enquanto que no Mundo os mesmos seres já estão plenamente formados. É interessante também notar que eles estão lendo um livro, como se estivessem ainda aprendendo.
    Neste estado de nosso desenvolvimento já podemos ter a compreensão de que tudo que percebemos em nosso exterior tem alguma coisa a ver com nossos estados interiores. Enquanto que, no Mundo, podemos com maior facilidade exercer nossos poder radiante, fazendo com que o exterior responda às nossas disposições interiores.
    Existe mais uma indicação importante neste arcano: pode ser um bom momento de decisão ou de uma resposta bem aguardada. Podemos sair do círculo; podemos completar o que tínhamos começado; uma resposta virá de uma maneira ou de outra; ou podemos continuar neste caminho, com maior consciência. Está em nossas mãos.
    
Para continuar nos Arcanos Maiores com Betoh Simonsen escolha os links:
 
10
 
 
 
 
Contato com o autor
Betoh Simonsen
- betohsimonsen@uol.com.br
Outros trabalhos seus no Clube do Tarô: Autores
out.07
 
 
  Baralho Cigano
  Tarô Egípcio
  Quatro pilares
  Orientação
  O Momento
  I Ching
Publicidade Google
 
Todos os direitos reservados © 2005-2019 por Constantino K. Riemma  -  São Paulo, Brasil